Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


AUTOSSUFICIÊNCIA DECISÓRIA

(DECIDOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
A autossuficiência decisória é a característica, estado ou condição da cons-
cin, homem ou mulher, de saber administrar a própria existência por meio de autodeliberações
cosmoéticas, após haver superado quaisquer resquícios decidofóbicos, resultando em autexempla-
rismo.
Tematologia.
Tema central homeostático.
Etimologia.
O elemento de composição auto vem do idioma Grego, autós, “eu mesmo;
por si próprio”. O vocábulo suficiência deriva do idioma Latim, sufficientia, “o que basta ou
é suficiente; que serve; suficiência”. Surgiu no Século XV. O termo decisão procede do idioma
Francês, décision, “ação de decidir; resultado dessa ação”, e esta do idioma Latim, decisio, “de-
crescimento, diminuição; transação; acomodação; ação de resolver a questão debatida”, derivada
de decidere, “cair; perecer; morrer; decair; afastar-se; sucumbir; sair de”. Apareceu no Sécu-
lo XVI.
Sinonimologia:
1. Autossustentabilidade decisora. 2. Autocentramento decisor. 3. Au-
tossegurança decisória.
Antonimologia:
1. Autoinssuficiência decisiva. 2. Insustentabilidade decisora. 3. Defi-
ciência decisória. 4. Fracasso decisório antievolutivo.
Estrangeirismologia:
o strong profile nas realizações; o continuum proexológico; a per-
sistência decisiva step by step.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à preponderância da objetividade decisória.
Megapensenologia.
Eis 4 megapensenes trivocabulares relativos ao tema: - Decisão ge-
ra libertação
. Viver é decidir. Evitemos decisões apressadas. Pensemos para decidir.
Ortopensatologia.
Eis, citadas na ordem alfabética, duas ortopensatas pertinentes ao
tema:
1. “Autossuficiência. A autoconfiança e a autossuficiência tendem, paradoxalmente,
a eliminar toda vaidade”.
2. “Autossuficienciologia. Temos de ter confiança no pulso ou convicção quanto ao
próprio taco
na âmbito da autossuficiência evolutiva”.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal da autoconfiança; o holopensene pessoal da toma-
da de decisão; o holopensene pessoal da Lucidologia; o holopensene pessoal do elenco das reali-
zações; o holopensene positivo das decisões em prol do pé-de-meia pessoal; a autopensenização
decidida; a pensenidade focada na autonomia decisória.

Fatologia:
a autossuficiência decisória; a autossuperação da indecisão constante; o au-
tesforço impulsionado pela vontade forte; a evitação da zona de conforto antievolutiva; a obten-
ção de conhecimentos; o autoburilamento consciencial; a eliminação dos grandes travões decisó-
rios; o início do autenfrentamento decisório; a vitória quanto aos obstáculos estagnadores;
o acréscimo da força íntima; a assunção da responsabilidade pelas autodeliberações; o esforço
pessoal enquanto meio para o cumprimento das metas; a desmistificação de determinadas dificul-
dades; o ato de abrir mão de algo inútil; a solução de problemas decisivos a partir da análise do
cenário mais crítico da situação; o autesforço favorecendo mudanças intraconscienciais; a predis-
posição à evolução; o crescimento da capacidade decisória; as crises de crescimento; o enfrenta-
mento da autoconscienciometria; o uso da racionalidade na análise das casuísticas pessoais;
a qualificação das automanifestações; a transformação de autofrustrações em desafios evolutivos;

a aquisição de novos trafores; os desafios enquanto realidades decidofílicas; as ações proativas;
a evitação de más decisões agravadoras de interprisão grupocármica; a ampliação do fôlego
interassistencial; a responsabilidade decisória; a decisão de aproveitar o tempo; as miniconquistas
gerando macroconquistas; a autoconflituosidade gerando inseguranças; a superação das amarras
antidecisoras; os momentos críticos decisivos; o bagulhismo energético dificultando o discerni-
mento nas decisões; a autonomia consciencial decisória; a capacidade de se autogovernar; a rele-
vância da autossuficiência; a vontade javalínica; a valorização dos autopotenciais; a eliminação
das dependências decisórias; a capacidade autodecisória; o continuísmo com persistência no acer-
to; o aumento do livre arbítrio pessoal; o desempenho máximo na autocentragem decisiva; a de-
cisão de cuidar de si e do grupocarma; a qualificação do saldo da Ficha Evolutiva Pessoal (FEP).

