Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


MÃE

(MATERNOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
A mãe é a conscin mulher ativa na geração, gestação e parturição de novo
soma possibilitando a ressoma de consciência extrafísica, ambas em processo evolutivo conjunto.
Tematologia.
Tema central neutro.
Etimologia.
O vocábulo mãe deriva do idioma Latim, mater, “mãe”. Apareceu no Sécu-
lo XIII.
Sinonimologia:
1. Genitora; progenitora. 2. Ascendente mulher. 3. Procriadora.
Neologia.
As duas expressões compostas mãe convencional e mãe consciencióloga são
neologismos técnicos da Maternologia.
Antonimologia:
1. Pai. 2. Irmão. 3. Tio.
Estrangeirismologia:
a oportunidade do upgrade evolutivo na condição de discernimen-
to lúcido da conscin mãe.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto ao equilíbrio psicossomático em relação à maternidade.
Coloquiologia:
o ato de dar à luz.
Proverbiologia:
- Mãe só tem uma.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal da maternidade; os maternopensenes; a materno-
pensenidade; a pensenidade durante a gestação; o vínculo pensênico mãe-filho; a conexão entre
os pensenes da mãe e do filho; o holopensene familiar; a expansão do holopensene materno para
o holopensene universalista; o holopensene da família universal.

Fatologia:
a decisão lúcida pela maternidade; os instintos maternos; a reprodução assis-
tida; o banco de sêmen; a fertilização in vitro; os embriões congelados; a gestação independente;
a criança desejada; a gravidez indesejada; o aborto; as reações do feto no momento do aborto
mecânico; a maternidade na infância ou na adolescência; a cobrança familiar pela maternidade;
a adoção através do tráfico de crianças; a depressão pós-parto; a barriga de aluguel; a troca de
bebês na maternidade; o pai de aluguel; o sentimento de rejeição da mãe; a amamentação possível
pela mãe adotiva; o dever do sustento, guarda e educação; a ausência da preparação e do planeja-
mento para a assunção da maternidade responsável; a mudança somática; o pré-natal; o parto;
a cesárea; o Dia das Mães explorado comercialmente; a incompatibilidade sanguínea entre mãe
e filho; a preferência pela geração do gênero masculino ou feminino; a maternidade como recon-
ciliação grupocármica; o nascimento de filhos gêmeos; a gravidez múltipla; o primeiro contato
com o bebê; o desenvolvimento ininterrupto do aprendizado afetivo; a nova rotina na vida da
mãe; as orientações pediátricas; a creche; a condição emocional do pai interferindo na relação
mãe-bebê; a delegação da responsabilidade materna; o abandono da criança pela mãe; a depen-
dência afetiva patológica da mãe; as dificuldades maternas; as manipulações emocionais da mãe
em relação à criança; a incansável busca da mãe pelo filho desaparecido; a luta das mães dos de-
saparecidos políticos; a perda da guarda do filho dependente; a mãe ausente mesmo presente fisi-
camente; a dedicação materna; a mãe só de homens ou só de mulheres; as necessidades inadiáveis
do filho; o ato de abrir mão de si na maternidade; a necessidade da educação contínua até a adulti-
dade; a responsabilidade legal; a relação interpessoal dinâmica ente mãe e filho; a descoberta do
temperamento do(a) filho(a); a mãe imatura invejando a filha jovem; o posicionamento materno
frente às exigências do filho; o amor construído; a mudança de postura materna necessária nas di-
versas fases do desenvolvimento humano; a falta de assunção da autoridade materna; as recins
exigidas pela função de mãe; a expectativa materna patológica pela profissão do(a) filho(a); a mãe

vendo o filho como substituto do companheiro; a ajuda incondicional da mãe ao filho já adulto;
a adultidade do(a) filho(a) emancipando a mãe; as várias mães dos mesmos filhos; o necessário
respeito às escolhas do filho adulto; a interassistencialidade possível na maternidade; a maturida-
de do filho superior à materna; o amadurecimento consciencial favorecido pelo amor materno;
a maternidade voluntária consciente e fraterna como escolha lúcida da consciência em evolução;
a decisão pela antimaternidade sadia; o gargalo evolutivo no desenvolvimento da função de mãe;
a autolibertação consciencial do papel de mãe; as possibilidades evolutivas da consciência no
desempenho da maternidade.

