Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


SEGURANÇA PÚBLICA

(ASSISTENCIOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
A segurança pública é o serviço prestado pelo Estado na aplicação lúcida,
técnica, oportuna e assistencial do poder de polícia, através de ações preventivas e restritivas,
apuração de responsabilidade por atos ilícitos praticados e preservação da ordem pública segundo
leis, preceitos e costumes locais com o objetivo de proporcionar o bem comum e oferecer às cons-
cins, homens ou mulheres, liberdade de manifestação e locomoção.
Tematologia.
Tema central homeostático.
Etimologia.
O termo segurança deriva do idioma Latim, securus, “tranquilo; calmo; se-
guro; plácido; pacífico; confiado; ousado; quem é indiferente a; quem não teme; que não receia”,
constituído por sine, “sem”, e cura, “inquietação; aflição; angústia, cuidado; guarda; vigia; supe-
rintendente; objeto ou causa de cuidados”. Surgiu no Século XIV. O vocábulo público vem do
idioma Latim, publicus, “concernente ao público; do público; que é de interesse; bem; utilidade
do público; que é propriedade pública”. Surgiu no Século XIII.
Sinonimologia:
1. Defesa e garantia dos Direitos Humanos. 2. Manutenção da ordem
pública.
Antonimologia:
1. Insegurança humana. 2. Insegurança social. 3. Segurança privada.
4. Desordem pública. 5. Estado de defesa. 6. Estado de sítio.
Estrangeirismologia:
a politeia; a politia; a demokratia; o koban, sistema policial japo-
nês, modelo para outros países, composto de hashutsusho (posto policial) e chuzaisho (guarita po-
licial); o jus politiae; a police authority; o policing; o pax orbis terrarum; a prática da àiléwu.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à Conviviologia Interassistencial.
Citaciologia.
Eis duas citações relativas ao tema: - Os governos passam, as sociedades
morrem, a polícia é eterna
(Honoré de Balzac, 1799-1850). O Estado Moderno é uma comunida-
de humana que pretende com êxito o monopólio do uso legítimo da força física em determinado
território
(Max Weber, 1864-1920).

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal de segurança pública; o holopensene pessoal do
serviço público; os sociopensenes; a sociopensenidade; os tecnopensenes; a tecnopensenidade; os
egopensenes; a egopensenidade; os belicopensenes; a belicopensenidade; os piropensenes; a piro-
pensenidade; os toxicopensenes; a toxicopensenidade; os enopensenes; a enopensenidade; os xe-
nopensenes; a xenopensenidade; os ortopensenes; a ortopensenidade; os reciclopensenes; a reci-
clopensenidade; os pacipensenes; a pacipensenidade; o holopensene grupal da pacificação; o ho-
lopensene grupal da prevenção; o holopensene da Assistenciologia.

Fatologia:
a segurança pública; a segurança cosmoética; a estabilidade social; a precau-
ção contra a desordem pública; a distopia social; o Estado paralelo; a maior incidência de crimes
durante a noite e nos finais de semana; a aglutinação consciencial trafarista; as milícias; o enfren-
tamento à violência contra a mulher; o enfrentamento da violência contra a criança e o adolescen-
te; o combate ao assédio moral no trabalho; a necessidade de reforma do sistema prisional inefici-
ente e com superlotação; as delegacias superlotadas de presos; os maus costumes ilícitos; a cor-
rupção; a compra de produto contrabandeado ou furtado; a venda de bebida alcoólica para menor
de 18 anos; o policiamento da fé; o policiamento voltado à solução de problemas (POP); o Pro-
grama Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci); o curso nacional de promotor de
Polícia Comunitária; o curso nacional de multiplicador de Polícia Comunitária; o policiamento
a pé; o policiamento comunitário; a ronda escolar; a investigação criminal; o mandado de prisão;