Parafatologia:
a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; as realizações in-
terassistenciais implicando euforex; a sinalética energética e parapsíquica pessoal fortalecendo
a autossuficiência decisória.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo homeostático ortodecisão-proéxis; o sinergismo autoco-
nhecimento-interassistência;
o sinergismo vontade-otimismo.
Principiologia:
o princípio evolutivo da acuidade nas autopriorizações; o princípio do
continuísmo existencial;
o princípio da quantidade com qualidade; o princípio da imperturbabili-
dade aplicada às autodecisões;
o princípio filosófico antigo de ter coragem para mudar o mutá-
vel, paciência para aceitar o imutável e sabedoria para diferenciar as duas condições;
os princí-
pios evolutivos magnos;
o princípio das decisões proexológicas.
Codigologia:
o código pessoal de Cosmoética (CPC) qualificando as decisões proexoló-
gicas; o respeito ao código grupal de Cosmoética (CGC); o código de exemplarismo pessoal
(CEP).
Teoriologia:
a teoria da proéxis; a teoria da decidibilidade computacional; a teoria da
mitridatização proexogênica;
a teoria da reurbex.
Tecnologia:
a potencialização máxima na fase executiva da técnica da recéxis; a técnica
do TGV evolutivo;
a técnica da tentativa, do erro e do acerto; a técnica da análise das autodeci-
sões;
a técnica da decidibilidade de conflitos; a técnica do sprint proexológico; a técnica da
exaustividade;
a técnica do vínculo consciencial.
Voluntariologia:
o voluntariado conscienciológico da tares.
Laboratoriologia:
o laboratório conscienciológico do estado vibracional; o laboratório
conscienciológico da Autoproexologia
.
Colegiologia:
o Colégio Invisível dos Proexólogos; o Colégio Invisível dos Intermissi-
vistas
.
Efeitologia:
o efeito de sair de cima do muro; o efeito da precocidade intelectual na lon-
gevidade lúcida;
o efeito cumulativo das autodecisões sadias resultando em autoconfiança; a de-
cisão errônea produzindo o efeito lastimável da análise equivocada; o efeito da ortodecisão na
ampliação dos horizontes;
o efeito da harmonia diária; o efeito das decisões acertadas.
Neossinapsologia:
as neossinapses conscienciológicas propiciando novas formas de vi-
ver e experienciar as cláusulas da proéxis; as neossinapses advindas do enfrentamento lúcido nas
autodecisões marcantes; as neossinapses oriundas dos cons magnos recuperados.
Ciclologia:
o ciclo ressoma-dessoma-intermissão; o ciclo da vida humana; o ciclo etá-
rio humano;
o ciclo fase preparatória-fase executiva-fase acabativa da proéxis; o ciclo multie-
xistencial pessoal
(CMP) da atividade; o ciclo da produtividade máxima; o ciclo jejunice-vetera-
nice;
o ciclo decisão-ação.
Enumerologia:
a origem da autossuficiência decisória; a descoberta da autossuficiência
decisória;
a assunção da autossuficiência decisória; o desenvolvimento da autossuficiência deci-
sória;
o cultivo da autossuficiência decisória; o fortalecimento da autossuficiência decisória;
a sustentação da autossuficiência decisória.

Binomiologia:
o binômio decisão-assertividade; o binômio homeostático ótima decisão-
euforin;
o binômio segundos de loucura (interprisão)-séculos de reparação (recomposição);
o binômio decisão-motivação; o binômio ortodecisão-harmonia.
Interaciologia:
a interação reflexão-intenção-escolha; a interação autocrítica racional-
-priorizações coerentes;
a interação câmara de reflexão-dinâmica operativa; as vivências com-
partilhadas nas interações intergeracionais.
Crescendologia:
o crescendo vontade débil-volição vigorosa; o crescendo autodecidibi-
lidade emociogênica-autodecidibilidade racional;
o concatenamento do crescendo proéxis-com-
pléxis-maximoréxis
no êxito meritório das decisões irrepreensíveis; o crescendo autogoverno-he-
terogoverno;
o crescendo decisão-ação; o crescendo iniciativa-continuidade-conclusão.
Trinomiologia:
o trinômio da decisão aqui-agora-já; o trinômio intenção-ação-resulta-
do;
a autossustentação proexológica com base no trinômio autopotencialidades-autoconfiança-
-autorganização;
o trinômio segurança-ponderação-tranquilidade; o trinômio plano-processo-
-produto;
o trinômio autoconceito-autoimagem-autestima; o trinômio decisão-posicionamento-
-mudança;
o trinômio destemor-firmeza-ousadia; o trinômio idealização-autorreflexão-decisão;
o trinômio decidofóbico autodisplicência-autovacilação-autoindecisão.
Polinomiologia:
o polinômio vontade vigorosa-intenção sadia-ação corajosa-decisão
proexológica criteriosa;
o polinômio medir-categorizar-comparar-ponderar-decidir; o polinômio
clareza-objetividade-realismo-autodecidibilidade;
o polinômio autevolutivo transições-crises-
-gargalos-neopatamares.

