Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


ESTIMULAÇÃO COGNITIVA MNEMÔNICA

(MNEMOSSOMATOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
A estimulação cognitiva mnemônica é o ato ou efeito de a conscin, homem
ou mulher, despertar, incentivar e qualificar a habilidade mental de retenção e resgate da memó-
ria, dos fatos e parafatos das vivências intra e extrafísicas.
Tematologia.
Tema central homeostático.
Etimologia.
O vocábulo estimulação vem do idioma Latim, stimulatio, “ação de agui-
lhoar”. Surgiu no Século XVIII. O termo cognitiva deriva também do idioma Latim, cognitum, de
cognoscere,
“conhecer; adquirir conhecimento; aprender a conhecer; procurar saber; tomar co-
nhecimento de; reconhecer”. Apareceu em 1873. A palavra mnemônica procede do idioma Grego,
mnémonikós,
“relativo à memória; que tem boa memória; que se refere ao uso da memória”. Sur-
giu no Século XIX.
Sinonimologia:
1. Instigação cognitiva mnemônica. 2. Incitamento intelectual mnemô-
nico. 3. Avivamento cognitivo da memória. 4. Incentivo cognitivo da memória. 5. Concitação
intelectual mnemônica.
Antonimologia:
1. Desestimulação cognitiva da memória. 2. Esmorecimento cognitivo
mnemônico. 3. Desativação cognitiva mnemônica. 4. Enfraquecimento da memória.
Estrangeirismologia:
os backups dos arquivos mentais qual salvaguarda mnemônica;
a memória RAM pessoal; o desenvolvimento de los recuerdos de la memoria; a attention na com-
posição da memória.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à potencialização e otimização da memória.
Megapensenologia.
Eis 3 megapensenes trivocabulares relativos ao tema: - Memória
promove história
. Memória bússola consciencial. Perda mnemônica: automutilação.
Ortopensatologia:
- “Memória. Uma técnica mnemônica funcional é o exercício de
a conscin selecionar determinada palavra e buscar, pela memória, os vocábulos analógicos do ter-
mo, fazendo o selfbrainstorming, a fim de restabelecer as sinapses. “A falta de memória da
consciex é a responsável por mantê-la catatônica na Baratrosfera”.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal da estimulação da memória; os autopensenes;
a autopensenidade; a memória aguçada beneficiando a autopensenização ágil; a memória e a rede
sináptica utilizadas na elaboração dos pensenes pacificantes; os cognopensenes; a cognopenseni-
dade; os parapensenes; a parapensenidade; a autopensenização multidimensional enriquecendo
a autobagagem cognitiva; os lucidopensenes, a lucidopensenidade; a estruturação neopensênica
a partir do desenvolvimento cognitivo; a instigação à liberdade pensênica.

Fatologia:
a estimulação cognitiva mnemônica; a Ciência da Memória; o exercício do
aperfeiçoamento da memória; o pensamento grafado estimulando as atividades cerebrais; os pas-
satempos intelectuais; as ações de precaução contra o mal de Alzheimer; o reforço à memória;
a estimulação útil e prazerosa da reserva cognitiva; a estimulação da criatividadede através do uso
da imaginação; a reação sadia de não menosprezar a memória pessoal; o backup da memória da
própria vida; a função social da memória; os recursos da informática estendendo a automnemôni-
ca; o papel da memória na evolução pessoal; a memória cosmoética; o fato de a lembrança de cer-
ta memória ativar outras memórias; o acesso associativo enquanto capacidade de a consciência
pinçar qualquer memória de várias maneiras diferentes; as associações semânticas ou perceptivas;
a necessária organização mental para recuperar lembrança específica; a exigência da atenção para
o adequado armazenamento da memória; o cultivo do “aquecimento” cognitivo mnemônico; o so-

no reparador para a manutenção da memória em bom estado; os alimentos adequados para a boa
fixação da memória; a manutenção e expansão da própria memória; o uso dos manuscritos
e o gravador na otimização da memória diária; as evitações inteligentes das inconveniências con-
tra a memória; a estiagem intelectual atingindo a fonte da memória pessoal; o grau de atilamento
da memória proporcional à eficácia da recuperação cognitiva; a memória reversa resgatando vi-
vências recorrentes; a consulta ao dicionário analógico para suprir as falhas da memória; a emo-
ção como sendo potente fixador mnemônico; o hábito sadio de “rebobinar” a fita da memória ao
término de cada dia para retocar comportamentos e ações; a memória grafada denunciando as cor-
relações entre os fatos e os parafatos; a memória com as recordações do Curso Intermissivo (CI).