a profilaxia das chacinas urbanas; a permissividade social com os videogames belicistas; as
políticas públicas para prevenção da violência contra a mulher, contra a criança e o adolescente;
os homens jovens de 15 a 29 anos na condição de maiores vítimas da violência; o alto índice de
42% dos homicídios mundiais praticados com arma de fogo (Ano-base: 2011), segundo relatório
da Global Study on Homicide; o referendo sobre o desarmamento realizado no Brasil, em 2005;
o racismo policial; a resistência não violenta do agente policial; a tarefa da mediação de conflitos
interpessoais; a resolução de conflitos com base na conciliação; o ativismo antiviolência; o auto-
desassédio; a anticonflitividade; a pacificação íntima no exercício da atividade policial; a ressoci-
alização de presos; a inclusão social; a reparação de danos; o tratamento das causas da violência;
a reeducação de consréu estelar; a promoção e preservação da paz; a fraternidade na relação com
os criminosos; a comissão de segurança da Cognópolis Foz do Iguaçu.

Parafatologia:
a parassegurança; a parainsegurança; a autovivência do estado vibracio-
nal (EV) profilático; a sinalética energética e parapsíquica pessoal; a mediação de conflitos inspi-
rada por amparador de função; a função do projetor consciente enquanto minipeça das tarefas as-
sistenciais reurbanizadoras e transmigraciológicas; a interprisão grupocármica; a função assisten-
cial reurbanizadora do tenepessista; a manipulação consciencial por guias amauróticos; a consciex
delinquente em paracomatose pós-dessomática assediadora; o holopensene das comunexes bara-
trosféricas pressionando a Socin; a paragangue; a inspiração baratrosférica pesada; a inspiração
baratrosférica extrema; a macropsicocinesia destrutiva; os ataques extrafísicos à conscin; o exílio
planetário pela transmigração extrafísica de consréus; o autencapsulamento consciencial cosmoé-
tico defensivo; a segurança bioenergética antivampirização enquanto postura preventiva; o hete-
rencapsulamento consciencial cosmoético auto e heterodefensivo; o mediador paradiplomático
parapsíquico preferível ao mediador judicial; a utilização da psicometria em investigação crimi-
nal; o uso da clarividência viajora na ronda policial; a psicografia como meio probatório em pro-
cesso penal; a parassegurança proporcionada por amparador durante a tenepes; a parassegurança
da ofiex proporcionada pelo próprio ofiexista; as equipes extrafísicas de parassegurança; a função
de vigilante extrafísico; a proposição do Projeto Crisálida (prática da tenepes enquanto instru-
mento de ressocialização de presos); a prevenção de crimes pelo emprego cosmoético das energi-
as conscienciais, reeducadoras e reurbanizadoras, através da tenepes.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo entre o policiamento orientado para o problema e o po-
liciamento comunitário;
o sinergismo das ações pacifistas; o sinergismo reurbin-reurbex; o si-
nergismo patológico consciência títere-consréu estelar;
o sinergismo das políticas públicas de
segurança e prevenção social dos governos federal, estadual e municipal;
o sinergismo entre go-
vernantes e governados pelo consenso de valores
.
Principiologia:
o princípio de não haver crime sem lei anterior definindo-o; os princí-
pios do Sistema Único de Segurança Pública
(SUSP); o princípio da predominância do interesse
público sobre o particular;
o princípio da não violência; o princípio da admiração-discordância;
o princípio autocorruptor do “todo mundo faz”; o princípio autocorruptor do “se é público não
tem dono”;
o princípio da “farinha pouca, meu pirão primeiro”.
Codigologia:
o código de Hamurabi; o Código Napoleão (1804); o Código Civil Brasi-
leiro
(2002); o Código Penal Brasileiro (1949); o Código Tributário Nacional (CTN; 1966);
o código da Terminologia Policial; o código da Terminologia Criminosa; o código criminoso de
identificação pessoal pela tatuagem;
o código pessoal de Cosmoética (CPC).
Teoriologia:
a teoria das janelas quebradas; a teoria das atividades rotineiras; a teoria
da escolha racional;
a teoria do padrão criminal; a teoria da oportunidade; a teoria lombrosiana
do criminoso nato;
a teoria da Paragenética; a teoria da interprisão grupocármica; a teoria do
porão consciencial;
a teoria da robéxis; a teoria da interassedialidade; a teoria da Escala Evolu-
tiva das Consciências;
a teoria do Homo sapiens serenissimus.