Antagonismologia:
o antagonismo evolução / regressão; o antagonismo incorruptibili-
dade / corruptibilidade;
o antagonismo amparabilidade / assedialidade; o antagonismo mente
escravizada / mente protagonista próprio destino;
o antagonismo conduta dispersiva / conduta
confluente;
o antagonismo murismo / posicionamento.
Paradoxologia:
o paradoxo de a omissão superavitária poder ser a melhor decisão no
contexto;
o paradoxo de a conscin manter-se otimista apesar da entropia.
Politicologia:
a decidocracia; a proexocracia; a argumentocracia; a meritocracia; a de-
mocracia; a lucidocracia; a cosmoeticocracia.
Legislogia:
as leis da Fisiologia Humana; a lei do maior esforço aplicada às escolhas
assertivas e prioritárias.
Filiologia:
a neofilia; a harmoniofilia; a decidofilia; a raciocinofilia; a proexofilia; a evo-
luciofilia; a voliciofilia.
Fobiologia:
a superação da decidofobia.
Sindromologia:
a evitação da síndrome da mediocrização; o combate à síndrome da
Maria vai com as outras;
a profilaxia da síndrome da borboleta; a superação da síndrome da in-
segurança;
a remissão da síndrome da dispersão consciencial; a anulação da síndrome do desper-
dício de oportunidades e companhias evolutivas
.
Maniologia:
a abolição da mania de postergar; a evitação da abulomania; o descarte da
mania de fazer média.
Mitologia:
a superação do mito sobre a vantagem da indecisão demagógica (murismo);
a eliminação do mito de a liberdade consciencial corresponder a deixar-se levar pela vida.
Holotecologia:
a definoteca; a decidoteca; a convivioteca; a proexoteca; a evolucioteca;
a experimentoteca; a recexoteca; a invexoteca.
Interdisciplinologia:
a Decidologia; a Intencionologia; a Voliciologia; a Evoluciologia;
a Intrafisicologia; a Proexologia; a Grupocarmologia; a Priorologia; a Intrafisicologia; a Auto-
determinologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a conscin lúcida; a isca humana autoconsciente; o ser desperto; o ser inte-
rassistencial; a conscin enciclopedista.

Masculinologia:
o acoplamentista; o agente retrocognitor; o amparador intrafísico;
o atacadista consciencial; o autodecisor; o intermissivista; o cognopolita; o compassageiro evolu-
tivo; o completista; o comunicólogo; o conscienciólogo; o conscienciômetra; o conscienciotera-
peuta; o macrossômata; o conviviólogo; o duplista; o duplólogo; o proexista; o proexólogo;
o reeducador; o epicon lúcido; o escritor; o evoluciente; o exemplarista; o intelectual; o reciclante
existencial; o inversor existencial; o maxidissidente ideológico; o tenepessista; o ofiexista; o pa-
rapercepciologista; o pesquisador; o projetor consciente; o sistemata; o tertuliano; o verbetólogo;
o voluntário; o tocador de obra; o homem de ação.

Femininologia:
a acoplamentista; a agente retrocognitora; a amparadora intrafísica;
a atacadista consciencial; a autodecisora; a intermissivista; a cognopolita; a compassageira evolu-
tiva; a completista; a comunicóloga; a consciencióloga; a conscienciômetra; a conscienciotera-
peuta; a macrossômata; a convivióloga; a duplista; a duplóloga; a proexista; a proexóloga; a ree-
ducadora; a epicon lúcida; a escritora; a evoluciente; a exemplarista; a intelectual; a reciclante
existencial; a inversora existencial; a maxidissidente ideológica; a tenepessista; a ofiexista; a pa-
rapercepciologista; a pesquisadora; a projetora consciente; a sistemata; a tertuliana; a verbetóloga;
a voluntária; a tocadora de obra; a mulher de ação.

Hominologia:
o Homo sapiens autorrevertor; o Homo sapiens decisor; o Homo sapiens
autolucidus;
o Homo sapiens proexologus; o Homo sapiens determinator; o Homo sapiens deci-
sophilicus;
o Homo sapiens exemplaris.

V. Argumentologia

Exemplologia:
autossuficiência decisória inicial = a relativa às ações proativas durante
a fase de preparação da proéxis; autossuficiência decisória avançada = a relativa às ações de des-
tino durante a fase consecutiva da proéxis, rumo ao compléxis.