Parafatologia:
a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; as extrapolações
parapsíquicas vividas fixadas na memória; a memória paracerebral resgatada pelo esforço mne-
mônico cerebral; a expansão mentalsomática advinda da estimulação mnemônica; a rememoração
projetiva interdependente da memória cerebral; a melhoria da rememoração das paravivências pe-
lo cultivo da memória cerebral ordinária no estado da vigília física; o acesso à holomemória favo-
recida pela manutenção hígida da memória; a memória expandida parapsiquicamente; a memória
extracerebral; a memória energética fixada nas paredes e nos objetos; o desenvolvimento da holo-
memória contribuindo para a crescente recuperação da memória; a plasticidade paracerebral na
recuperação da memória energética; a ativação de novas áreas parassinápticas; o paraacervo da
Parapsicoteca, registro perene da memória evolutiva na Para-Humanidade; a identificação da si-
nalética energética e parapsíquica pessoal pela memória saudável; a importância do desenvolvi-
mento do parapsiquismo lúcido; o autopreenchimento parapsíquico dos gaps da memória extrafí-
sica; a memória para-histórica; a memória extracerebral favorecida pelo enciclopedismo.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo memória humana-memória intermissiva; o sinergismo
holomemória-memória cerebral;
o sinergismo atenção-memória; o sinergismo cognição-memó-
ria;
o sinergismo memória-História; o sinergismo memória-aprendizado; o sinergismo anotação-
-memória;
o sinergismo leitura-memória; o sinergismo memória intrafísica-memória extrafísica;
o sinergismo memória de curto prazo-memória de longo prazo.
Principiologia:
o princípio da descrença (PD); o princípio de objetivar o melhor para
todos
.
Codigologia:
o código pessoal de Cosmoética (CPC).
Teoriologia:
as teorias da percepção e da memória; a teoria da memória ininterrupta;
a teoria da memória dividida; a teoria da falsa memória.
Tecnologia:
a técnica da arte da percepção; a técnica de exercitar a memória; a técnica
de anotar o compromisso na agenda e esquecê-lo liberando espaço na memória;
a técnica da po-
tencialização da memória;
a técnica menemônica do planejamento mediante esquematização dos
tópicos a serem abordados;
a técnica do palácio da memória.
Voluntariologia:
a estimulação cognitiva do voluntário verbetógrafo.
Laboratoriologia:
os laboratórios conscienciológico de desassédio mentalsomático
(Tertuliarium, Holociclo
e Holoteca).
Colegiologia:
o Colégio Invisível da Enciclopediologia; o Colégio Invisível da Diciona-
riologia;
o Colégio Invisível da Mentalsomatologia; o Colégio Invisível dos Verbetólogos; o Co-
légio Invisível da Neuroconscienciologia
.
Efeitologia:
o efeito das pesquisas na memória intermissiva; os efeitos da memória inte-
gral da consciência lúcida;
o efeito google transformando a Internet em memória auxiliar; o efei-
to das anotações sistemáticas na memória pessoal;
o efeito da retrospectiva diária na memória
pessoal
.
Neossinapsologia:
a estimulação das sinapses cerebrais; a ativação de novas áreas pa-
rassinápticas.

