Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


BOMBEIRO VOLUNTÁRIO

(INTERASSISTENCIOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
O bombeiro voluntário é a conscin, homem ou mulher, predispondo-se
a ser treinada e equipada para desempenhar, sem remuneração, atividades de proteção, salvamen-
to de vidas, de bens de pessoas físicas e jurídicas em casos de calamidade pública, acidentes de
trânsito, incêndios ou outras circunstâncias de riscos, além de inspecionar e testar equipamentos
de segurança e prestar os primeiros socorros em diversas ocorrências.
Tematologia.
Tema central neutro.
Etimologia.
O vocábulo bomba vem do idioma Italiano, bomba, derivado talvez do idio-
ma Latim, bombus, “zumbido surdo das abelhas; ruído; barulho; estrépito”, e este do idioma Gre-
go, bombós, “ruído forte; sopro do vento; máquina para elevar água”. Surgiu no Século XVI.
O sufixo eiro deriva do idioma Latim, airu, componente de adjetivo,“o que produz; trata de; cui-
da”. A palavra bombeiro apareceu no Século XVIII. O termo voluntário procede do mesmo idio-
ma Latim, voluntarius, “quem age por vontade própria”. Surgiu no Século XV.
Sinonimologia:
1. Combatente voluntário de incêndio. 2. Guarda-vidas voluntário.
3. Pessoa voluntária extintora de incêndio. 4. Resgatista voluntário; socorrista voluntário.
5. Apagador voluntário de incêndio.
Cognatologia.
Eis, na ordem alfabética, 38 cognatos derivados do vocábulo bombeiro:
bomba; bombacácea; bombacha; bombacho; bombada; bomba-d’água; bomba-foguete; bomba-
-granada; bomba-parafuso; bombarda; bombardada; bombardão; bombardaria; bombardeado;
bombardeador; bombardeamento; bombardear; bombardeiro; bombardino; bomba-relógio;
bombaria; bombástico; bomba-turbina; bombazina; bombeação; bombeado; bombeador; bom-
beamento; bombear; bombídeo; bombilha; bombiliídeo; bombinha; bombom; bombona; bombo-
naça; bomboneira; bombonjira
.
Neologia.
As duas expressões compostas bombeiro voluntário não intermissivista
e bombeiro voluntário intermissivista são neologismos técnicos da Interassistenciologia
Antonimologia:
1. Bombeiro militar. 2. Bombeiro profissional remunerado. 3. Bom-
beiro civil. 4. Brigadista.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à holomaturidade interassistencial.
Megapensenologia.
Eis megapensene trivocabular sintetizando o tema: - Bombeiro:
conscin interassistencial
.
Coloquiologia.
Eis duas expressões populares referentes aos bombeiros: soldados do fo-
go; anjos da vida
.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal da interassistencialidade voluntária; o holopensene
pró-assistencial; o holopensene da empatia; a atmosfera holopensênica da confiança; o holo-
pensene grupal da prevenção; os benignopensenes; a benignopensenidade; os fraternopensenes;
a fraternopensenidade; o holopensene terapêutico; os ortopensenes da assistência de urgência;
a ortopensenidade; a intervenção mediante autopensenização predominante no pen; a prestação de
socorro preservando a higidez pensênica; a superação do rastro da retropensenidade bélica.

Fatologia:
o ato da vontade a serviço do socorro alheio; a abnegação em prestar assistên-
cia voluntária em casos de acidentes e incêndios; o treinamento para atendimentos emergenciais;
a capacitação técnica do bombeiro voluntário, sempre atualizada; o conhecimento técnico sobre
o sistema de radiocomunicação e radioperação; os procedimentos de inspeção preventiva dos
equipamentos, veículos, viaturas e demais materiais; a elaboração de relatórios padronizados de

