Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


COMUNICÓLOGO CONSCIENCIOLÓGICO

(COMUNICOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
O comunicólogo conscienciológico é a conscin, homem ou mulher, espe-
cialista e pesquisadora da Comunicologia, sob a ótica do paradigma consciencial, notadamente
considerando a multidimensionalidade, a multiexistencialidade e a abordagem cosmovisiológica
integral.
Tematologia.
Tema central neutro.
Etimologia.
O vocábulo comunicação procede do idioma Latim, communicatio, “ação
de comunicar; de partilhar; de dividir”, de communicare, “comunicar; por em comum; reunir;
conversar; misturar; partilhar; ter quinhão em”. Apareceu no Século XV. O elemento de composi-
ção logo deriva do idioma Grego, lógos, “linguagem; proposição; definição; palavra; noção; ra-
zão; senso comum; motivo; juízo; opinião; estima; valor dado a alguma coisa; explicação; a razão
divina; falante; o que fala; o que estuda, conhece, e especialista em”. O termo consciência deriva
do idioma Latim, conscientia, “conhecimento de alguma coisa comum a muitas pessoas; conheci-
mento; consciência; senso íntimo”, e este do verbo conscire, “ter conhecimento de”. Surgiu no
Século XIII. O elemento de composição logia provém do idioma Grego, lógos, “Ciência; Arte;
tratado; exposição cabal; tratamento sistemático de 1 tema”.
Sinonimologia:
1. Especialista nas pesquisas da comunicação conscienciológica. 2. Ex-
pert
em Comunicologia Conscienciológica. 3. Técnico em pesquisas teáticas da Comunicologia.
Neologia.
As 3 expressões compostas comunicólogo conscienciológico, comunicólogo
conscienciológico iniciante
e comunicólogo conscienciológico veterano são neologismos técnicos
da Comunicologia.
Antonimologia:
1. Comunicólogo anticosmoético. 2. Manipulador consciencial.
Estrangeirismologia:
o cast da Conscienciologia; a expertise comunicológica.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à autorresponsabilidade comunicativa cosmoética.
Ortopensatologia.
Eis duas ortopensatas, citadas na ordem alfabética, pertinentes ao
tema:
1. “Comunicabilidade. Quanto mais avançado ou evoluído seja você, autorreconhecida-
mente, melhor será aparecer menos, contudo, ampliando a sua comunicabilidade, promovendo
o megaparadoxo autevolutivo, a caminho do anonimato cosmoético interassistencial, cujos pri-
mórdios têm início ao nível do ser desperto, se intensifica com o evoluciólogo e se assenta plena-
mente, por fim, com o Ser Serenão.
2. “Consciencióloga. A conscin consciencióloga busca clarificar os conceitos teáticos da
Conscienciologia por meio dos autexemplos cosmoéticos, evolutivos e prioritários.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal da Autopesquisologia Comunicológica; o holopen-
sene pessoal resultante da aplicação dos princípios da Conscienciologia; o holopensene pessoal da
comunicabilidade sadia; os ortopensenes comunicativos; a ortopensenidade comunicativa; os evo-
luciopensenes; a evoluciopensenidade; os lucidopensenes; a lucidopensenidade; os conviviopen-
senes; a conviviopensenidade; os didactopensenes; a didactopensenidade; os neopensenes; a neo-
pensenidade.

Fatologia:
a tares enquanto megafoco do comunicólogo conscienciológico; o papel de
comunicador evolutivo escolhido, desempenhado e sustentado pela conscin; o emprego autocons-
ciente da comunicabilidade interconsciencial; o discernimento no uso da comunicação madura
quanto à forma, ao conteúdo e a evolutividade das mensagens; a limpidez das ideias na expressão

