Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


CONSCIENCIOMETRIA ANTIVITIMIZADORA

(CONSCIENCIOMETROLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
A conscienciometria antivitimizadora é processo de aplicação das técnicas
de estudo consciencial com objetivo de medir as condições, funções ou qualidades holossomáti-
cas, multidimensionais e seriexológicas da conscin, homem ou mulher, promovendo o desenvol-
vimento da postura mitigadora de vitimismos, a desconstrução de autoconceitos anacrônicos
e a reperspectivação de recursos existenciais evolutivos.
Tematologia.
Tema central homeostático.
Etimologia.
O vocábulo consciência vem do idioma Latim, conscientia, “conhecimento
de alguma coisa comum a muitas pessoas; conhecimento; consciência; senso íntimo”, e esta do
verbo conscire, “ter conhecimento de”. Surgiu no Século XIII. O elemento de composição metria
deriva também do idioma Latim, metrum, “medida de 1 verso”, e este do idioma Grego, métron,
“unidade de medida; o que mede; instrumento para medir”. O prefixo anti procede do idioma
Grego, antí, “de encontro; contra; em oposição a”. Apareceu no Século XVI. O termo vítima pro-
vém do idioma Latim, victima, “vítima; animal que está para ser imolado”. Surgiu em 1572.
Sinonimologia:
1. Conscienciometria autodesdramatizadora. 2. Conscienciometria au-
tovalorizadora.
Neologia.
As 3 expressões compostas conscienciometria antivitimizadora, consciencio-
metria antivitimizadora básica
e conscienciometria antivitimizadora avançada são neologismos
técnicos da Conscienciometrologia.
Antonimologia:
1. Anticonscienciometria autovitimizadora. 2. Consciencioterapia anti-
vitimizadora. 3. Sustentação da autodepreciação anticonscienciométrica.
Estrangeirismologia:
a clear vision of yourself; o go beyond da conscienciometria;
o detachment of point of view; a distorção cognitiva do underdog.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à autodesassedialidade conscienciométrica.
Megapensenologia.
Eis 4 megapensenes trivocabulares relativos ao tema: - Queixa
é autovitimização
. Autoidealizações geram autovitimizações. Vitimização: melin anunciada. Anti-
vitimização: autajuste fino
.
Ortopensatologia:
- “Vitimização. A vitimização pode ser o traço da assistencialidade
que leva a vítima a ajudar o algoz. Para sair da condição de vítima, e ser líder interassistencial,
é necessária a determinação pessoal da consciência para reciclar. A condição da vitimização não
cavada
acontece devido à tares, no universo da Evoluciologia.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal conscienciométrico; o holopensene pessoal da des-
dramatização; o viés autopensênico; os patopensenes; a patopensenidade; a pensenização irracio-
nal; a superação do holopensene trafarista; o desenvolvimento do holopensene autodesassediador;
o holopensene da cosmoeticidade; o holopensene pessoal da autocientificidade; a reciclagem do
holopensene pessoal da vitimização; a qualificação da pensenidade pessoal.

Fatologia:
a conscienciometria antivitimizadora; o processo investigativo consciencio-
métrico auxiliando na ampliação gradativa da antivitimização; os testes conscienciométricos apli-
cados na identificação do resquício de vitimização; o aprofundamento nas camadas da autocons-
cienciometria potencializando a reciclagem da autovitimização; a autexposição desinibida; a au-
tenticidade; a autovitimização crassa; a autovitimização sutil; os autassédios latentes; os autocon-
ceitos distorcidos; o vício de fazer papel de coitado; os pontos cegos no microuniverso intracons-
ciencial; a condição do vitimizado abrindo mão do protagonismo consciencial; as manipulações