Ciclologia:
o ciclo da memória; o ciclo treinar-fortalecer a memória; o ciclo esqueci-
mento-fragmentação mnemônica-evocação da memória;
o ciclo leitura-reflexão-compreensão-
-memorização;
o ciclo atenção-registro-memória.
Enumerologia:
a memória exercitada; a memória registrada; a memória resgatada; a me-
mória
potencializada; a memória evocada; a memória continuada; a memória esclarecedora.
Binomiologia:
o binômio memória recente-memória passada; o binômio memória coti-
diana-memória remota;
o binômio memória-reminiscência; o binômio memória-identidade; o bi-
nômio memória neurológica-memória gráfica;
o binômio memória cerebral-memória parapsí-
quica;
o binômio sono-memória.
Interaciologia:
a interação anotação-preservação da memória; a interação percepção-
-atenção-memória;
a interação memória-holomemória; a interação memória-emoção; a intera-
ção registro grafopensênico-memória organizada
.
Crescendologia:
o crescendo memória oral-memória escrita.
Trinomiologia:
o trinômio registro mnemônico-registro gráfico-registro energético;
o trinômio mnemônico motivação-atenção-intenção.
Polinomiologia:
o polinômio mnemônico compreender-adquirir-conservar-lembrar;
o polimônio mnemônico guardar-reter-mobilizar-devolver.
Antagonismologia:
o antagonismo mnemônico atenção focada / dispersão consciencial;
o papel da escrita no antagonismo captura da memória / memória “ao vento”.
Paradoxologia:
o paradoxo de o microfragmento mnemônico intermissivo poder produ-
zir macrorresultados proexológicos;
o paradoxo de a memória necessitar de esquecimento para
funcionar;
o paradoxo de a memória do passado guiar as escolhas evolutivas do presente.
Politicologia:
as políticas de salvaguarda em registros históricos da memória planetária.
Legislogia:
a lei do menor esforço Holomnemônico.
Fobiologia:
a bibliofobia.
Sindromologia:
a síndrome da falsa memória.
Maniologia:
a mania de querer fórmulas mágicas para a memória.
Mitologia:
o mito da memória de elefante; o mito de Mnemosine.
Interdisciplinologia:
a Mnemossomatologia; a Mnemopensenologia; a Verbetografolo-
gia; a Raciocinologia; a Grafopensenologia; a Autodeterminologia; a Ortopensenologia; a Soma-
tologia; a Experimentologia; a Autocognociologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a conscin holomemorialista; a conscin lúcida; o ser desperto; o ser inter-
assistencial; a conscin enciclopedista.

Masculinologia:
o estimulador; o intermissivista; o autorrevezamentador; o acoplamen-
tista; o tenepessista; o agente retrocognitor; o amparador intrafísico; o para-historiador; o maxi-
dissidente ideológico; o evoluciente; o autobiógrafo; o narrador para-histórico; o inversor existen-
cial; o reciclante existencial; o paraarquivista; o paramuseólogo; o compassageiro evolutivo;
o projetor consciente; o parapercepciologista; o parapesquisador; o verbetólogo; o verbetógrafo;
o ofiexista; o escritor; o tertuliano; o voluntário; o tocador de obra; o homem de ação.

Femininologia:
a estimuladora; a intermissivista; a autorrevezamentadora; a acopla-
mentista; a tenepessista; a agente retrocognitora; a amparadora intrafísica; a para-historiadora;
a maxidissidente ideológica; a evoluciente; a autobiógrafa; a narradora para-histórica; a inversora
existencial; a reciclante existencial; a paraarquivista; a paramuseóloga; a compassageira evoluti-
va; a projetora consciente; a parapercepciologista; a parapesquisadora; a verbetóloga; a verbetó-
grafa; a ofiexista; a escritora; a tertuliana; a voluntária; a tocadora de obra; a mulher de ação.

Hominologia:
o Homo sapiens autocognitor; o Homo sapiens mentalsomaticus; o Homo
sapiens lector;
o Homo sapiens autolucidus; o Homo sapiens evolutiens; o Homo sapiens ex-

perimentatus;
o Homo sapiens intellegens; o Homo sapiens attentus; o Homo sapiens activus;
o Homo sapiens perquisitor.