da terminologia exotérica; a contribuição pessoal à melhoria da linguagem entre as consciências;
a fluência vocabular prática dos dicionários cerebrais; a docência conscienciológica; os ganchos
didáticos; a autoflexibilidade adaptativa semântica; a versatilidade tarística; a tecnicidade comuni-
cativa; a escuta atenta; a paciência com o interlocutor; a utilização consciente dos vocábulos; as
palavras terapêuticas; as palavras nocivas; a agressividade na aplicação habitual do vernáculo;
o acriticismo; a mediocridade da massa impensante; as correntes de opinião; os agitadores de idei-
as; as opiniões majoritárias das conscins dedicadas às existências intrafísicas repetitivas; a imatu-
ridade na comunicação; os debates; as fricções de cabeças intrafísicas; a qualidade evolutiva do
conteúdo acima da beleza da forma; o predomínio da terminologia denotativa da Ciência em de-
trimento da terminologia conotativa da Arte; a associação de ideias; a criação pessoal de neologis-
mos; o emprego adequado dos vocábulos na exposição dos conteúdos; os artefatos do saber;
o omniquestionamento; a autenticidade consciencial; a evitação da ignorância generalizada quan-
to às informações evolutivas prioritárias; o abertismo comunicativo; a comunicação assertiva faci-
litada pela manutenção do objetivo interassistencial; a aplicação exemplificativa, madura e efici-
ente das verdades relativas de ponta disponíveis; a exemplificação pessoal na difusão dos princí-
pios evolutivos libertadores das consciências.


Parafatologia:
a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; o mapeamento pa-
rafisiológico e as aplicações teáticas da sinalética energética e parapsíquica pessoal; o alcance in-
terdimensional da linguagem evolutiva; o parapsiquismo enquanto ferramenta de interlocução en-
tre as dimensões; os atributos parapsíquicos ativos voltados ao desenvolvimento do maxifraternis-
mo; a projetabilidade lúcida; a tenepes; a ofiex; o autodespertamento quanto aos valores de gran-
deza da Para-Humanidade.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo comunicabilidade-intelectualidade-parapsiquismo; o si-
nergismo vasta dicionarização cerebral-taquipsiquismo-fluência comunicativa;
o sinergismo
pensenização focada-conteúdo tarístico-expressão didática;
o sinergismo autocognição útil-
-autodisponibilidade interassistencial;
o sinergismo intraconsciencialidade-policarmalidade;
o sinergismo intelecção-comunicação; o sinergismo materpensene-megatrafor.
Principiologia:
o princípio do exemplarismo pessoal (PEP); o princípio do posiciona-
mento pessoal
(PPP); o princípio da empatia evolutiva; o princípio da comunicabilidade interdi-
mensional;
o princípio cosmoético de respeitar os limites conscienciais; o princípio anticonflitivo
da verbação na comunicação esclarecedora;
o princípio da verpon.
Codigologia:
o código pessoal de Cosmoética (CPC) regrando o uso dos vocábulos na
autexpressão.
Teoriologia:
a teoria da exposição cognitiva; as teorias conscienciológicas vivenciadas,
compreendidas e exemplificadas;
a teoria da inteligência comunicativa; a teoria e prática da
interassistencialidade;
a teoria da comunicação; a teoria dos saberes comunicativos; as teorias
da aprendizagem.

Tecnologia:
as técnicas para a transmissão objetiva da informação desassediadora;
a técnica da Impactoterapia Cosmoética a partir da comunicação interassistencial; a técnica de
checar a qualidade das intenções na comunicação;
a técnica de adequar a pessoa, o local, a ho-
ra, o conteúdo e a forma para a comunicação interassistencial;
a técnica da autexposição; a téc-
nica do detalhismo;
a técnica da circularidade.
Voluntariologia:
o aprendizado da comunicação tarística interassistencial do paradigma
consciencial no voluntariado conscienciológico.
Laboratoriologia:
o trio de laboratórios mentaissomáticos (Holociclo, Holoteca e Ter-
tuliarium);
o laboratório conscienciológico da Autopensenologia; o laboratório conscienciológi-
co da Autoproexologia;
o laboratório conscienciológico da Automentalsomatologia; o laborató-
rio conscienciológico da Autocosmoeticologia;
o laboratório conscienciológico da Consciencio-
grafologia;
o laboratório conscienciológico da Autevoluciologia.