Tecnologia:
a técnica conscienciológica de segurança pessoal na rua; a técnica consci-
enciológica de segurança dos veículos;
a técnica da reciclagem existencial (recéxis); a técnica da
reciclagem intraconsciencial
(recin).
Voluntariologia:
o paravoluntariado interassistencial da prática diária da tenepes;
o voluntariado do policial militar no Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Vio-
lência
(PROERD); o voluntariado interassistencial do cidadão em Conselho Comunitário de Se-
gurança
(CONSEG); o voluntariado em organização não governamental voltada para a seguran-
ça pública;
o trabalho voluntário comunitário.
Laboratoriologia:
o laboratório conscienciológico da Parageneticologia; o laboratório
conscienciológico da Pensenologia;
o laboratório conscienciológico da Cosmoeticologia; o labo-
ratório conscienciológico da Evoluciologia;
o laboratório conscienciológico da autorganização;
o laboratório conscienciológico da grupalidade; o laboratório conscienciológico da paz.
Colegiologia:
o Colégio Invisível da Conviviologia; o Colégio Invisível da Paradireito-
logia;
o Colégio Invisível da Parapoliticologia; o Colégio Invisível da Pararreurbanologia;
o Colégio Invisível da Parageneticologia.
Efeitologia:
o efeito da pacificação íntima do policial no uso do poder de polícia; o efei-
to da reurbex no aumento da delinquência na Socin em função das consréus ressomadas;
o efeito
do uso do parapsiquismo na investigação policial para solução de crimes;
o efeito da adequação
do sistema prisional para oferecer garantia dos direitos humanos e proporcionar a ressocializa-
ção dos detentos
.
Neossinapsologia:
a criação de neossinapses para a desmilitarização secular do holo-
pensene policial;
a criação pelos detentos de neossinapses para ressocialização através da recin;
a criação de neossinapses pacifistas.
Ciclologia:
o ciclo desemprego elevado-habitação precária-discriminação racial gene-
ralizada-desordem pública;
o ciclo infrator motivado-vítima displicente-alvo adequado-ausên-
cia de guardião-ação delinquente;
o ciclo existencial alternante doentio algoz-vítima; o ciclo
monoideísta da reincidência criminosa;
o ciclo completo da ação policial: prevenção-repressão;
o ciclo de julgamento do processo penal; o ciclo existencial ainda patológico da consréu estelar;
o ciclo da instalação do EV-autodefesa energética-autossegurança-heterossegurança; o ciclo
bioenergético assistencial assim-desassim
.
Enumerologia:
a segurança do indivíduo; a segurança da família; a segurança do vizi-
nho; a segurança do bairro; a segurança da cidade; a segurança do país; a segurança do planeta.
Binomiologia:
o binômio segurança pública-segurança privada; o binômio sensação de
insegurança-segurança;
o binômio bens públicos-bens particulares; o binômio Direito-Paradi-
reito;
o binômio polícia administrativa-polícia judiciária; o binômio prevenção-repressão; o bi-
nômio tranquilidade social-ordem social;
o binômio paradireitos-paradeveres; o binômio religi-
oso pessoa do bem-pessoa do mal;
o binômio menor infrator-adulto infrator; o binômio sectaris-
ta socioeconômico pessoa rica-pessoa pobre
.
Interaciologia:
a interação polícia administrativa-polícia judiciária; a interação mode-
ladora sociedade-polícia;
a interação agente policial-autoridade pública; a interação do Estado
brasileiro com a população carcerária;
a interação entre delinquentes e policiais corruptos; a in-
teração da mídia na exploração sensacionalista da fatuística criminal;
a interação do holopense-
ne das comunexes baratrosféricas com o holopensene da Socin repercutindo na segurança públi-
ca;
a interação do vigilante extrafísico com as equipes extrafísicas de assistência; a interação
réu-grupocarma
.
Crescendologia:
o crescendo família-fratria-tribo-cidade; o crescendo adensamento po-
pulacional-conflito social-violência urbana;
o crescendo evolutivo consréu delinquente belicista
encarcerada-consréu religiosa ressocializada;
o crescendo patológico homicida primário-homi-
cida serial killer;
o crescendo evolutivo consréu reurbanizada-consréu estelar-pré-serenão in-
termissivista;
o crescendo pena de multa-pena restritiva de direitos-pena privativa de liberdade;
o crescendo evolutivo planeta hospital-planeta escola; o crescendo olho por olho dente por
dente-Declaração Universal dos Direitos Humanos-código grupal de Cosmoética
(CGC).