V. Argumentologia

Exemplologia:
estimulação cognitiva mnemônica interna = a repetição autopromotora
da memorização, ao modo de associação de conhecimento anterior ao novo e / ou emprego de
imagem mental enquanto fixador; estimulação cognitiva mnemônica externa = o uso de apoio au-
xiliar à memória, ao modo de agenda, celular e / ou recados estrategicamente distribuídos.

Culturologia:
a cultura da Holomemoriologia; a cultura da mnemônica; a cultura da
conservação da memória;
a cultura geral polimática; a multicultura da Autopesquisologia; a pa-
racultura seriexológica;
a cultura da Educaciologia; a cultura útil; a cultura da inteligência evo-
lutiva
(IE).

Profilaxiologia.
Sob a ótica da Autovivenciologia, eis, listadas em ordem alfabética, 10
variáveis relativas à ativação cognitiva mnemônica:
01. Atenção: requisito da memória.
02. Estimulação cognitiva.
03. Expansão da memória.
04. Hiperretenção da memória.
05. Memória de curto prazo.
06. Memória de longa duração.
07. Memória evocada.
08. Memória espontânea.
09. Memória funcional.
10. Observação da memória.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com a estimulação cognitiva mnemônica, indicados para
a expansão das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens
interessados:
01. Aquecimento neuronal: Mentalsomatologia; Homeostático.
02. Ars memoriae: Holomnemônica; Neutro.
03. Atenção dividida: Mentalsomatologia; Homeostático.
04. Conscin holomemorialista: Holomnemonicologia; Homeostático.
05. Espaço mental: Pensenologia; Homeostático.
06. Faculdade de registrar: Autodidaticologia; Neutro.
07. Higiene Mnemônica: Mnemotecnologia; Homeostático.
08. Memória básica: Holomnemônica; Neutro.
09. Memória contínua: Holomemoriologia; Neutro.
10. Memória encapsulada: Mnemossomatologia; Neutro.
11. Memoriologia: Holomnemossomatologia; Neutro.
12. Mnemograma: Mnemossomatologia; Neutro.
13. Mnemotécnica vocabular: Mnemossomatologia; Neutro.
14. Potencializador da memória: Mnemossomatologia; Homeostático.
15. Taxologia mnemônica: Holomnemossomatologia; Neutro.

A
ESTIMULAÇÃO COGNITIVA MNEMÔNICA É RECURSO
DISPONÍVEL A TODA CONSCIN. O DESENVOLVIMENTO
DA ATENÇÃO, FOCO E CONCENTRAÇÃO É ESSENCIAL
PARA EXPANDIR O
ATRIBUTO CEREBRAL DA MEMÓRIA.


Questionologia.
Você, leitor ou leitora, estimula a capacidade cognitiva mnemônica pes-
soal? Quais são os recursos utilizados? Quais os resultados obtidos?

Bibliografia Específica:


1. Ron, Bracy; Aumente seu Potencial de Inteligência; 144 p.; 17 x 12 cm; br.; Publifolha; São Paulo, SP;
2008; páginas 8 a 138.
2. Jebelli, Joseph; Em Busca da Memória: Uma Biografia da Doença Alzheimer, da sua Descoberta às No-
vas Técnicas de Cura;
336 p.; 23 x 16 cm; enc.; Planeta; São Paulo, SP; 2018; páginas 7 a 284.
3. Herman, Amy; Inteligência Visual: Aprenda a Arte da Percepção e Transforme sua Vida; 336 p.; 23
x 16 cm; br.; Zahar; Rio de Janeiro, RJ; 2016; páginas 11 a 297.
4. Vieira, Waldo; Léxico de Ortopensatas; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 2 Vols.; 1.800
p.; Vols. 1 e 2; 1 blog; 652 conceitos analógicos; 22 E-mails; 19 enus.; 1 esquema da evolução consciencial; 17 fotos;
glos. 6.476 termos; 1.811 megapensenes trivocabulares; 1 microbiografia; 20.800 ortopensatas; 2 tabs.; 120 técnicas lexi-
cográficas; 19 websites; 28,5 x 22 x 10 cm; enc.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2014; páginas
1.067 e 1.068.

A. F. D.