Colegiologia:
o Colégio Invisível da Comunicologia; o Colégio Invisível da Cosmoetico-
logia;
o Colégio Invisível da Interassistenciologia; o Colégio Invisível da Projeciologia; o Colé-
gio Invisível da Intermissiologia;
o Colégio Invisível da Paradiplomacia; o Colégio Invisível da
Conviviologia
.
Efeitologia:
o efeito da paragenética no comunicólogo veterano; o efeito tarístico da
exemplificação da interassistencialidade cosmoética;
os efeitos do taquipsiquismo no acesso lexi-
cal rápido e exato no momento da comunicação oral;
o efeito mentalsomático cosmoético da ta-
res;
o efeito da organização interna das ideias na clareza comunicativa; o efeito paradireitológi-
co na comunicação interassistencial;
o efeito esclarecedor da explicitação verponológica.
Neossinapsologia:
a geração de neossinapses a partir da exposição cosmoética das
ideias;
as neossinapses oriundas do autenfrentamento na comunicabilidade; as neossinapses ge-
radas a partir da neofilia perante as interlocuções;
as neossinapses advindas das escolhas dis-
cernidoras das palavras
.
Ciclologia:
o ciclo contínuo pensenização-verbação; o ciclo interlocutório assistencial
tarístico;
o ciclo sadio da comunicação coronochacra-frontochacra-laringochacra; o ciclo retili-
nearidade do pensamento-equilíbrio holossomático
.
Binomiologia:
o binômio conteúdo-forma; o binômio audição-resposta; o binômio ide-
ia-intenção;
o valor do binômio assim-desassim nos contextos comunicativos tarísticos; o binô-
mio falar-calar
durante o diálogo; o binômio pensenizar antes-expor depois; a superação do
binômio batopensene-ruminação pensênica
.
Interaciologia:
a interação cérebro-paracérebro na comunicação amparadora.
Crescendologia:
o crescendo das supercomunicações na vida moderna; o crescendo re-
tilinearidade autopensênica-comunicação interassistencial;
o crescendo telepatia-conscienciês;
o crescendo psicografia-pangrafia.
Trinomiologia:
o trinômio palavra exata-contexto adequado-comunicação eficaz;
o trinômio dicionários cerebrais-articulação mental-versatilidade comunicativa; o trinômio co-
nhecimento-responsabilidade-exemplarismo;
o trinômio interassistencial acolhimento-orienta-
ção-encaminhamento;
o trinômio autorreflexão-ponderação-autodiscernimento aplicado na mo-
deração da comunicação interassistencial; o trinômio compreensão-superação-autexemplo;
o trinômio pensar-sentir-manifestar.
Polinomiologia:
o polinômio comunicador-mensagem-receptor-transmissor; o polinô-
mio franqueza-transparência-clareza-comunicação;
o polinômio holossomático soma-psicosso-
ma-energossoma-mentalsoma;
o polinômio emoção-cardiochacra-laringochacra-autexpressão
pela voz;
o polinômio saber ouvir-saber falar-saber ler-saber escrever; o polinômio Comunico-
logia-Parapedagogiologia-Tenepessologia-Interassistenciologia;
o polinômio estudo-autorrefle-
xão-experimentação-esclarecimento
.
Antagonismologia:
o antagonismo verdades relativas de ponta / verdades absolutas in-
verificáveis;
o antagonismo comunicação lacunada / comunicação eficaz; o antagonismo comu-
nicação esclarecedora / superexposição egocêntrica;
o antagonismo saber comunicar / não saber
comunicar;
o antagonismo informador de verpons / impositor de ideias; o antagonismo assistên-
cia tarística / assistencialismo;
o antagonismo egocentrismo / altruísmo.
Paradoxologia:
o paradoxo de o comunicólogo interassistencial ser o primeiro a ser as-
sistido;
o paradoxo do silêncio cosmoetificador.
Politicologia:
a assistenciocracia; a comunicocracia; a mentalsomatocracia; a cogno-
cracia
; a lucidocracia; a meritocracia; a cosmoeticocracia.
Legislogia:
a lei do maior esforço aplicada à interassistencialidade comunicativa.
Filiologia:
a comunicofilia; a neofilia; a conscienciofilia; a sociofilia; a reeducaciofilia;
a assistenciofilia; a projeciofilia.
Fobiologia:
a comunicofobia; a assistenciofobia; a neofobia; a sociofobia gerada pela
timidez extrema.
Sindromologia:
a eliminação da síndrome da mediocridade; a evitação da síndrome do
autodesperdício
.