Trinomiologia:
o trinômio defesa civil-segurança pública-defesa social; o trinômio
(trio) delinquente-vítima-guardião; o trinômio acolhimento-orientação-encaminhamento; o trinô-
mio liberdade-igualdade-fraternidade
.
Polinomiologia:
o polinômio heterojulgamento-culpabilidade-condenação-prisão; o po-
linômio autoinvestigação-autodiagnóstico-responsabilização-interprisão grupocármica
.
Antagonismologia:
o antagonismo segurança pública / violência policial; o antagonis-
mo segurança / tortura;
o antagonismo policial íntegro / policial corrupto; o antagonismo julga-
mento sumário / julgamento com direito à defesa;
o antagonismo polícia / milícia; o antagonismo
violência / paz;
o antagonismo anticosmoético para os amigos tudo / aos inimigos, os rigores da
lei;
o antagonismo moral de comprar produtos originais / comprar produtos falsificados.
Paradoxologia:
o paradoxo de a vítima displicente atuar como assediadora do próprio
algoz delinquente;
o paradoxo de a vítima advogar em defesa do algoz.
Politicologia:
a democracia representativa; a democracia pura; a medocracia; o Estado
Democrático de Direito; o Estado Mundial; o governo paralelo dos líderes do narcotráfico; o pro-
grama do antigoverno paralelo Governo mil-Marginália zero; a polícia política; a política
nacional de direitos humanos; a política nacional de segurança pública; a organização e o modus
operandi
das polícias espelhando a maturidade democrática em determinada sociedade.
Legislogia:
a lei de talião; os Dez Mandamentos da lei de Deus; a lei do Alcorão; a lei
das Doze Tábuas
(450 a.e.c.); a Lex regia; a lei do mais forte; a lei de Lynch (linchamento); a lei
de Gerson;
a lei da selva noturna; a lei do tráfico de drogas nas favelas; a lei patológica da pena
de morte;
as leis inglesas do estatuto de Winchester (1285); as leis brasileras do estatuto do de-
sarmamento
(2003).
Filiologia:
a grupocarmofilia; a policarmofilia; a pacificofilia; a criminofilia; a reeduca-
ciofilia; a autodisciplinofilia; a sociofilia; a conviviofilia.
Fobiologia:
a tanatofobia; a disciplinofobia; a sociofobia; a conviviofobia.
Sindromologia:
a síndrome da ectopia afetiva (SEA) na criminologia; a síndrome de
Estocolmo;
a síndrome da abstinência da Baratrosfera (SAB); a síndrome da insegurança.
Maniologia:
a riscomania; a toxicomania; a piromania; a hoplomania; a idolomania de
personalidades delinquentes.
Mitologia:
a origem mitológica das instituições policiais e judiciais gregas na Oresteia
de Ésquilo;
o mito religioso da proteção divina; o mito do bom bandido; o mito do crime perfei-
to;
o mito da democracia racial brasileira; o mito jurídico brasileiro da aplicação igualitária da
lei para todos;
o mito do super-herói; o mito anticosmoético de “bandido bom é bandido morto”;
o mito de a segurança pública ser responsabilidade exclusiva das instituições policiais.
Holotecologia:
a belicosoteca; a conflitoteca; a criminoteca; a democracioteca; a fobio-
teca
; a juridicoteca; a pacificoteca; a politicoteca; a socioteca; a toxicoteca.
Interdisciplinologia:
a Assistenciologia; a Antropologia Criminal; a Criminologia; a Po-
liticologia; a Mesologia; a Paradireitologia; a Pacifismologia; a Interprisiologia; a Conscienciote-
rapia; a Recinologia; a Ciência Policial de Segurança e Ordem Pública.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a conscin lúcida; a isca humana lúcida; o ser desperto; o ser interassisten-
cial; a conscin enciclopedista; a consréu estelar; a consbel; o efetivo das instituições policiais de
segurança; a quadrilha; a gangue; o hooligan; a milícia; a tropa de elite; o júri popular; o jurado
do conselho de sentença.