acompanhamentos de trabalhos de riscos, de inspeção, de análise de acidentes e de laudos técni-
cos de prevenção; as escolas para formação de bombeiros; a atividade dos bombeiros-mirins;
o atendimento pré-hospitalar móvel; a condição do socorrista tomador de decisões críticas e ime-
diatas embasadas em conhecimento e avaliação da situação emergencial; a responsabilidade do
operador da central na triagem das ocorrências; o estado emocional alterado do solicitante ao fa-
zer o contato telefônico ao Corpo de Bombeiros; a hierarquia e a disciplina militar; a imprudên-
cia, a negligência e a imperícia sendo fatores a intervenientes nosográficos no desempenho das
atividades dos bombeiros; o despreparo emocional nos atendimentos emergenciais relativos às
crianças; o erro humano comprometedor do trabalho em equipe; o estresse pós-traumático, o me-
do de falhar; o despreparo emocional nos atendimentos de urgência aos próprios membros famili-
ares; a fuga da realidade por meio da dedicação full time ao serviço voluntário; o controle emoci-
onal, a racionalidade técnica, precisa, pragmática, exigida dos bombeiros no desempenho das ati-
vidades fins; o entendimento da cena a partir da análise ampla de todo o contexto situacional;
a obediência irrestrita aos procedimentos operacionais padrão (POP); a segurança da equipe em
primeiro lugar, a de terceiros e da vítima sendo indispensáveis, obrigatórios nas intervenções
emergenciais; o uso obrigatório dos equipamentos de segurança individual (EPIs) específicos para
cada tipo de atendimento emergencial; os equipamentos de proteção respiratórios (EPRs); o con-
dicionamento físico exigido em determinadas emergências; o trabalho em equipe ombro a ombro;
a interdependência nos trabalhos em conjunto; a comunicação clara, objetiva e precisa entre todos
no desempenho das atividades operacionais.

Parafatologia:
a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; a sinalética ener-
gética e parapsíquica pessoal, antecipando ocorrências emergenciais; a ocorrência de fenômenos
poltergeist
em determinados recintos; a ignorância e o temor relacionados às vivências de fenô-
menos parapsíquicos pelas conscins bombeiras voluntárias; a parapercepção de energias nosográ-
ficas gravitantes em determinados locais da edificação do Corpo de Bombeiros; a identificação de
consciexes na condição de prováveis vítimas atendidas; as parassincronicidades envolvendo as
conscins atendidas; a ectoplasmia e fenômenos decorrentes; os reencontros grupocármicos de
conscins com retrovidas no belicismo; a hipótese de retrovida na condição de integrante de exér-
citos de guerreiros; a assim; a desassim; o autencapsulamento energético; o heterencapsulamento
energético; a exteriorização de energias conscienciais nas limpezas energéticas de ambientes físi-
cos e extrafísicos; a tenepes.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo promovido pelo amparo extrafísico de função nos em-
preendimentos interassistenciais;
o sinergismo interassistência-acerto evolutivo grupocármico;
o sinergismo unidade-grupo; o sinergismo prestar assistência-ser assistido; o sinergismo troca-
-aprendizado;
o sinergismo da cooperação entre pares; o sinergismo competências-resultados;
o sinergismo criatividade responsável-ousadia calculada; o sinergismo perfil assistencial-ativi-
dade qualificada
.
Principiologia:
o princípio da compreensão interassistencial; o princípio de o menos
doente assistir ao mais doente;
o princípio cosmoético “aconteça o melhor para todos”; o princí-
pio da interdependência;
o princípio “muito ajuda quem não atrapalha”; o princípio da evolu-
ção interassistencial;
o princípio “na dúvida, assista”; o princípio da responsabilidade compar-
tilhada;
o princípio “1 por todos e todos por 1”; o princípio de fazer o melhor possível; o princí-
pio “fazer o bem sem olhar a quem”;
o princípio de a evolução estar calcada na interassistencia-
lidade;
o princípio “ninguém faz nada sozinho”.
Codigologia:
o código de ética na radiocomunicação; o código fonético internacional;
o código internacional de sinais (código Q); o “código azul” (óbito); os códigos de deslocamento
dos veículos de emergência
(1, 2 e 3); o código pessoal de Cosmoética (CPC); o código de ética
profissional
.

