Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


REPOSITÓRIO AUTOPENSATOGRÁFICO

(CONSCIENCIOGRAFOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
O repositório autopensatográfico é o arquivo, inventário ou repertório pes-
soal de parêmias autorredigidas, a partir da expansão holofilosófica, associativa e interdisciplinar
das ideias, vivências teáticas e autorreflexões cotidianas, compondo cabedal autoconscienciográ-
fico auxiliar às escritas tarísticas e pesquisas conscienciométricas.
Tematologia.
Tema central neutro.
Etimologia.
O vocábulo repositório advém do idioma Latim, repertorium, “inventário;
prato; travessa; espécie de bandeja”. Data de 1557. O elemento de composição auto procede do
idioma Grego, autós, “eu mesmo; por si próprio”. O termo pensata provém do idioma Latim, pen-
satus,
“examinado; compensado; pago”, oriundo de penso, pensare, “examinar, considerar atenta-
mente, pensar”. O segundo elemento de composição grafia provém do idioma Grego, graphé,
“escrita; escrito; convenção; documento; descrição”.
Sinonimologia:
1. Repertório pessoal de parêmias evolutivas. 2. Arquivo de ortopensa-
tas autorredigidas. 3. Catálogo autoideativo grafado.
Neologia.
As 3 expressões compostas repositório autopensatográfico, repositório auto-
pensatográfico básico
e repositório autopensatográfico avançado são neologismos técnicos da
Conscienciografologia.
Antonimologia:
1. Arquivo de citações heterobiográficas. 2. Repositório de heteropen-
satas.
Estrangeirismologia:
o thesaurus holobiográfico; o download de paraconstructos inter-
missivos; o portfolio de ideias evolutivas grafadas; o addendum neoideativo do amparador; o mo-
mentum
da catálise conteudística; o modus operandi autogesconográfico; os pensées omnicríticos.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto ao autodesenvolvimento conscienciográfico tarístico.
Megapensenologia.
Eis 2 megapensenes trivocabulares relativos ao tema: - Mentalso-
ma: megaprocessador ideativo
. Pensatografia: autoconsciencialidade redigida.
Ortopensatologia:
- “Autopensatas. A acumulação de autopensatas multiplica os divi-
dendos autocognitivos”
.
Filosofia:
a Holofilosofia.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal da Ortopensatologia; o holopensene mentalsomáti-
co pessoal fomentando interassistências multidimensionais; as assinaturas pensênicas; o holopen-
sene pessoal omninvestigativo; o holopensene da conscienciocentragem; o almoxarifado intrafísi-
co das ortopensenizações temáticas; a amplitude lateropensênica estimulada (Cosmovisiologia);
o exercício prático de fixação de neopensenes; a efervescência neopensênica; a autopensenização
sintético-analítica; a pensenidade neocientífica; os lucidopensenes; a lucidopensenidade; a abran-
gência desassedidora da autolucidopensenização; a pensenidade panorâmica fomentando a inteli-
gência evolutiva
(IE).

Fatologia:
o repositório autopensatográfico; o acervo de concepções mentaissomáticas;
o instrumento de autopesquisa; o diário do autopensatógrafo; a autoprescrição reciclogênica;
a dissecção intelectiva; a apropriação cognitiva do entorno existencial; a malhação consciencio-
gráfica; o autesclarecimento; a autenciclopédia consubstanciada em parêmias; a singularidade
consciencial explicitada; a prática redacional; o estilo de escrita; a construção do perfil conformá-
tico; os subsídios argumentativos; a multitematicidade na rotina intrafísica; a polimatia; a diversi-
ficação vocabular; a automotivação grafotarística; a autorreflexão pró-recins; a composição de

neoideias; o paradigma consciencial; a interpretatividade paradireitológica; a busca pelas concau-
sas interdimensionais; a taquirritmia do pensatógrafo; as ortoevocações nas entrelinhas; a essência
das experiências evolutivas; o extrato conteudístico do cotidiano multidimensional; a atenção di-
vidida; o abertismo intelectivo; a associação ideativa expansiva; a depuração autexperimentológi-
ca; a megaescola da vida intrafísica; a interpretação das sincronicidades; o escrutínio elucidador
dos contrafluxos; a profilaxia da dispersividade; a lente verponológica; a generalização tarística;
a especificidade relevante; a abordagem concreta da ocorrência subjetiva; a autodisponibilização
ao amparo mentalsomático; o entrecruzamento crítico das ocorrências intra e extrafísicas; a efeti-
va consulta ao autorrepositório de pensatas; a revisão conformática dos neoconstructos; o apro-
veitamento gesconográfico das parêmias pessoais; o treino megagesconológico; a possibilidade
de futura publicação do arquivo pensatográfico; o Léxico de Ortopensatas enquanto referencial de
repositório autopensatográfico; o olhar existencial pela ótica da Evoluciologia materializado em
ortopensatas.