Masculinologia:
o acoplamentista; o agente retrocognitor; o atacadista consciencial;
o amparador intrafísico; o autodecisor; o intermissivista; o cognopolita; o compassageiro evoluti-
vo; o completista; o comunicólogo; o conscienciólogo; o conscienciômetra; o consciencioterapeu-
ta; o macrossômata; o conviviólogo; o duplista; o duplólogo; o proexista; o proexólogo; o reedu-
cador; o epicon lúcido; o escritor; o evoluciente; o exemplarista; o intelectual; o reciclante exis-
tencial; o inversor existencial; o maxidissidente ideológico; o ofiexista; o pesquisador; o projetor

consciente; o tertuliano; o verbetólogo; o voluntário; o tocador de obra; o homem de ação; o me-
nor de 18 anos infrator; o neonazista; o planejador de políticas públicas; o policial militar; o poli-
cial civil; o bombeiro militar; o perito criminal; o policial de trânsito; o guarda municipal; o agen-
te penitenciário; o delegado; o legislador; o advogado; o juiz; o fiscal de tributos; o mediador de
conflito; o vigiles; o praefectus urbi; os prefeitos do pretório; os samurais japoneses; o rei; os ca-
valeiros medievais; o lord of the manor; o sherif; o constable; o xerife do velho oeste estaduni-
dense; o carabineiro; o almotacé; o alcaide-mor; o alcaide pequeno; o tenente de polícia de Paris;
o filósofo contratualista Thomas Hobbes (1588-1679); o idealizador do policiamento preventivo
Robert Peel (1788-1850); o criminalista Cesare Lombroso (1835-1909).

Femininologia:
a acoplamentista; a agente retrocognitora; a atacadista consciencial;
a amparadora intrafísica; a autodecisora; a intermissivista; a cognopolita; a compassageira evolu-
tiva; a completista; a comunicóloga; a consciencióloga; a conscienciômetra; a conscienciotera-
peuta; a macrossômata; a convivióloga; a duplista; a duplóloga; a proexista; a proexóloga; a ree-
ducadora; a epicon lúcida; a escritora; a evoluciente; a exemplarista; a intelectual; a reciclante
existencial; a inversora existencial; a maxidissidente ideológica; a ofiexista; a pesquisadora;
a projetora consciente; a tertuliana; a verbetóloga; a voluntária; a tocadora de obra; a mulher de
ação; a menor de 18 anos infratora; a neonazista; a planejadora de políticas públicas; a policial
militar; a policial civil; a bombeiro militar; a perita criminal; a policial de trânsito; a guarda muni-
cipal; a agente penitenciária; a delegada; a legisladora; a advogada; a juíza; a fiscal de tributos;
a mediadora de conflitos.

Hominologia:
o Homo sapiens publicus; o Homo sapiens vigilans; o Homo sapiens
politicus;
o Homo sapiens paradireitologus; o Homo sapiens mediator; o Homo sapiens gruppa-
lis;
o Homo sapiens reurbanisatus; o Homo sapiens bellicosus; o Homo sapiens antiviolentus;
o Homo sapiens cosmoethicus; o Homo sapiens assistens; o Homo sapiens pacificus.

V. Argumentologia

Exemplologia:
segurança pública básica = a defesa e garantia de fruição dos direitos hu-
manos; segurança pública preventiva = a prevenção da ocorrência de fatos criminosos na Socin;
segurança pública reeducativa = a restrição de liberdade dos criminosos para reeducação consci-
encial.

Culturologia:
a cultura da Interassistenciologia; a convivência multicultural no Brasil;
a cultura da impunidade; a cultura de “esta lei não pega”; a cultura popular do “você sabe com
quem está falando?”;
a cultura patrimonialista do povo brasileiro; a cultura da corrupção; a cul-
tura do capitalismo selvagem promotora da desigualdade social pela concentração de renda in-
fluindo no aumento da criminalidade;
a cultura sectarista do emprego da força policial para pro-
teção das elites;
a cultura democrática; a cultura de omissão do “isso não é comigo”; a cultura
da não violência;
a cultura da paz.