Maniologia:
a mania de querer sempre dar conselhos; a mania de achar saber o melhor
para o outro; a mania de manipular as informações; a mania de ir “no bico” dos outros.
Mitologia:
o mito de quanto mais comunicação melhor; o mito de o bom comunicador
ser a solução para todos os problemas;
o mito de a comunicabilidade ser apenas dom de nas-
cença;
o mito de quem escreve muito se comunicar bem.
Holotecologia:
a comunicoteca; a argumentoteca; a evolucioteca; a consciencioteca;
a discernimentoteca; a mentalsomatoteca; a interassistencioteca.
Interdisciplinologia:
a Comunicologia; a Perfilologia; a Mentalsomatologia; a Interas-
sistenciologia; a Lucidologia; a Taristicologia; a Intencionologia; a Cosmoeticologia; a Autopes-
quisologia; a Assistenciologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a conscin lúcida; a isca humana lúcida; o ser desperto; o ser interassisten-
cial; a conscin enciclopedista.

Masculinologia:
o comunicólogo conscienciológico; o conferencista; o professor; o inte-
lectual militante; o escritor publicado; o acoplamentista; o agente retrocognitor; o amparador in-
trafísico; o atacadista consciencial; o autodecisor; o intermissivista; o cognopolita; o compassa-
geiro evolutivo; o completista; o conscienciólogo; o conscienciômetra; o consciencioterapeuta;
o macrossômata; o conviviólogo; o duplista; o duplólogo; o proexista; o proexólogo; o reeduca-
dor; o epicon lúcido; o escritor; o evoluciente; o exemplarista; o intelectual; o reciclante existen-
cial; o inversor existencial; o maxidissidente ideológico; o tenepessista; o ofiexista; o parapercep-
ciologista; o pesquisador; o projetor consciente; o sistemata; o tertuliano; o verbetólogo; o volun-
tário; o tocador de obra; o homem de ação.

Femininologia:
a comunicóloga conscienciológica; a conferencista; a professora; a inte-
lectual militante; a escritora publicada; a acoplamentista; a agente retrocognitora; a amparadora
intrafísica; a atacadista consciencial; a autodecisora; a intermissivista; a cognopolita; a compassa-
geira evolutiva; a completista; a consciencióloga; a conscienciômetra; a consciencioterapeuta;
a macrossômata; a convivióloga; a duplista; a duplóloga; a proexista; a proexóloga; a reeducado-
ra; a epicon lúcida; a escritora; a evoluciente; a exemplarista; a intelectual; a reciclante existen-
cial; a inversora existencial; a maxidissidente ideológica; a tenepessista; a ofiexista; a parapercep-
ciologista; a pesquisadora; a projetora consciente; a sistemata; a tertuliana; a verbetóloga; a vo-
luntária; a tocadora de obra; a mulher de ação.

Hominologia:
o Homo sapiens communicologus; o Homo sapiens cosmoethicus; o Ho-
mo sapiens cosmovisiologus;
o Homo sapiens autolucidus; o Homo sapiens reeducator; o Homo
sapiens epicentricus;
o Homo sapiens argumentator; o Homo sapiens cognitor; o Homo sapiens
paradireitologus;
o Homo sapiens conscientiologus.

V. Argumentologia

Exemplologia:
comunicólogo conscienciológico iniciante = a conscin estudante jejuna
de Comunicologia, propagando ideias a varejo; comunicólogo conscienciológico veterano
= a conscin especialista avançada em Comunicologia, divulgando ideias por atacado.

