Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


PLANO DE PAZ

(PACIFISMOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
O plano de paz é a sistematização de programa, projeto ou conjunto de me-
didas específicas, a serem concretizadas pelas conscins, homens ou mulheres, a fim de cessarem
as disputas anticosmoéticas, os conflitos e planificarem os encaminhamentos no pós-conflito, para
efetivar o acordo e vincar a paz.
Tematologia.
Tema central homeostático.
Etimologia.
O vocábulo plano vem do idioma Latim, planus, “plano; igual; chão; raso;
nivelado”. Surgiu no Século XIV. O termo paz deriva do idioma Latim, pax, “paz; estado de paz;
tratado de paz”. Apareceu no Século XII.
Sinonimologia:
1. Projeto de paz. 2. Planejamento pacifista. 3. Estratégia pacifista.
Neologia.
As 3 expressões compostas plano de paz, plano de paz intrafisicalista e plano
de paz multidimensional
são neologismos técnicos da Pacifismologia.
Antonimologia:
1. Plano de guerra. 2. Propósito belicista. 3. Estratégia econômica.
Estrangeirismologia:
o rapport interconsciencial; o insight propício; a intentio recta;
a password; o upgrade nas conversações; o strong profile apaziguador; a peace operation.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à pacificação grupal.
Megapensenologia.
Eis megapensene trivocabular relativo ao tema: - Pacificação: pla-
nificação existencial
.
Citaciologia.
Eis citação pertinente ao tema: - Não são os grandes planos que dão cer-
to; são os pequenos detalhes
(Stephen Kanitz, 1946-).
Ortopensatologia:
- “Planejamento. Todo trabalho deve ser planejado.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal do apaziguamento; a fôrma holopensênica; o holo-
pensene estrategista; os benignopensenes; a benignopensenidade; os ortopensenes; a ortopenseni-
dade atuante; o abertismo autopensênico; o autesforço consciencial perante os patopensenes; a pa-
topensenidade superada; a racionalização da autopensenização.

Fatologia:
o plano de paz; as bases para a paz; o processo de paz “em ponto morto”;
o lançamento do plano; a discussão do plano; o novo plano; o aprovação do plano; a razão do pla-
no; o plano coordenado; o plano pessoal; o momento para o plano de paz; o plano possível; o pla-
no implícito; o plano explícito; a recepção fria dos planos; o plano coordenado; os planos futuros;
a realização do plano; o segundo plano; o plano de trabalho conjunto; a parte do plano; o plano de
ação (imediatismo); as ideias; o objetivo de avançar na construção da estabilidade social; o esfor-
ço para manter o ambiente de respeito; a tentativa de restabelecer a tranquilidade; o cessar fogo
amplamente respeitado; as violações pontuais; a transição política necessária; a barganha; o aber-
tismo; a massa de manobra; a manobra em si; o êxito; os interesses; as pressões; as velhas opini-
ões; a expectativa do sucesso; o alívio do peso; o enfoque justo e sensível; a clareza para se cons-
truir a confiança; a cooperação econômica; o ato ou efeito de estar pronto para as negociações de
paz; a justiça transicional; a restauração; a esfera diplomática; as novas abordagens; as sanções;
o cronograma; o desenho do plano de paz; as vias da paz; a renegociação dos termos de paz;
a tentativa de paz; o ato ou efeito de pôr em marcha o plano de paz; o plano para se regular a cri-
se; a responsabilidade pelas ações subsequentes; as propostas; o propósito de resolução da ques-
tão; o propósito superior; a proporção de consciências favoráveis; a proposição de ações práticas;
a proposta mínima; a proposta justa; a ponderação das alternativas; o propósito bem definido;
o fator de recuperação; a agenda para a paz; a implantação e a manutenção da paz.