emocionais; a chantagem; a barganha; a permanência na zona de conforto patológico; a autofragi-
lização; a autossabotagem; o medo da rejeição; a busca incessante por algozes; a mágoa; o orgu-
lho ferido; o arrogo; o poliqueixume; a repressão emocional; a dificuldade de discernir emoções;
os surtos imaturos de autorrebaixamento intelectual; as autocrenças depreciativas; os ganhos se-
cundários; a escolha de manter-se em subnível; o medo de perder relações sociais afetivas; as
simbioses patológicas; a decisão pela atuação madura; o choque de realidade; a autopesquisa livre
das nuances distorcidas das crenças internas; a desdramatização; a superação da anticosmoética
pessoal; o ato de abrir mão da mediocridade em favor da proatividade; o autoposicionamento cos-
moético antivitimizador; a limpeza lúcida das autocognições vitimizadas; a expansão da lucidez
autopesquisística facilitada pelo consciênciômetra-docente; a harmonização intraconsciencial pela
autoconscienciometria desassediadora; o autoposicionamento pelo autodesassédio; o autempode-
ramento intraconsciencial pelos trafores; o ato de colocar-se à prova; a autopesquisa pacificadora;
a convivialidade enquanto laboratório pessoal; a autoconscientização do papel assistencial; o au-
todesassédio pelo realismo consciencial; a autoconfiança sustentando o protagonismo proexológi-
co; o rol de trafores orientando o pesquisador; a expansão reflexiva e compreensiológica do auto-
conscienciômetra; o bom humor desassediante; o abertismo pesquisístico; a homeostase pelo au-
todiagnostico; o autoquestionamento; o brio consciencial perante o elenco e o parelenco; o auto-
imperdoamento cosmoético; a incorruptibilidade; a liderança interassistencial exercida nos gru-
pos; a assunção dos trafores pessoais; a desdramatização da autoconscienciometria.

Parafatologia:
a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; a presença das
consciexes afinizadas à autovitimização; a vampirização energética; a manipulação energética;
a lucidez quanto à qualidade das companhias extrafísicas; o papel de porta-voz interdimensional;
a checagem multidimensional sendo válvula de segurança da antivitimização; o acoplamento com
amparo extrafísico potencializando a conscienciometria; a exemplificação ao público extrafísico
afim de neocondutas interdimensionais derivadas de recins; as vivências projetivas em campos
conscienciométricos; as experiências parapsíquicas nos campos de conscin-cobaia; a sustentação
energética de neocondutas cosmoéticas; a atuação ostensiva da equipex conscienciométrica ge-
rando extrapolações parapsíquicas; as autorretrocognições antivitimizadoras; os atendimentos
a grupos vitimizados na tenepes.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo autoconscienciometria-autodesassédio; o sinergismo au-
torreflexão-autocrítica-autocognição;
o sinergismo conscienciometria-invéxis.
Principiologia:
o princípio do exemplarismo pessoal (PEP); o princípio da descrença
(PD); o princípio do posicionamento pessoal (PPP); o princípio da autorresponsabilização evolu-
tiva
.
Codigologia:
o código de valores pessoais; os códigos evolutivos dos intermissivistas;
o código pessoal de Cosmoética (CPC).
Teoriologia:
a teoria do paradigma consciencial; a teoria dos gargalos evolutivos; a te-
oria do serenismo;
a teoria da evolução consciencial.
Tecnologia:
a técnica do espelhamento consciencial; a técnica do Conscienciograma;
a técnica da conscin-cobaia; a técnica da análise do gráfico 360°; a técnica da análise rápida do
Conscienciograma;
a técnica da mobilização básica de energias; a técnica do heteroperdoamen-
to universal;
a técnica da tenepes; a técnica do autodesassédio pela autoconscienciometria; as
técnicas de sobrepairamento;
a técnica do autoinventariograma.
Voluntariologia:
o voluntariado sendo palco multidimensional autopesquisístico; o vo-
luntariado em Instituição Conscienciocêntrica
(IC) de especialidade conscienciometrológica.
Laboratoriologia:
o laboratório conscienciológico da Autopensenologia; o laboratório
conscienciológico da Tenepessologia;
o laboratório conscienciológico Grafopensenarium; a aná-
lise do labcon pessoal; as vivências nos campos do curso Imersão em Conscienciometria da