Teoriologia:
a teoria do fogo; a teoria da evolução em grupo; a teoria e prática da inte-
rassistencialidade;
a teoria do macrossoma; a teoria dos limites interassistenciais.
Tecnologia:
as técnicas de resgate veicular; as técnicas de resgate em altura; as técni-
cas de resgate aquático;
as técnicas de combate a incêndio.
Voluntariologia:
o voluntariado na corporação de bombeiros; o voluntariado dedicado
à Humanidade;
o jovem bombeiro dedicado ao voluntariado interassistencial desde a adolescên-
cia; o paravoluntariado.
Laboratoriologia:
o laboratório conscienciológico da Interassistenciologia; o labcon;
o laboratório conscienciológico da Autevoluciologia; o laboratório conscienciológico da Grupo-
carmologia;
o laboratório conscienciológico da Autocosmoeticologia.
Colegiologia:
o Colégio Invisível da Interassistenciologia; o Colégio Invisível da Gru-
pocarmologia;
o Colégio Invisível da Terapeuticologia; o Colégio Invisível da Dessomatologia;
o Colégio Invisível da Evoluciologia.
Efeitologia:
o efeito halo da interassistencialidade consciencial; o efeito halo da inter-
confiança;
os efeitos das energias dos ambientes; o efeito das intercorrências enriquecedoras;
o efeito da assistência policármica e universalista na Cosmovisiologia Pessoal; o efeito sinérgico
do trabalho em grupo;
os efeitos da racionalidade do mentalsoma sobre o psicossoma; o efeito
da missão cumprida
.
Neossinapsologia:
as paraneossinapses da completude interassistencial; a aquisição de
neossinapses a partir de neoexperiências assistenciais;
as neossinapses adquiridas na atividade
diária bombeiril;
as neossinapses promovidas pela assistência sem retorno; a necessidade de
neossinapses da conscin com perfil bélico
.
Ciclologia:
o ciclo multiexistencial pessoal (CMP); o ciclo ex-assistido-neoassistente;
o ciclo teoria-prática; o ciclo evolutivo consciência imatura-consciência autolúcida; o inevitável
ciclo grupocármico encontros-desencontros-reencontros;
o ciclo das autossuperações assistenci-
ais;
o ciclo assistência recebida-assistência retribuída; o ciclo da vida.
Enumerologia:
a análise da cena; a avaliação da vítima; o procedimento técnico; a con-
dução da vítima; a comunicação ao hospital; a higienização da ambulância pós-atendimento; o re-
torno à base corporação.
Binomiologia:
o binômio assistente-assistido; o binômio voluntariado-paravoluntaria-
do;
o binômio assim-desassim; o binômio recebimento-retribuição; o binômio autoconfiança-des-
temor;
o binômio demanda externa-autocapacitação; o binômio estudo-interassistência; o binô-
mio comoção-prejuízo assistencial
.
Interaciologia:
a interação bombeiro voluntário-vítima; a interação assistente-assisti-
do;
a interação bombeiro-solicitante; a interação bombeiro-comunidade.
Crescendologia:
o crescendo interesse pelas consciências-dedicação assistencial;
o crescendo superação intraconsciencial-capacitação interassistencial; o crescendo assistente
novato-assistente mediano-assistente veterano;
o crescendo empatia-assistência; o crescendo
profilaxia do erro-prospecção do acerto
.
Trinomiologia:
o trinômio observar-refletir-agir; o trinômio autoconfiança-autodeter-
minação-autocontrole;
o trinômio sensibilidade-empatia-fraternidade; o trinômio saber ouvir-
-saber discernir-saber intervir
.
Polinomiologia:
o polinômio postura-olhar-voz-gesto; o polinômio pessoa certa-local
correto-momento oportuno-informação providencial;
o polinômio planejar-fazer-checar-agir;
o polinômio investigar-auscultar-compreender-assistir; o polinômio boa intenção-irreflexão-im-
pulsividade-resultado malogrado
.
Antagonismologia:
o antagonismo ceifador de vidas no passado / salvador de vidas no
presente;
o antagonismo do uso de cavalos e armamentos no passado / uso atual da ambulância
e instrumentos médicos
.
Paradoxologia:
o paradoxo da conscin salvadora de vidas e defensora do armamento
da população civil;
o paradoxo de o primeiro atendimento poder ser o último atendimento;
o paradoxo de a simplicidade da cena poder revelar a complexidade do atendimento; o paradoxo
de a assistência ser mais prioritária ao atendente se comparado ao assistido;
o paradoxo da