Parafatologia:
a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; a programação
existencial (proéxis) como oportunidade pré-ressomática favorável na escolha da assunção, ou
não, da maternidade; a interfusão energética máxima durante a gestação; o grupo extrafísico
acompanhando a ressoma da consciex; as afinidades seriexológicas entre mãe e filho; a incompa-
tibilidade energética entre gestante e feto; a consciex solicitando a própria ressoma à conscin mu-
lher; a pré-mãe consciencial; a paraperceptibilidade materna; a assistência extrafísica à mãe; o en-
contro extrafísico entre mãe e filho ressomante; o acordo intermissivo entre futuros mãe e filho;
a escolha da consciex pela mãe intrafísica; a telepatia entre mãe e filho; a rememoração de retro-
vida na função de mãe da mãe atual; a ressoma de grupo extrafísico na mesma família; a atuação
da equipex na ressoma assistida.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo paragenética-genética orientando a mãe na educação do
filho; o sinergismo grupo familiar-mesologia na formação educacional da criança.
Principiologia:
o princípio da inseparabilidade grupocármica; o princípio dos acertos
grupocármicos;
o princípio do exemplarismo pessoal (PEP); o princípio de ninguém evoluir so-
zinho
.
Codigologia:
o código pessoal de Cosmoética (CPC); os códigos familiares velados in-
fluenciando a conduta da mãe; o código do exemplarismo pessoal (CEP).
Teoriologia:
a teoria da interassistência; a teoria do convívio grupal favorecendo as re-
conciliações; a teoria da recomposição grupocármica.
Tecnologia:
a técnica da inversão existencial (invéxis) orientando a antimaternidade
sadia; a técnica de estender o amor materno às demais consciências na busca pela vivência do
fraternismo universal.
Laboratoriologia:
o laboratório conscienciológico da Grupocarmologia; a relação
mãe-filho enquanto laboratório conscienciológico cotidiano evolutivo.
Colegiologia:
o Colégio Invisível da Assistenciologia; o Colégio Invisível da Convivio-
logia;
o Colégio Invisível da Evoluciologia; o Colégio Invisível da Ressomatologia; o Colégio In-
visível da Pararreurbanologia;
o Colégio Invisível da Pensenologia.
Efeitologia:
o efeito halo do estado físico, emocional e mental da mãe na criança depen-
dente;
o efeito salutar da atenção e dedicação aos cuidados necessários à criança; o efeito soma-
tico e emocional causado pelas bruscas mudanças hormonais
durante e após a gestação; o efeito
danoso do desinteresse afetivo materno;
o efeito psíquico do aborto provocado nas consciências
envolvidas;
o efeito emocional da dessoma do filho; o efeito prejudicial da ausência de limites
definidos pela mãe na formação da criança;
o efeito holossomático pós-parto; o efeito conscien-
cial na mãe causado por doença grave do filho
.
Neossinapsologia:
as neossinapses evolutivas adquiridas no exercício da maternidade
sadia.
Ciclologia:
o ciclo ressoma-dessoma; o ciclo filha-mãe-avó; o ciclo seriexológico de
ressomas sucessivas
dependente do soma da mulher; o ciclo interfusão holochacral-individuali-
zação-autonomia consciencial
.

Enumerologia:
a tataravó; a bisavó; a avó; a mãe; a filha; a neta; a bisneta. A mãe
omissa; a mãe abandônica; a mãe dramática; a mãe possessiva; a mãe superprotetora; a mãe ze-
losa; a mãe interassistencial.
Binomiologia:
o binômio mãe-filho; o binômio maternidade-assistencialidade; o binô-
mio gerar-gestar;
o binômio apego-desapego; o binômio interprisão-libertação; o binômio víti-
ma-algoz;
o binômio tacon-tares; o binômio responsabilidade-afetividade; o binômio emancipa-
ção do filho-emancipação da mãe
.
Interaciologia:
a interação homeostática entre pai, mãe e filhos na promoção de ambi-
ente familiar sadio e evolutivo.
Crescendologia:
o crescendo embrião-feto-recém-nascido; o crescendo infância-ado-
lescência-adultidade;
o crescendo instinto-afeto-amor; o crescendo evolutivo amor ao filho-
-amor à consciência
.
Trinomiologia:
o trinômio fecundação-gestação-criação; o trinômio autorrespeito-au-
tolimite-autoposicionamento
no exercício da função materna; o trinômio interprisão-aceitação-
-reconciliação;
o trinômio limite-respeito-compreensão; o trinômio responsabilidade-exempla-
rismo-assistencialidade;
o trinômio interação-amorosidade-discernimento; o trinômio acolhi-
mento-esclarecimento-encaminhamento;
o trinômio dependência-independência-interdependên-
cia
.
Polinomiologia:
o polinômio gerar-gestar-educar-orientar; o polinômio estabilidade-
-posicionamento-firmeza-segurança-sanidade
favorável no desempenho da maternidade.
Antagonismologia:
o antagonismo afinidades / diferenças na relação mãe-filho; o anta-
gonismo amar / prejudicar
o próprio filho; o antagonismo apegar / desapegar necessário na vi-
vência da maternidade sadia.
Paradoxologia:
o paradoxo de o amor materno poder se tornar ectopia afetiva; o para-
doxo de o filho menor de idade assumir a responsabilidade de cuidar da mãe
.
Politicologia:
a política do respeito consciencial no desempenho da função materna.
Legislogia:
a lei do maior esforço para acertar na condução, educação e formação dos
filhos.
Fobiologia:
a fobia de mulheres e médicos pelo parto natural.
Sindromologia:
a síndrome do ninho vazio; a síndrome do canguru a ser evitada pela
mãe consciente.
Mitologia:
o mito do amor materno incondicional; o mito da autossantificação aplicado
à função materna.
Interdisciplinologia:
a Maternologia; a Autopesquisologia; a Autocriticologia; a Evolu-
ciologia; a Conscienciometrologia; a Intermissiologia; a Psicossomatologia; a Somatologia; a Pa-
rapercepciologia; a Recexologia; a Conviviologia; a Holomaturologia; a Interassistenciologia;
a Reurbanologia; a Proexologia; a Cosmoeticologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a conscin universalista.