Parafatologia:
a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; a participação dos
amparadores extrafísicos auxiliando na elaboração dos planos de paz; as pararrealidade preponde-
rantes; a modulação das energias; a paraparceria com os amparadores extrafísicos técnicos.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo fato-parafato.
Principiologia:
o princípio da reciprocidade interconsciencial.
Codigologia:
o código grupal de Cosmoética (CGC).
Teoriologia:
a teoria das interprisões grupocármicas.
Tecnologia:
as técnicas pessoais de autodesassédio.
Voluntariologia:
o exemplarismo dos voluntários pela paz.
Laboratoriologia:
o laboratório conscienciológico Pacificarium.
Efeitologia:
o efeito da paz para todos.
Neossinapsologia:
as neossinapses advindas do Paradireito.
Ciclologia:
o ciclo retórica-estratégia.
Enumerologia:
o planejamento de paz; a proposição de paz; o preparo de paz; a progra-
mação de paz; a iniciativa de paz; a perspectiva de paz; a possibilidade de paz.
Binomiologia:
o binômio cooperação-compromisso; o binômio interesse-urgência.
Interaciologia:
a interação motivo-momento.
Crescendologia:
o crescendo propostas diversas-fatos concretos; o crescendo planeja-
mento-acordo
.
Trinomiologia:
o trinômio peacemaking-peacekeeping-peacebuilding.
Polinomiologia:
o polinômio acolher-ponderar-deliberar-conduzir.
Paradoxologia:
o paradoxo de não estar em guerra, não implicar necessariamente estar
em paz
.
Politicologia:
a paradiretocracia possibilitando a melhor resolução.
Legislogia:
a lei do maior esforço coletivo.
Filiologia:
a pacifismofilia; a lucidofilia; a exemplofilia; a experimentofilia; a harmono-
filia
; a ortopensenofilia; a pacienciofilia.
Fobiologia:
a confrontofobia; a praticofobia; a cosmeticofobia; a planofobia; a admi-
nistrofobia; a organizaciofobia; a evoluciofobia.
Sindromologia:
a síndrome da ectopia afetiva (SEA) atravancando o processo de paz.
Maniologia:
a retromania; a verbomania; a vitimomania; a riscomania; a salvaciomania;
a perversomania.
Mitologia:
o mito de esquecer para perdoar.
Holotecologia:
a convivioteca; a prioroteca; a pacificoteca; a metodoteca; a reurbanote-
ca
; a pensenoteca; a proexoteca.
Interdisciplinologia:
a Pacifismologia; a Politicologia; a Paradireitologia; a Cosmoeti-
cologia; a Holomaturologia; a Autodiscernimentologia; a Energossomatologia; a Conviviologia;
a Parapatologia; a Errologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a consciênçula; a consréu ressomada; a consbel; a consciência superficial;
a consciência bradipsíquica; a consciência primária; a consciência simplista; a conscin baratrosfé-
rica; a conscin bucha de canhão; o indivíduo amoral; a conscin dissidente; a conscin lúcida; a isca
humana inconsciente; o ser interassistencial; a consciência contraditória; a consciex amparadora
veterana.
Masculinologia:
o diplomata; o mediador; o autor do plano; os assessores; o advogado;
o adversário; o agente motivador; o antibelicista; o estrategista; o argumentador; o cabeça; o desa-
feto; o líder; o liderado; o objetor da paz; o obreiro da paz; o bastião da paz.

Femininologia:
a diplomata; a mediadora; a autora do plano; as assessoras; a advogada;
a adversária; a agente motivadora; a antibelicista; a estrategista; a argumentadora; a cabeça; a lí-
der; a liderada; a objetora da paz; a obreira da paz; a bastiã da paz.

Hominologia:
o Homo sapiens pacificus; o Homo sapiens microplanus; o Homo sapiens
argumentator;
o Homo sapiens interconscientialis; o Homo sapiens justometitor; o Homo sapiens
assertor;
o Homo sapiens processor.

V. Argumentologia

Exemplologia:
plano de paz intrafisicalista = a estratégia de resolução de conflito, con-
siderando apenas os aspectos materialistas; plano de paz multidimensional = a estratégia de reso-
lução de conflito entre países, mais longa, elaborada pelas conscins lúcidas, levando em conta as-
pectos holocármicos.