conscin interassistencial inassistindo a si mesma;
o paradoxo de o bombeiro assistir a terceiros
e manter dificuldades de assistir aos próprios familiares
.
Politicologia:
a interassistenciocracia; a política da Assistenciologia Multidimensional;
a política nacional de prevenção e combate a incêndio; a política nacional em atenção às urgên-
cias.
Legislogia:
a lei do Bombeiro Civil (Lei N. 11.901/09); a lei Prevenção e Combate
a Incêndio
(Lei N. 13.425/17); a lei de causa e efeito; a lei do maior esforço interassistencial; as
leis da interdependência consciencial;
as leis da Fisiologia Humana; a lei inderrogável da des-
soma
.
Filiologia:
a assistenciofilia; a sociofilia; a tecnofilia; a cognofilia; a mentalsomatofilia;
a terapeuticofilia; a priorofilia; a hidrofilia.
Fobiologia:
a hematofobia; a pirofobia; a aquafobia; a apotemnofobia; a claustrofobia;
a fobia social; a acrofobia; a decidofobia; a necrofobia; a tanatofobia.
Sindromologia:
a síndrome de burnout; a síndrome do estresse pós-traumático; a sín-
drome da
hipocondria; a síndrome de super-herói; a síndrome do ansiosismo; a síndrome da per-
feição;
a síndrome do pânico.
Maniologia:
a mania de queixa; a mania de perfeição; a mania de nunca se sentir pronto
para assistir; a mania de agir sem pensar.
Mitologia:
o mito de o raio nunca cair duas vezes no mesmo lugar; o mito de a boa von-
tade e a boa intenção serem suficientes;
o mito da perfeição; o mito da assistência sem limites; os
mitos populares;
o mito da vida humana única.
Holotecologia:
a interassistencioteca; a energossomatoteca; a evolucioteca; a medicino-
teca
; a socioteca; a somatoteca; a tecnoteca; a terapeuticoteca; a psicopatoteca; a nosoteca; a vo-
luntarioteca.
Interdisciplinologia:
a Interassistenciologia; a Anatomia; a Biologia; a Priorologia;
a Cosmoeticologia; a Dessomatologia; a Enfermagem; a Física; a Fisiologia; a Macrossomatolo-
gia; a Medicina; a Nosografia; a Parapercepciologia; a Psicologia; a Psicossomatologia; a Quími-
ca; a Toxicologia; a Voluntariologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a conscin pré-serenona vulgar; a conscin lúcida; a equipin; a equipex; o ser
interassistencial.

Masculinologia:
o bombeiro voluntário; o aspirante; o acoplamentista; o agente retro-
cognitor; o amparador intrafísico; o atacadista consciencial; o autodecisor; o intermissivista;
o compassageiro evolutivo; o completista; o comunicólogo; o conscienciólogo; o infiltrado cos-
moético; o macrossômata; o conviviólogo; o proexista; o proexólogo; o epicon lúcido; o evoluci-
ente; o exemplarista; o intelectual; o inversor existencial; o reciclante existencial; o tenepessista;
o ofiexista; o parapercepciologista; o pesquisador; o projetor consciente; o sistemata; o voluntá-
rio; o homem de ação.

Femininologia:
a bombeira voluntária; a aspirante; a acoplamentista; a agente retrocog-
nitora a amparadora intrafísica; a atacadista consciencial; a autodecisora; a intermissivista;
a compassageira evolutiva; a completista; a comunicóloga; a consciencióloga; a infiltrada cosmo-
ética; a macrossômata; a convivióloga; a proexista; a proexóloga; a epicon lúcida; a evoluciente;
a exemplarista; a intelectual; a inversora existencial; a reciclante existencial; a tenepessista; a ofi-
exista; a parapercepciologista; a pesquisadora; a projetora consciente; a sistemata; a voluntária;
a mulher de ação.

Hominologia:
o Homo sapiens interassistens; o Homo sapiens fraternus; o Homo sapi-
ens intermissivista;
o Homo sapiens decidophilicus; o Homo sapiens macrossomabilis; o Homo
sapiens rationabilis;
o Homo sapiens donator.

V. Argumentologia

Exemplologia:
bombeiro voluntário não intermissivista = o pré-serenão vulgar, incons-
ciente da multidimensionalidade, atuando assistencialmente em situações emergenciais; bombeiro
voluntário intermissivista = a conscin lúcida, empregando o conhecimento sobre a multidimensio-
nalidade e o holossoma, nos atendimentos emergenciais interassistenciais.

Culturologia:
a cultura da interassistencialidade; a cultura do voluntariado; a cultura
bombeiril;
a cultura da doação; a cultura do trabalho assistencial em equipe.