Parafatologia:
a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; as energias consci-
enciais (ECs) preponderantemente mentaissomáticas; a holobiografia autexplicitada progressiva-
mente; o enriquecimento da paragenética a partir da mentalsomaticidade estimulada; os paracons-
tructos advindos da projetabilidade lúcida; o prazer mentalsomático ao redigir ortopensatas; a co-
municabilidade interdimensional; o campo mentalsomático intelectivo; a psicosfera auto e hetero-
elucidativa do pensatógrafo; as achegas extrafísicas enriquecedoras e panorâmicas da equipex.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo cérebro-paracérebro; o sinergismo escritor-amparador;
o sinergismo dos neuroléxicos; o sinergismo ideativo conceptáculo-receptáculo; o sinergismo
neoideias-neorresponsabilidades;
o sinergismo dos aportes conscienciográficos disponibilizados
na Comunidade Conscienciológica Cosmoética Internacional
(CCCI).
Principiologia:
o princípio da descrença (PD); o princípio da omninvestigação do Cos-
mos;
o princípio do omniquestionamento pesquisístico; a observação e transcrição dos princípios
evolutivos;
o princípio do megafoco mentalsomático.
Codigologia:
as autopensatas auxiliando no código pessoal de Cosmoética (CPC).
Teoriologia:
a teoria do confor aplicada à automundividência; as teorias consciencioló-
gicas vividas no dia a dia;
a teoria do autoconhecimento evolutivo; a teoria da grafoterapia.
Tecnologia:
as técnicas ortopensatográficas; as técnicas conscienciográficas persona-
líssimas;
a técnica do selfbrainstorming; a técnica do diário de autopensenização; a técnica do
detalhismo;
a técnica da circularidade; a técnica da tábula rasa; as técnicas pessoais de leitura
e anotação;
as técnicas energéticas; a técnica do sobrepairamento analítico.
Voluntariologia:
a amplo leque de neotemas ortopensatográficos haurível no volunta-
riado conscienciológico
.
Laboratoriologia:
a valorização das ideias vislumbradas nos laboratórios consciencio-
lógicos;
o laboratório conscienciológico da vida cotidiana diuturna.
Colegiologia:
o Colégio Invisível da Mentalsomatologia; o Colégio Invisível dos Verpo-
nologistas;
o Colégio Invisível dos Verbetógrafos da Enciclopédia da Conscienciologia.
Efeitologia:
o efeito autorganizador da escrita pró-evolutiva; a postura paracientífica
frente aos efeitos evolutivos em geral; os efeitos parafisiológicos da atividade pensatográfica; os
efeitos desassediadores da escrita sadia;
os efeitos reciclogênicos da práxis ortopensatográfica.
Neossinapsologia:
as neossinapses hauridas ao transcrever os autoortopensenses; a re-
flexão na sessão autopensatográfica predispondo à recuperação de parassinapses intermissivas.
Ciclologia:
o ciclo papel-notebook; o ciclo autelucidação-heterelucidação; o ciclo recé-
xis-recin;
o ciclo neovivência-neorreflexão-neopensata; o ciclo infindável de neoideias; o ciclo
problema-solução;
o ciclo tarístico interdimensional; o ciclo autesforços-expertise.
Enumerologia:
a cientificidade; a curiosidade; a correlatividade; a concentração; o aber-
tismo; o autodidatismo; o autesclarecimento.