Curiosologia.
Segundo a Sociologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética, 30 instânci-
as policiais de segurança pública registradas na Historiografia Humana, seguidas da localidade
e da época do surgimento:
01. Carabineiros: Espanha; Século XIX.
02. Constable: Inglaterra; Século XIII.
03. Departamento de polícia metropolitana de Tóquio: Japão; Século XIX.
04. Donatários das Capitanias Hereditárias: Brasil; Século XVI.
05. Força nacional de segurança pública: Brasil; Século XXI.
06. Gestapo: Alemanha; Século XX.
07. Governador-geral: Salvador, Brasil Colônia; Século XVI.
08. Guarda Civil: Espanha; Século XIX.

09. Guarda da Cidade: Viena; Século XVI.
10. Guarda Escocesa: no Brasil, trazida por Villegagnon (1510-1571); Século XVI.
11. Guardas de Feira (Custodes nundinarum): França; Século XIII.
12. Guardas municipais permanentes: Brasil; Século XIX.
13. Intendência Geral da Polícia da Corte do Brasil: Brasil; Século XIX.
14. Intendência Geral da Polícia da Corte: Portugal; Século XVIII.
15. Kin policing: Sociedades Tribais (policiamento com base familiar); Idade Antiga.
16. Lensman: Noruega e Suécia; Século XIII.
17. Los mozos de esquadra: Espanha; Século XVII.
18. Maréchaussée (Gendarmerie): França; Século XIV.
19. Metropolitan Police: Inglaterra; Século XIX.
20. Nightwatch: Inglaterra; Século XVIII.
21. Polícia política ateniense: Grécia; Século V a.e.c.
22. Polícia Rodoviária Federal: Brasil; Século XX.
23. Praefectus urbi: Roma; Século VI a.e.c.
24. Primeira instituição policial de Portugal: Évora; Portugal; Século XIV.
25. Santa Hermandade: Espanha; Séculos XV e XVI.
26. Somatente: Barcelona, Espanha; Século XIII.
27. Special weapons and tactics (SWAT): Estados Unidos; Século XX.
28. Tenência de polícia de Paris: França; Século XVII.
29. Tribunal do Santo Ofício: Portugal; Século XVI.
30. Tythings e Hundreds: Inglaterra; Século XII.

Taxologia.
No contexto da Intrafisicologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética, 10
modalidades de policiamento existentes na Socin Brasileira atual (Ano-base: 2013) para seguran-
ça pública:
01. Comunitário: filosofia e estratégia organizacional atribuidora tanto à Polícia quanto
à Comunidade da responsabilidade de trabalharem juntas para promover a paz social.
02. Eleitoral: a fiscalização pela integridade do voto no período de eleições.
03. Fiscal: a prevenção à sonegação de tributos.
04. Institucional: a guarda, por exemplo, nas instalações da Câmara do Senado Federal.
05. Jurídico: a preservação do direito adquirido.
06. Patrimonial: a salvaguarda dos bens tangíveis e intangíveis.
07. Prisional: a garantia dos Direitos Humanos.
08. Rural: a vigilância nas áreas agrícolas e de preservação ambiental.
09. Sanitário: a proteção nos portos, aeroportos e estabelecimentos comerciais.
10. Urbano: a defesa do povo nas metrópoles.

Profilaxia.
De acordo com a Experimentologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética,
4 possibilidades paraprofiláticas de segurança pessoal, coadjutoras da segurança pública:
1. Bioenergética: a blindagem de ambientes intra e extrafísicos.
2. Cosmoética: a defesa pacifista coerente às leis regentes de evolução consciencial.
3. Holossomática: as paratécnicas aplicadas em prol da preservação do holossoma.
4. Parapsíquica: o uso da autoparapercepção evitando a influenciação de exopensenes.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com a segurança pública, indicados para a expansão das abor-
dagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Antiviolência: Homeostaticologia; Homeostático.
02. Coerção social: Sociologia; Nosográfico.