Associação Internacional de Conscienciometria Interassistencial
(CONSCIUS) enriquecendo
o labcon.
Colegiologia:
o Colégio Invisível da Holomaturologia; o Colégio Invisível da Assisten-
ciologia;
o Colégio Invisível da Cosmoeticologia; o Colégio Invisível da Conscienciometrologia;
o Colégio Invisível da Despertologia; o Colégio Invisível da Experimentologia; o Colégio Invisí-
vel da Paratecnologia
.
Efeitologia:
o efeito elucidador da aplicação da conscienciometria; o efeito reconcilia-
dor da autopesquisa;
o efeito impulsionador de largar o fardo da autovitimização; o efeito de as-
sumir o protagonismo evolutivo
.
Neossinapsologia:
as neossinapses desenvolvidas através das autoneoabordagens pes-
quisísticas;
as neossinapses autodesassediadas; as neossinapses criadas ao reperspectivar a His-
tória Pessoal
.
Ciclologia:
o ciclo de aprofundamento da autoconscienciometria; o ciclo das recicla-
gens;
o ciclo de retribuição da assistência; o ciclo de recomposição holocármica; o ciclo de des-
construção da autoimagem idealizada;
o ciclo de reconstrução da identidade traforista.
Binomiologia:
o binômio autopesquisa-autoconexão; o binômio autempoderamento-au-
torreciclagem;
o binômio gescon-exemplarismo; o binômio vitimização-manipulação; o binômio
autoconhecimento-autopacificação;
o binômio autopesquisa-autexposição; o binômio autaceita-
ção-reciclagem;
o binômio psicossoma-paracérebro.
Interaciologia:
a interação cérebro-paracérebro; a interação trafores-trafares.
Crescendologia:
o crescendo do autodesassédio-heterodesassédio; o crescendo de auto-
lucidez
.
Trinomiologia:
o descarte do trinômio autoculpa-autoinculcação-autovitimização; o tri-
nômio autopesquisa-desdramatização-antivitimização;
o trinômio conscienciometria-autopense-
nometria-cosmoeticometria
.
Polinomiologia:
o polinômio interprisão-vitimização-recomposição-libertação.
Antagonismologia:
o antagonismo vitimização / responsabilidade; o antagonismo pro-
tagonismo / vitimismo;
o antagonismo querer entender-se / querer esconder-se; o antagonismo
obnubilação autopesquisística / autolucidez evoluciométrica
.
Paradoxologia:
o paradoxo de a pessoa se ver como sendo vítima, ser o primeiro algoz
de si mesmo;
o paradoxo de o algoz sentir-se autovitimizado.
Politicologia:
a evoluciocracia; a conscienciocracia; a conscienciometrocracia.
Legislogia:
a lei do maior esforço evolutivo; a lei de causa e efeito; a lei da interassis-
tencialidade
.
Filiologia:
a conscienciofilia; a raciocinofilia; a autocogniciofilia; a assistenciofilia;
a cosmoeticofilia; a logicofilia; a autorreciclofilia.
Fobiologia:
a autopesquisofobia; a conscienciometrofobia; a neofobia; a trafarofobia;
a traforofobia; a recinofobia; a questionofobia.
Sindromologia:
a síndrome de algoz; a síndrome do ostracismo; a síndrome do estran-
geiro
(SEST); a síndrome do justiceiro; a síndrome de Peter Pan; a síndrome do impostor; a sín-
drome da autossubestimação;
a síndrome da autossantificação; a síndrome do infantilismo.
Maniologia:
a mania do choro; a mania do coitadismo; a mitomania; a mania da repres-
são dos potenciais.
Mitologia:
o mito da evolução sem percalços; o mito do mártir; o mito do sofrimento
purificador;
o mito da santidade; o mito cultural “amar é sofrer”; o mito da heterocura; o mito
da perfeição;
o mito do dom recebido sem esforço.
Holotecologia:
a conscienciometroteca; a despertoteca; a epicentroteca; a maturoteca;
a psicossomatoteca; a sociologicoteca; a gregarioteca; a traforoteca.
Interdisciplinologia:
a Conscienciometrologia; a Antivitimologia; a Holomaturologia;
a Paraprofilaxiologia; a Interprisiologia; a Grupocarmologia; a Interassistenciologia; a Conscien-
cioterapia; a Seriexologia; a Cosmovisiologia; a Reciclologia; a Autodespertologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a conscin lúcida; a isca humana lúcida; o ser desperto; o ser interassisten-
cial; a conscin enciclopedista.

Masculinologia:
o acoplamentista; o agente retrocognitor; o amparador intrafísico;
o atacadista consciencial; o autodecisor; o intermissivista; o cognopolita; o compassageiro evolu-
tivo; o completista; o comunicólogo; o conscienciólogo; o conscienciômetra; o conscienciotera-
peuta; o macrossômata; o conviviólogo; o duplista; o duplólogo; o proexista; o proexólogo; o ree-
ducador; o epicon lúcido; o escritor; o evoluciente; o exemplarista; o intelectual; o reciclante exis-
tencial; o inversor existencial; o maxidissidente ideológico; o tenepessista; o ofiexista; o paraper-
cepciologista; o pesquisador; o projetor consciente; o sistemata; o tertuliano; o verbetólogo; o vo-
luntário; o tocador de obra; o homem de ação.