Masculinologia:
o pai; o filho; o avô; o bisavô; o pai adotivo; o pai de criação; o pai
emprestado; o doador de sêmen; o cuidador; o assistente; o tenepessista; o amparador resso-
mático.

Femininologia:
a mãe; a filha; a avó; a bisavó; a mãe adotiva; a mãe de criação; a mãe
emprestada; a doadora de óvulos; a cuidadora; a assistente; a tenepessista; a amparadora resso-
mática.

Hominologia:
o Homo sapiens maternus; o Homo sapiens antimaternus; o Homo sa-
piens semperaprendens;
o Homo sapiens interassistentialis; o Homo sapiens tenepessista; o Ho-

mo sapiens analyticus;
o Homo sapiens reflexivus; o Homo sapiens autolucidus; o Homo sapiens
holomaturologus;
o Homo sapiens evolutiologus.

V. Argumentologia

Exemplologia:
mãe convencional = aquela cujo desempenho da maternidade considera
apenas a dimensão intrafísica; mãe consciencióloga = aquela cujo desempenho da maternidade
considera os pilares do paradigma consciencial.

Culturologia:
a cultura do estímulo à maternidade sem estudo, preparo ou planejamen-
to responsável
.

Discernimentologia.
Sob a ótica de Evoluciologia, a conscin no papel de mãe deve re-
fletir, analisar e ponderar a respeito da oportunidade evolutiva ao deixar de exercer várias funções
maternas já dispensáveis em relação ao filho adulto para dedicar-se à assistência universal, reci-
clando e expandindo a atuação pessoal da vivência na maternidade a inúmeras consciências ne-
cessitadas de acolhimento, esclarecimento e acompanhamento.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com mãe, indicados para a expansão das abordagens de-
talhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Acerto grupocármico: Grupocarmologia; Homeostático.
02. Antimaternidade sadia: Invexologia; Homeostático.
03. Assistenciologia grupocármica: Interassistenciologia; Homeostático.
04. Autodiscernimento afetivo: Mentalsomatologia; Homeostático.
05. Cuidadologia: Interassistenciologia; Homeostático.
06. Inseparabilidade grupocármica: Grupocarmologia; Neutro.
07. Interassistencialidade: Assistenciologia; Homeostático.
08. Interprisiologia: Grupocarmologia; Nosográfico.
09. Madrasta: Grupocarmologia; Neutro.
10. Maternação: Evoluciologia; Neutro.
11. Maternagem ideativa: Mentalsomatologia; Neutro.
12. Maternagem racional: Maternologia; Neutro.
13. Maternidade amaurótica: Antimaternologia; Nosográfico.
14. Pré-mãe: Interassistenciologia; Homeostático.
15. Princípio do exemplarismo pessoal: Cosmoeticologia; Homeostático.

A
MÃE LÚCIDA E RESPONSÁVEL CRIA OPORTUNIDADES
INTERASSISTENCIAIS EVOLUTIVAS
VISANDO PROMOVER
RECOMPOSIÇÃO E LIBERTAÇÃO GRUPOCÁRMICAS RUMO
À ETAPA DA POLICARMALIDADE NO CICLO EVOLUTIVO.


Questionologia.
Você, leitor ou leitora, já refletiu sobre a maternidade no contexto da
Reurbanologia? Considera ser a antimaternidade sadia opção mais prioritária para a intermissi-
vista?

D. L. C.