03. Consréu estelar: Parapatologia; Nosográfico.
04. Cultura de paz: Pacifismologia; Homeostático.
05. Democracia: Parapoliticologia; Neutro.
06. Distopia social: Sociologia; Nosográfico.
07. Fauna humana noturna: Conviviologia; Neutro.
08. Insegurança institucional: Sociologia; Nosográfico.
09. Inspiração baratrosférica: Parapatologia; Nosográfico.
10. Macropsicocinesia destrutiva: Megaparapatologia; Nosográfico.
11. Mediador: Conflitologia; Homeostático.
12. Paraetologia: Parassociologia; Neutro.
13. Reeducação para a paz: Pacifismologia; Homeostático.
14. Sede de poder: Intrafisicologia; Nosográfico.
15. Taxologia da segurança: Experimentologia; Neutro.

A
SEGURANÇA PÚBLICA DISCIPLINA A ORDEM SOCIAL
EQUILIBRANDO E MEDIANDO AS
INTERRELAÇÕES PES-
SOAIS PARA A INTERASSISTENCIALIDADE PROMOTORA
DA REEDUCAÇÃO E DA RECONCILIAÇÃO CONSCIENCIAL.


Questionologia.
Como atua você, leitor ou leitora, para manutenção da ordem pública,
preservação dos direitos civis e da convivialidade sadia na Socin? Em qual condição?

Filmografia Específica:

1. Minority Report - A Nova Lei. Título Original: Minority Report. País: EUA. Data: 2002. Duração: 145
min. Gênero: Ficção Científica. Idade (censura): 14 anos. Idioma: Inglês. Cor: Colorido. Legendado: Português. Dire-
ção:
Steven Spielberg. Elenco: Tom Cruise; Colin Farrell; Samantha Morton; Peter Stormare; Max Von Sydow;
& Kathryn Morris. Produção: Bonnie Curtis; & Gerald R. Molen. Roteiro: John August; Jon Cohen; Frank Darabont,
Scott Frank; Gary Goldman; & Ronald Shusett. Fotografia: Janusz Kaminski. Música: John Williams. Estúdios: 20th
Century Fox Home Entertainment; Cruise / Wagner Productions; DreamWorks SKG; Blue Tulip; Amblin Entertainment;
Ronald Shusett; & Gary Goldman. Distribuidora: Fox Film. 33. Sinopse: O filme se passa em 2054, quando a tecnologia
permite prever o futuro e prender assassinos antes de cometerem os crimes. O órgão responsável pela tarefa, o Pré-Crime,
conta com 3 Pré-Cogs, paranormais capazes de prever os futuros crimes. Até então, nunca falharam. John Anderton (Tom
Cruise), o chefe do Pré-Crime, acredita no sistema, mas, de repente, se vê acusado por futuro assassinato a cometer dentro
de 36 horas. Mesmo sem saber qual é a vítima, é implacavelmente caçado. Determinado, John resolve descobrir
o desencadeamento da ação e impedir o acontecimento.
2. Tropa de Elite - Missão dada é Missão Cumprida. Título Original: Tropa de Elite - Missão dada é Missão
Cumprida
. País: Brasil. Data: 2007. Duração: 116 min. Gênero: Ação. Idade (censura): 16 anos. Idioma: Português.
Cor:
Colorido. Direção: José Padilha. Elenco: Wagner Moura; André Ramiro; Caio Junqueira; Milhem Cortaz; Fernanda
Machado; Maria Ribeiro; Paulo Vilela; Fernanda de Freitas; André Felipe; Fábio Lago; Patrick Santos; Rafael d'Avila;
Roberta Santiago; Emerson Gomes; Bernardo Jablonski; Allan Guilherme; Marcelo Escorel; Marcelo Valle; Paulo
Hamilton; Thogun; Saulo Rodrigues; Thelmo Fernandes; Pierre Santos; Ronaldo Reis; Leandro Castilho; Márcio Fonseca;
Sandro Rocha; Alexandre Neves; Murilo Elbas; Bruno d'Elia; Alexandre Mofatti; André Santinho; Rod Carvalho; Ricardo
Sodré; Marcelo Cavalcanti; Juliano Cazarré; Marcello Gonçalves; Pablo Sobral; Gabriel Teixeira; Cássio Nascimento;
Diego Santiago; Augusto Madeira; Suzana Pires; Ana Paula Secco; Brian Amorim; Rosana Barros; Wendel Barros;
Álamo Facó; Nathalia Dill; Daniel Lentini; Michel Blois; Bento Ribeiro; Flávia Rubim; Cintia Rosa; Kauã Messias;
Márcio Costa; Cesar Calixto; Marcello Melo Junior; Hugo Grativol; Anderson Mello; Xando Graça; Guilherme Guaral;
Alvaro Diniz Viegas; Ivens Godinho; Erick Burdon; Rafael Gnone; Otto Jr.; & Joana Medeiros. Produção: Marcos
Prado; & José Padilha. Co-produção: Eliana Soárez; & James D’Arcy. Produção Executiva: José Padilha;
& Marcos Prado. Direção de Arte: Tulé Peake. Roteiro: André Batista; Bráulio Mantovani; José Padilha; & Rodrigo
Pimentel. Fotografia: Lula Carvalho. Música: Pedro Bromfman. Montagem: Daniel Rezende. Figurino: Claudia Kopke.
Efeitos Especiais:
Bruno Van Zeebroeck. Estúdios: Zazen Produções. Distribuidora: Universal Studios. Sinopse: O fil-
me retrata o dia a dia do grupo de policiais e do Capitão Nascimento (Wagner Moura), membros do Bope (Batalhão de
Operações Policiais Especiais). Em 1997, Nascimento quer sair da corporação e tenta encontrar substituto para o posto.
Paralelamente, 2 amigos de infância, tornaram-se policiais, destacando-se nos postos. Os jovens têm como objetivo entrar
para o Bope para acabar com a corrupção na polícia.