Culturologia:
a cultura do apaziguamento.

Princípios.
Conforme a Determinologia, o plano de paz tem geralmente, explícita ou im-
plícita, a admissão de 3 vertentes, com vistas à resolução e encaminhamento, advindas da causa
do conflito e prejuízos, listadas em ordem funcional:
1. Reconhecimento.
2. Responsabilidade.
3. Reparo.

Cosmograma.
Pela ótica da Estrategiologia, eis 7 exemplos de intentos pelo propósito
pela paz, exitosos ou não, listados em ordem alfabética:
1. Anistia. Os farrapos obtiveram, junto a governo imperial, 12 cláusulas para o acordo
de paz, dentre as quais, a ampla anistia e reintegração dos rebeldes ao corpo militar (Dom Pedrito,
Brasil; 25.02.1845).
2. Apoio. O rei Abdullah (1962-), da Jordânia, ofereceu ao presidente dos Estados Uni-
dos, Donald Trump (1946-), ajuda dos países árabes para ajustes em possível plano de paz pales-
tino-israelense (Amã, Jordânia; 05.04.17).
3. Cooperação. O presidente cipriota turco, Mustafa Akinci (1947-), afirmou, se as ne-
gociações para resolução sobre o conflito (Chipre do sul e Chipre do Norte) terminarem com
êxito, a cooperação no uso do gás natural beneficiando toda a região, trazendo paz duradoura
à ilha (Islamabad, Paquistão; 04.03.17).
4. Coordenação. Japão e Rússia concordaram em buscar novas abordagens nas negocia-
ções sobre o tratado de paz entre os 2 países, nunca assinado, após a Segunda Guerra Mundial
(Sochi, Rússia; 06.05.16).
5. Exclusão. Grupos moderados da oposição Síria, aliados, apresentaram plano de paz
e de transição política democrática para o país, excluindo o ditador Bashar al­Assad, governante
da Síria desde 2000 (Damasco, Síria; 07.09.18).
6. Greve. Para dar fim à guerra civil no país, grupo de mulheres lideradas por Leymah
Gbowee (1972-), decidiu fazer greve de sexo enquanto maridos não chegassem ao acordo de paz,
semelhante à peça grega Lisístrata, de Aristófanes (Século IV a.e.c.); (Monróvia, Libéria; 2003).
7. Inclusão. A Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA)
elogiou o novo apelo das autoridades por negociações de paz com o grupo Talibã, incluindo na
pauta dos diálogos temas como mudanças na constituição, anulação de sanções contra pessoas
e entidades e libertação de prisioneiros (Cabul, Afeganistão; 28.02.18).

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfa-
bética, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas
centrais, evidenciando relação estreita com o plano de paz, indicados para a expansão das abor-
dagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Acerto grupocármico: Grupocarmologia; Homeostático.
02. Carga da convivialidade: Conviviologia; Neutro.
03. Conflito social: Sociologia; Nosográfico.
04. Conscin resoluta: Autodecidologia; Neutro.
05. Diálogo de paz: Pacifismologia; Homeostático.
06. Elencologia: Grupocarmologia; Neutro.
07. Gestão participativa: Administraciologia; Neutro.
08. Mediador: Conflitologia; Homeostático.
09. Pacipensene: Paciologia; Homeostático.
10. Planilha evolutiva: Evoluciologia; Homeostático.
11. Plenitude convivencial: Conviviologia; Neutro.
12. Ponto pacífico: Anticonflitologia; Neutro.
13. Primeiro discernimento: Holomaturologia; Homeostático.
14. Renúncia cosmoética: Anticonflitologia; Homeostático.
15. Resolução prioritária: Autopriorologia; Homeostático.

O PLANO DE PAZ EXITOSO, EM GERAL, PROMOVE
AVANÇOS CONSCIENCIAIS PARA TODOS. NÃO HÁ PAZ
DE FATO, SE CADA PARTE SE RESTRINGE, INCONVI-
VENTE, AO PRÓPRIO CAMPO DE MANIFESTAÇÃO.