Binomiologia:
o binômio foco interno-foco externo; o binômio lista de temas verbetá-
veis-repositório de autopensatas;
o binômio autovivências-heterovivências; o binômio autevolu-
tivo erros-acertos
frutificando neoparêmias; o binômio arquivo físico-arquivo digital; o binômio
autopesquisa-interassistência;
o binômio análise-síntese.
Interaciologia:
a interação reflexão-esclarecimento; a interação heurística dos temas
pensatografados;
a interação transpiração-inspiração; o olhar pesquisístico sobre as interações
holossomáticas;
a interação retropensenes-neopensenes; a interação Ortopensatologia-Autorre-
ciclologia;
a interação leitura-escrita; a interação mundividência-holobiografia.
Crescendologia:
o crescendo autopensata-neogescon; o crescendo do autoideário evo-
lutivo;
o crescendo Filosofia-Holofilosofia; o crescendo da expertise redacional conscienciológi-
ca;
o crescendo da assertividade omninterpretativa; o crescendo da qualificação das autopensa-
tas;
o crescendo da liberdade pensênica; o crescendo da autexpressividade na escrita; o crescen-
do da autoconfiança conscienciográfica
.
Polinomiologia:
o polinômio papel-caneta-mão-mentalsoma; o polinômio consciencio-
gráfico substrato-semeadura-frutificação-colheita
.
Antagonismologia:
o antagonismo pensatas esquecidas / pensatas consultadas; o anta-
gonismo detalhismo / generalismo;
o antagonismo ideia perdida / ideia aproveitada; o antago-
nismo psicomotricidade / mentalsomaticidade;
o antagonismo foco / dispersão; o antagonismo
dissecção profunda / palpite fugaz;
o antagonismo paradireitológico atenuante / agravante.
Paradoxologia:
o paradoxo de a autopensatografia fomentar a cosmovisão; o paradoxo
de escrever para si visando a qualificação assistencial ao grupo;
o paradoxo de a habilidade sin-
tética decorrer da proficiência analítica
.
Politicologia:
a conscienciocracia (Cognópolis); a cosmoeticocracia; a heuristicocracia;
a meritocracia; a evoluciocracia; a verponocracia; a proexocracia.
Legislogia:
a lei do maior esforço mentalsomático; a postura omnipesquisística frente
à lei cósmica de causa-efeito.
Filiologia:
a bibliofilia; a cognofilia; a lexicofilia; a enciclopediofilia.
Sindromologia:
a síndrome do perfeccionismo ceifando o abertismo conscienciográfico.
Maniologia:
a superação da mania de menosprezar as ideias.
Mitologia:
o descarte do mito da autevolução sem autesforços; a reperspectivação dos
mitos pessoais
através da elaboração de parêmias conscienciológicas pessoais.
Holotecologia:
a aforismoteca; a biblioteca; a comunicoteca; a cognoteca; a mentalso-
matoteca; a intelectoteca; a pensenoteca.
Interdisciplinologia:
a Conscienciografologia; a Grafoassistenciologia; a Taristicologia;
a Parailuminismologia; a Heuristicologia; a Causaciologia; a Arquivologia; a Retrocogniciologia;
a Paremiologia; a Autoliberologia; a Ortopensatologia; a Pangrafologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a consciência gráfica; a conscin pensadora; o ser grafoassistencial; as equi-
pexes grafotécnicas; a conscin enciclopedista.

Masculinologia:
o plantonista pensatógrafo; o conscienciólogo; o escritor; o intelectual;
o reciclante existencial; o sistemata; o tertuliano; o teletertuliano; o verbetólogo; o verbetógrafo;
o paracientista; o omninvestigador evolutivo; o paradireitólogo.

Femininologia:
a plantonista pensatógrafa; a consciencióloga; a escritora; a intelectual;
a reciclante existencial; a sistemata; a tertuliana; a teletertuliana; a verbetóloga; a verbetógrafa;
a paracientista; a omninvestigadora evolutiva; a paradireitóloga.

Hominologia:
o Homo sapiens cognografus; o Homo sapiens autoconsciens; o Homo
sapiens scriptor;
o Homo sapiens mentalsomaticus; o Homo sapiens antimimeticus; o Homo sa-
piens autobiographus;
o Homo sapiens eruditus; o Homo sapiens verponologus.

V. Argumentologia

Exemplologia:
repositório autopensatográfico básico = aquele composto de centenas de
pensatas redigidas ao longo de anos; repositório autopensatográfico avançado = aquele composto
de milhares de pensatas grafadas durante décadas.

Culturologia:
a cultura da escrita; a cultura do parapsiquismo mentalsomático; a cultu-
ra de valorizar as autovivências
cotidianas; a cultura verbetográfica.

Objetivologia.
Frente à Intencionologia, eis, em ordem alfabética, 7 qualificações pensa-
tográficas e respectivos efeitos pensênicos, passíveis de ocorrerem com a conscin a partir da cons-
trução do repositório pensatográfico pessoal:
1. Ampliadora: alastra a cognopensenidade neotemática, a princípio restrita.
2. Associativa: expõe a lateropensenidade funcional, a princípio despercebida.
3. Desafiadora: instiga a neopensenidade, a princípio inconcebida.
4. Motivadora: sustenta a voliciopensenidade, a princípio tíbia.
5. Organizadora: sistematiza a nexopensenidade, a princípio incoerente.
6. Questionadora: reformula a dubiopensenidade, a princípio autassediadora.
7. Reciclogênica: estrutura a reciclopensenidade, a princípio intermitente.