Bibliografia Específica:


1. Costa, Cláudio; Evolução em Cadeia: Reciclagem de um Presidiário pela Tenepes; Colaboração Suzane
Morais; prof. Waldo Vieira; revisores Ana Luiza Rezende; et al.; 200 p.; 28 caps.; 1 E-mail; 33 enus.; 1 foto; 1 tab.; 1 web-
site;
glos. 300 termos; 15 filmes; 46 refs.; alf.; 21 x 14 cm; br.; Instituto Internacional de Projeciologia e Consciencio-
logia
(IIPC); Rio de Janeiro, RJ; 1998; páginas 26 a 28.
2. Vieira, Waldo; Homo sapiens pacificus; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 1.584 p.; 24 seções;
413 caps.; 403 abrevs.; 38 E-mails; 434 enus.; 484 estrangeirismos; 1 foto; 37 ilus.; 168 megapensenes trivocabulares;
1 microbiografia; 36 tabs.; 15 websites; glos. 241 termos; 25 pinacografias; 103 musicografias; 24 discografias; 20
cenografias; 240 filmes; 9.625 refs.; alf.; geo.; ono.; 29 x 21,5 x 7 cm; enc.; 2ª Ed.; Associação Internacional do Centro de
Altos Estudos da Conscienciologia
(CEAEC); & Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2007; páginas
241 a 510 e 863 a 885.
3. Idem; Homo sapiens reurbanisatus; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 1.584 p.; 24 seções; 479
caps.; 139 abrevs.; 12 E-mails; 597 enus.; 413 estrangeirismos; 1 foto; 40 ilus.; 1 microbiografia; 25 tabs.; 4 websites;
glos. 241 termos; 3 infográficos; 102 filmes; 7.663 refs.; alf.; geo.; ono.; 29 x 21 x 7 cm; enc.; 2ª Ed.; Associação Interna-
cional do Centro de Altos Estudos da Conscienciologia
(CEAEC); Foz do Iguaçu, PR; 2003; páginas 502 a 798.
4. Idem, Projeções da Consciência: Diário de Experiências Fora do Corpo Físico; revisor Alexander Stei-
ner; 234 p.; 60 caps.; 60 cronologias; 34 E-mails; 5 enus.; 1 foto; 1 microbiografia; 1 questionário projetivo; 11 websites;
glos. 24 termos; alf.; 21 x 14 cm; br.; 7ª Ed.; rev.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2005; páginas
84 a 87.

A. P. B.