Femininologia:
a acoplamentista; a agente retrocognitora; a amparadora intrafísica;
a atacadista consciencial; a autodecisora; a intermissivista; a cognopolita; a compassageira evolu-
tiva; a completista; a comunicóloga; a consciencióloga; a conscienciômetra; a conscienciotera-
peuta; a macrossômata; a convivióloga; a duplista; a duplóloga; a proexista; a proexóloga; a ree-
ducadora; a epicon lúcida; a escritora; a evoluciente; a exemplarista; a intelectual; a reciclante
existencial; a inversora existencial; a maxidissidente ideológica; a tenepessista; a ofiexista; a pa-
rapercepciologista; a pesquisadora; a projetora consciente; a sistemata; a tertuliana; a verbetóloga;
a voluntária; a tocadora de obra; a mulher de ação.

Hominologia:
o Homo sapiens autoconscientiometricus; o Homo sapiens autovictima-
tus;
o Homo sapiens autocorrector; o Homo sapiens autoperquisitor; o Homo sapiens recyclans;
o Homo sapiens proexologus; o Homo sapiens autolucidus.

V. Argumentologia

Exemplologia:
conscienciometria antivitimizadora básica = aquela proveniente do pro-
cesso teático por meio de técnicas autoconscienciométricas chegando a autodiagnósticos e com-
preensão de traços e mecanismos de autovitimização; conscienciometria antivitimizadora avança-
da
= aquela do aprofundamento autoconscienciometrológico reperspectivando autoposicionamen-
tos, reciclagens intraconscienciais, autexposição e qualificação do uso dos recursos evolutivos
pessoais.

Culturologia:
a cultura da Antivitimologia; a cultura da autorresponsabilização emoci-
onal;
a cultura da desrepressão consciencial; a cultura da evolutividade; a cultura da autopacifi-
cação;
a cultura do protagonismo existencial.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com a conscienciometria antivitimizadora, indicados para
a expansão das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens
interessados:
01. Antivitimização cognitiva: Holomaturologia; Homeostático.
02. Antivitimologia: Holomaturologia; Homeostático.
03. Autoconscienciometria desrepressiva: Autoconscienciometrologia; Homeostá-
tico.
04. Autovitimização: Parapatologia; Nosográfico.
05. Benignidade traforista: Interassistenciologia; Homeostático.

06. Olhar conscienciométrico: Conscienciometrologia; Homeostático.
07. Opção pelo autodesassédio: Voliciologia; Homeostático.
08. Pergunta desassediadora: Desassediologia; Homeostático.
09. Protagonismo proexológico: Proexologia; Homeostático.
10. Reciclagem da autovitimização: Autorrecexologia; Homeostático.
11. Reciclagem da culpa religiosa: Recexologia; Homeostático.
12. Reclamação: Autovitimologia; Nosográfico.
13. Reconciliação íntima: Homeostaticologia; Homeostático.
14. Sinergismo Conscienciometrologia-Consciencioterapia: Sinergisticologia; Ho-
meostático.
15. Síntese conscienciométrica: Conscienciometrologia; Neutro.

A APLICAÇÃO LÚCIDA DA
CONSCIENCIOMETRIA ANTIVITI-
MIZADORA É RECURSO CONSCIENCIAL CATALISADOR
DO PROTAGONISMO EVOLUTIVO, LEVANDO AO
APROVEI-
TAMENTO MÁXIMO DA ATUAL VIDA HUMANA CRÍTICA.


Questionologia.
Você, leitor ou leitora, identifica em si posturas vitimizadas? Já realizou
aprofundamento autoconscienciométrico? Quais efeitos evolutivos vem obtendo com o emprego
lúcido da antivitimização?

Bibliografia Específica:


1. Vieira, Waldo; Léxico de Ortopensatas; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 2 Vols.; 1.800
p.; Vols. 1 e 2; 1 blog; 652 conceitos analógicos; 22 E-mails; 19 enus.; 1 esquema da evolução consciencial; 17 fotos;
glos. 6.476 termos; 1.811 megapensenes trivocabulares; 1 microbiografia; 20.800 ortopensatas; 2 tabs.; 120 técnicas
lexicográficas; 19 websites; 28,5 x 22 x 10 cm; enc.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2014; página
1.707.

C. A. E.