Axiologia.
A partir da Autorganizaciologia, a valoração da capacidade heurística grafo-
pensênica é cultivável a partir do simples, porém salutar, hábito de manter bloco de notas e caneta
sempre à mão.
Zeitgeist
.
A atual Era da Fartura (Ano-base: 2018) faculta ao pensatógrafo intermissi-
vista amplo neotemário pesquisístico, bastando aplicar a vontade pessoal à rotina de perscrutar as
realidades, intra e extrafísicas. Tempo é neoideia.

Curiosologia.
O filósofo francês Montesquieu (Charles-Louis de Secondat, 1689-1755)
constituiu assiduamente, durante os últimos 35 anos de vida intrafísica, arquivo autografopensêni-
co escrito à mão e intitulado Mes Pensées, composto de 2.266 comentários e parêmias pessoais
sobre centenas de temas, decorrente de autoperquirições, leituras, pesquisas, vivências e viagens
realizadas. Tal conteúdo foi posteriormente compilado e publicado entre 1899 e 1901.

Holopensene.
A princípio, a redação de pensatas independe do local, prevalecendo a au-
tonomia da consciência quanto à manutenção da limpidez omninvestigativa e neoideativa. Contu-
do, a imersão em determinados holopensenes, conforme 4 exemplos expostos em ordem alfabéti-
ca, é capaz de otimizar qualiquantitativamente o exercício da autopensatografia:
1. Abrigo botânico: a partir das energias imanentes (EIs) restauradoras e elucidativas.
2. Escritório pessoal: a partir do ambiente multidimensionalmente maceteado.
3. Holociclo: a partir da vastidão de obras-primas, dicionários e enciclopédias.
4. Tertuliarium: a partir das argumentações convergentes e / ou discordantes.

Autassistenciologia.
O ato de concentrar-se na folha em branco e promover a abstração
criativa voltada à verponogênese grafoassistencial é ato evolutivo, valorizado pelas equipexes
grafotécnicas. Pela Parafisiologia, a autopensatografia é exercício de malhação mentalsomática.

Multiexistenciologia.
Cada ressoma proporciona experimento neomesológico único,
com ampla diversidade de interações e vivências, em ascendente espiral de complexidade, exigin-
do perspicácia e organização do autopesquisador dedicado à tarefa do esclarecimento.
Autoconhecimento.
Frente à Autocogniciologia, a composição do arquivo pessoal de or-
topensatas pode ser eficiente ferramenta para o autodidatismo evolutivo, dada a singularidade ho-
lobiográfica e proexológica da conscin. Autopensatografia: valorização existencial.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com o repositório autopensatográfico, indicados para a expan-
são das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interes-
sados:
01. Análise de ideias: Mentalsomatologia; Neutro.
02. Aproveitamento evolutivo das informações: Autevoluciologia; Homeostático.
03. Autenciclopédia: Mentalsomatologia; Homeostático.
04. Autoideário interassistencial: Ideariologia; Homeostático.
05. Banco de dados: Mentalsomatologia; Neutro.
06. Consciência gráfica: Comunicologia; Homeostático.
07. Fixador na escrita: Autorganizaciologia; Homeostático.
08. Fundamentação teórica: Epistemologia; Neutro.
09. Hábito evolutivo: Evoluciologia; Homeostático.
10. Hiperacuidade analítica: Percucienciologia; Homeostático.
11. Ortopensatografia: Ortopensatologia; Homeostático.
12. Ortopensatógrafo: Ortopensatologia; Homeostático.
13. Ortopensatologia: Evoluciologia; Neutro.
14. Redação de autopensata: Autopensatologia; Neutro.
15. Técnica ortopensatográfica: Paremiologia; Homeostático.

A DEDICAÇÃO À COMPOSIÇÃO DO
REPOSITÓRIO AUTO-
PENSATOGRÁFICO ESTIMULA A PENSENIZAÇÃO ASSOCIA-
TIVA E COSMOVISIOLÓGICA, FUNDAMENTAL À AUTORGA-
NIZAÇÃO, ÀS AUTORRECINS E ÀS GRAFOASSISTÊNCIAS.


Questionologia.
Você, leitor ou leitora, valoriza as ideias evolutivas pessoais a ponto de
registrá-las organizadamente em arquivo físico e / ou digital? Quais benefícios intraconscienciais
e tarísticos tem observado com tal prática?

Bibliografia Específica:


1. Vieira, Waldo; Léxico de Ortopensatas; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 2 Vols.; 1.800
p.; Vols. 1 e 2; 1 blog; 652 conceitos analógicos; 22 E-mails; 19 enus.; 1 esquema da evolução consciencial; 17 fotos;
glos. 6.476 termos; 1.811 megapensenes trivocabulares; 1 microbiografia; 20.800 ortopensatas; 2 tabs.; 120 técnicas
léxicográficas; 19 websites; 28,5 x 22 x 10 cm; enc.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2014; página
216.

M. P. C.