Culturologia:
a cultura didática quanto à excelência da autexpressão; a cultura da au-
tenticidade
pautando as relações conscienciais comunicativas; a multiculturalidade da comunica-
bilidade interconsciencial evoluída;
a cultura do parapsiquismo cosmoético; a cultura da Prioro-
logia;
a cultura polimática; a cultura do semperaprendente.

Caracterologia.
De acordo com a Conviviologia, eis, por exemplo, em ordem alfabética,
25 qualidades passíveis de serem encontradas no perfil do comunicólogo conscienciológico:
01. Acolhimento. A capacidade de prestar assistência, recebendo adequadamente os as-
sistíveis.
02. Aglutinação. A capacidade de atrair os compassageiros evolutivos, empregando
a força presencial pessoal.
03. Antiofensividade. A capacidade de pacificar as consciências, utilizando a comuni-
cação holossomática.
04. Argumentabilidade. A capacidade de debater cosmoeticamente, visando o esclare-
cimento universalista.
05. Assertividade. A capacidade de sustentar posicionamentos interassistenciais, man-
tendo o holopensene pessoal saturado de autorreflexões sadias.
06. Autenticidade. A capacidade de transparecer a interioridade na vida consciencial,
conservando a veracidade na autexposição dos fatos e parafatos.
07. Autotaquirritmia. A capacidade de manifestar-se em ritmo rápido e eficaz, expan-
dindo a competência laboral evolutiva.
08. Bom humor. A capacidade de manter o bom humor na prática assistencial diuturna,
qualificando a tarefa do esclarecimento.
09. Clareza. A capacidade de expressar-se com nitidez, gerando maior compreensibili-
dade das informações.
10. Convivialidade. A capacidade de relacionar-se sadiamente com conscins e conscie-
xes, priorizando a interassistencialidade.
11. Cosmoética. A capacidade de aplicar teaticamente as cláusulas do CPC autoimpos-
to, objetivando o escopo cosmoético de acontecer o melhor para todos.
12. Criticidade. A capacidade de construir argumentos evolutivos, expressando a auto-
incorruptibilidade e a lisura pessoal.
13. Detalhismo. A capacidade de valorizar as abordagens aos detalhes, ampliando
a cognição quanto aos parafenômenos e às parassincronicidades.
14. Didática. A capacidade de repassar os conhecimentos adquiridos, destacando
o princípio de quem ensina aprende duas vezes (Bis discit qui docet).
15. Eloquência. A capacidade de expressar-se com desenvoltura, lembrando ser o bom
exemplo a maior retórica.
16. Empatia. A capacidade de compreender o outro no universo da interconvivialidade
consciencial, ressaltando a autobenignidade e a benevolência.
17. Escuta ativa. A capacidade de ouvir atentamente o interlocutor, lembrando ser a es-
cuta correta facilitadora de questionamento apropriado e de resposta adequada.
18. Extroversão. A capacidade de comunicar-se com desembaraço e espontaneidade,
denotando singularidade consciencial.
19. Franqueza. A capacidade de opinar com transparência, sabendo sempre utilizar
o dosímetro da sinceridade.
20. Histrionismo. A capacidade de pronunciar-se calculadamente através da técnica do
histrionismo didático,
ampliando as possibilidades tarísticas.
21. Paciência. A capacidade de empregar a calma, a serenidade e o equilíbrio para com
as imaturidades alheias, evitando o acumpliciamento.
22. Parapsiquismo. A capacidade de desenvolver o autoparapsiquismo, ampliando
a comunicação interdimensional tarística.
23. Poliglotismo. A capacidade de expressar-se em vários idiomas, expandindo funcio-
nalmente o alcance interassistencial policármico.
24. Tecnicidade. A capacidade de aplicar métodos ou técnicas no processo de comuni-
cabilidade interconsciencial, visando obter resultados evolutivos.
25. Versatilidade. A capacidade de atuar com polivalência e multifuncionalidade na
comunicação de informações cosmoéticas, selecionando as mais apropriadas segundo a bagagem
evolutiva dos assistidos.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com o comunicólogo conscienciológico, indicados para a ex-
pansão das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens inte-
ressados:
01. Autexpressão: Comunicologia; Neutro.
02. Autoconsciência verbal: Comunicologia; Neutro.
03. Categoria de comunicação: Comunicologia; Neutro.
04. Ciclo evolutivo pessoal: Evoluciologia; Homeostático.
05. Compreensão da Conscienciologia: Mentalsomatologia; Homeostático.
06. Comunicação assertiva: Comunicologia; Neutro.
07. Comunicação interassistencial: Comunicologia; Homeostático.
08. Conscienciólogo: Conscienciometrologia; Homeostático.
09. Cotejo conscin-conscienciólogo: Conscienciometrologia; Homeostático.
10. Elenco da Conscienciologia: Conviviologia; Homeostático.
11. Elencologia: Grupocarmologia; Neutro.
12. Perfil assistencial: Interassistenciologia; Homeostático.
13. Perfilologia: Conscienciometrologia; Neutro.
14. Verbetólogo: Perfilologia; Neutro.
15. Voluntário da Conscienciologia: Assistenciologia; Homeostático.