Categoriologia.
Segundo a Vivenciologia, eis, por exemplo, 5 categorias de bombeiros
atuantes em atendimento às emergências:
1. Chefe-de-socorro: o bombeiro responsável pela equipe; tomador de decisões críticas;
avaliador do contexto emergencial; coordenador do atendimento.
2. Bombeiro 1: o socorrista; resgatista responsável pela avaliação da vítima, triagem,
aplicação das técnicas nos atendimentos de urgências e coordenação da equipe de bombeiros atu-
antes junto a si nas emergências.
3. Bombeiro 2: o bolsa; responsável pelo manuseio e transporte da bolsa de atendimen-
to e auxílio e instrumentação do bombeiro socorrista.
4. Bombeiro 3: o cabeça; atua na estabilização da vítima, por meio da técnica da imobi-
lização da cabeça
(“pegada”), cujo objetivo é não agravar eventual dano ou lesão na coluna verte-
bral dos atendidos; responsável pelo comando de voz à equipe no transporte da vítima de maca
até a ambulância e manutenção de conversa com a vítima em estado consciente durante todo
o atendimento.
5. Bombeiro 4: o motorista; condutor do veículo de emergência, na condição de respon-
sável pelo isolamento e segurança do local (cena) para o trabalho dos demais bombeiros.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com o bombeiro voluntário, indicados para a expansão das
abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Assistência inegoica: Interassistenciologia; Homeostático.
02. Assistente inassistível: Egologia; Nosográfico.
03. Assistenciologia grupocármica: Interassistenciologia; Homeostático.
04. Autofracasso deslocado: Autoproexologia; Nosográfico.
05. Comprometimento assistencial: Assistenciologia; Homeostático.
06. Cuidador multidimensional: Interassistenciologia; Homeostático.
07. Dependência: Psicossomatologia; Nosográfico.
08. Esquecimento trágico: Holomemoriologia; Nosográfico.
09. Limite do assistente: Paradireitologia; Neutro.
10. Perfil assistencial grupocármico: Interassistenciologia; Neutro.
11. Segurança pública: Assistenciologia; Homeostático.
12. Socorrista multidimensional: Assistenciologia; Homeostático.
13. Teática assistencial: Assistenciologia; Homeostático.
14. Tempo assistencial: Interassistenciologia; Neutro.
15. Viragem assistido-assistente: Assistenciologia; Homeostático.

O SERVIÇO DO
BOMBEIRO VOLUNTÁRIO PODE REPRE-
SENTAR OPORTUNIDADE EVOLUTIVA ÀS CONSBÉIS PARA

SUPERAÇÃO DA PENSENIDADE BÉLICA, AO OFERECER
DIVERSAS ATIVIDADES INTERASSISTENCIAIS NA SOCIN.


Questionologia.
Você, leitor ou leitora, reconhece possuir resquícios de características
bélicas? Em caso afirmativo, pensou na hipótese de superar a pensenidade belicista por meio de
serviços voluntários interassistenciais às demais consciências?

Bibliografia Específica:


1. Associação dos Bombeiros Voluntários do Estado de Santa Catarina (ABVESC); Blog e Facebook; Fun-
dado em 1991; Manual; Curso de Formação de Bombeiros Voluntários; 682 p.; 8 seções; 5 regionais:Alto Uruguaia;
Caçador; Indaial; Jaraguá do Sul e Joinvile); alf.; espiralado; Santa Catarina; 31.12.69; páginas 1 a 682.
2. Vieira, Waldo; Manual dos Megapensenes Trivocabulares; revisores Adriana Lopes; Antonio Pitaguari;
& Lourdes Pinheiro; 378 p.; 3 seções; 49 citações; 85 elementos linguísticos; 18 E-mails; 110 enus.; 200 fórmulas; 2 fo-
tos; 14 ilus.; 1 microbiografia; 2 pontoações; 1 técnica; 4.672 temas; 53 variáveis; 1 verbete enciclopédico; 16 websites;
glos. 12.576 termos (megapensenes trivocabulares); 9 refs.; 1 anexo; 27,5 x 21 cm; enc.; Associação Internacional Edita-
res;
Foz do Iguaçu, PR; 2009; página 161.

R. R. S.