Questionologia.
Você, leitor ou leitora, já elaborou e efetivou plano de paz? Conseguiu
dirimir algum conflito?

Bibliografia Específica:


1. Caggiani, Ivo; David Canabarro de Tenente a General (Revolução Farroupilha); Biografia; 272 p.; 42
caps.; 109 citações; 4 cronologias; 4 enus.; 12 fotos; 28 ilus.; 1 mapa; 77 microbiografias; 100 notas; 39 refs; 1 apênd.;
21,5 x 15,5 cm; br.; Martins Livreiro; Porto Alegre, RS; 1992, páginas 148 e 149.
2. Vieira, Waldo; Homo sapiens pacificus; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 1.584 p.; 24 seções;
413 caps.; 403 abrevs.; 38 E-mails; 434 enus.; 484 estrangeirismos; 1 foto; 37 ilus.; 168 megapensenes trivocabulares;
1 microbiografia; 36 tabs.; 15 websites; glos. 241 termos; 25 pinacografias; 103 musicografias; 24 discografias; 20 ceno-
grafias; 240 filmes; 9.625 refs.; alf.; geo.; ono.; 29 x 21,5 x 7 cm; enc.; Ed. Princeps; Associação Internacional do Centro
de Altos Estudos da Conscienciologia
(CEAEC); & Associação Internacional Editares (EDITARES); Foz do Iguaçu, PR;
2007; páginas 31 a 33.

Webgrafia Específica:


1. Agência de Notícias Internacional.com (EFE); Redação; Rei da Jordânia oferece Ajuda a Trump em
Plano de Paz Palestino­Israelense;
desde 1939, Madrid, Espanha; disponível em: <https://noticias.uol.com.br/ultimas-no-
ticias/efe/2017/04/05/rei­da­jordania­oferece­ajuda­a­trump­em­plano­de­paz­palestino­israelense.htm>; acesso em: 15.
09.18; 16h18.
2. Claudia, Maria; Oposição Síria apresenta Plano de Paz excluindo Bashar al­Assad; EBC; Empresa Brasi-
leira de Comunicação; Artigo; 1 foto; Damasco, SYR e Estambul; desde 07.09.16; disponível em: <http://agenciabrasil.
ebc.com.br/internacional/noticia/2016-09/oposicao-siria-apresenta-plano-de-paz-excluindo-bashar-al-assad>; acesso em:
31.10.18; 10h26.
3. Martins, Miguel; Leymah Gbowee, Lísistrata moderna (Libéria); Desde 09.09.13; Artigo; 1 foto; São
Pau¬lo, SP; disponível em: <https://www.cartacapital.com.br/internacional/leymah-gbowee-lisistrata-moderna-2232.-
html>; aces¬so em: 16.10.18; 07h32.

4. ONUBR.com; Redação; ONU elogia Proposta do Governo Afegão para Negociar Paz com Talibã; Cabul;
01.03.18; 21h18; 1 foto; disponível em: <https://nacoesunidas.org/onu-elogia-proposta-do-governo-afegao-para-negociar-
paz-com-taliba/>; acesso em: 31.10.18; 13h53.
5. Sputinik News; Redação; Rússia e Japão concordaram em Buscar novas Abordagens sobre Tratado de
Paz;
Sochi, RUS; 09.05.16; 08h32; 1 citação; 1 foto; disponível em: <http://br.sputniknews.com/mundo/20160509/45012
50/russia­japao­tratado­paz.html>; acesso em: 13.10.18; 16h15.
6. TRT.net; Redação; Cooperação Energética contribuiria para a Paz em Chipre; Islamabad; Desde 04.03.
17; 20h26; 1 foto; disponível em: <http://www.trt.net.tr/portuguese/economia/2017/03/04/akinci-cooperacao-energetica-
contribuiria-para-a-paz-em-chipre-684487>; acesso em: 09.09.18; 10h41.

G. B. C.