O
COMUNICÓLOGO CONSCIENCIOLÓGICO É A PERSONA-
LIDADE ESPECIALISTA, COM HABILIDADES OU CONHECI-
MENTOS TÉCNICOS VOLTADOS À EXPANSÃO, DIFUSÃO
E QUALIFICAÇÃO DA
TAREFA DO ESCLARECIMENTO.


Questionologia.
Você, leitor ou leitora, tem interesse em pesquisar a especialidade Co-
municologia? Busca contribuir para a melhoria da comunicação evolutiva entre as consciências?

Bibliografia Específica:


1. Seno, Ana; Comunicação Evolutiva nas Interações Conscienciais; pref. Málu Balona; revisores Equipe de
Revisores da Editares; 342 p.; 4 seções; 29 caps.; 36 citações; 1 diagrama; 22 E-mails; 70 enus.; 2 esquemas; 2 fluxogra-
mas; 1 foto; 4 ilus.; 1 microbiografia; 1 planilha; 9 tabs.; 20 websites; glos. 181 termos; 17 filmes; 183 refs.; 2 apênds.; 23
x 16 cm; br.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2013; páginas 219 a 225.
2. Vieira, Waldo; Conscienciograma: Técnica de Avaliação da Consciência Integral; revisor Alexander
Steiner; 344 p.; 150 abrevs.; 106 assuntos das folhas de avaliação; 3 E-mails; 11 enus.; 100 folhas de avaliação; 1 foto;
1 microbiografia; 100 qualidades da consciência; 2.000 questionamentos; 100 títulos das folhas de avaliação; 1 website;
glos. 282 termos; 7 refs.; alf.; 21 x 14 cm; br.; Instituto Internacional de Projeciologia; Rio de Janeiro, RJ; 1996; páginas
152 a 171.
3. Idem; Homo sapiens reurbanisatus; revisores equipe de revisores do Holociclo; 1.584 p.; 24 seções; 479
caps.; 139 abrevs.; 12 E-mails; 597 enus.; 413 estrangeirismos; 1 foto; 40 ilus.; 1 microbiografia; 25 tabs.; 4 websites;
glos. 241 termos; 3 infográficos; 102 filmes; 7.665 refs.; alf.; geo.; ono.; 29 x 21 x 7 cm; enc.; 3ª Ed.; Gratuita; Associação
Internacional do Centro de Altos Estudos da Conscienciologia
(CEAEC); Foz do Iguaçu, PR; 2004; páginas 96 e 101.
4. Idem; Léxico de Ortopensatas; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 2 Vols.; 1.800 p.; Vols.
1 e 2; 1 blog; 652 conceitos analógicos; 22 E-mails; 19 enus.; 1 esquema da evolução consciencial; 17 fotos; glos. 6.476
termos; 1.811 megapensenes trivocabulares; 1 microbiografia; 20.800 ortopensatas; 2 tabs.; 120 técnicas lexicográficas;
19 websites; 28,5 x 22 x 10 cm; enc.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2014; páginas 384 e 407.

A. F. C.