Culturologia:
a cultura da volição; a cultura do continuísmo; a cultura da autodeter-
minação;
a cultura da Proexologia; a cultura do autexemplarismo; a cultura da automotivação.

Caracterologia.
Sob a ótica da Experimentologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética,
15 posturas relacionadas à autossuficiência decisória, com o objetivo de ampliar a compreensão
sobre o assunto:
01. Arbítrio: estar convicto da proatividade e assumir novas responsabilidades, ampli-
ando o livre arbítrio pessoal.
02. Autesforço: superar os travões trafaristas ao colocar o dedo na própria ferida, por
meio dos autesforços na predisposição evolutiva.
03. Autevolução: assumir a responsabilidade, em primeira instância, pela autevolução
(egocarma), estendê-la no atendimento aos demais componentes da família (grupocarma) e por
último, às consciências mais distantes (policarmalidade).
04. Autocentragem: manter-se atento à autocentragem, a fim de evitar sucumbir ao po-
rão consciencial.
05. Autoconscienciometria: autavaliar-se por intermédio do livro Conscienciograma,
primeiro pelo autodidatismo, depois, pelos cursos oferecidos pela Associação Internacional de
Conscienciometria Interassistencial
(CONSCIUS).
06. Autonomia: autogovernar-se, liberando-se das amarras familiares e profissionais.
07. Autopotenciais: usar os autopotenciais voliciolínicos, preferindo a condição de in-
terdependência lúcida.
08. Continuidade: sustentar a consecução da proéxis, sem hesitações, apesar dos desa-
fios e imprevistos.
09. Crescimento: enfrentar as crises de crescimento, eliminando as zonas de conforto
antievolutivas.

10. Desafio: transformar as autofrustrações em desafios evolutivos, modificando tais in-
cômodos em ações proativas e positivas.
11. Emancipação: sair da localidade de nascimento em tenra idade, para estudar e tra-
balhar.
12. Homeostasia: procurar vencer as próprias mazelas, através da homeostase conscien-
cial, rumo às superações necessárias em prol do alcance da megameta evolutiva.
13. Racionalidade: aplicar a racionalidade lógica na análise das casuísticas pessoais,
visando à qualificação das próprias manifestações, sem paliativos.
14. Valorização: reconhecer e valorizar as miniconquistas diárias, manter o conti-
nuísmo e persistir no objetivo de atingir o compléxis.
15. Voliciofilia: priorizar os esforços impulsionadores da evolução pela própria vontade
na ampliação da qualidade do saldo da Ficha Evolutiva Pessoal.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com a autossuficiência decisória, indicados para a expansão
das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Alavancagem da proéxis: Proexologia; Homeostático.
02. Anorexia decisória: Decidologia; Nosográfico.
03. Autexemplificação: Cosmoeticologia; Neutro.
04. Autodecidibilidade: Decidologia; Neutro.
05. Autodecisão crítica: Autodecidologia; Neutro.
06. Autodecisor: Evoluciologia; Homeostático.
07. Autodeterminação: Autodeterminologia; Neutro.
08. Autodisposição: Experimentologia; Neutro.
09. Autonomia: Autonomologia; Neutro.
10. Autossuficiência evolutiva: Evoluciologia; Homeostático.
11. Decidofobia: Parapatologia; Nosográfico.
12. Desafio da proéxis: Proexologia; Homeostático.
13. Maxiproéxis: Maxiproexologia; Homeostático.
14. Murismo: Murismologia; Nosográfico.
15. Procrastinação danosa: Autorganizaciologia; Nosográfico.

A
AUTOSSUFICIÊNCIA DECISÓRIA, RESULTADO DA APLI-
CAÇÃO DA VONTADE DA CONSCIN LÚCIDA, EXPLICITA
AUTOSSUPERAÇÕES DECIDOFÓBICAS, PREDISPONDO
AO
EXEMPLARISMO TEÁTICO DO INTERMISSIVISTA.


Questionologia.
Você, leitor ou leitora, já experimentou vivenciar as autodecisões sem
claudicância ou titubeio no dia a dia? Quais os resultados obtidos?

Bibliografia Específica:

1. Vicenzi, Luciano; Coragem para Evoluir; pref. Málu Balona; revisora Tatiana Lopes; 188 p.; 8 caps.; 18
E-mails;
1 entrevista; 51 enus.; 1 foto; 2 ilus.; 1 microbiografia; 2 tabs.; 16 websites; glos. 37 termos; 50 refs.; alf.; 21
x 14 cm; br.; 3ª Ed.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2011; páginas 77 e 149.
2. Vieira, Waldo; Léxico de Ortopensatas; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 2 Vols.; 1.800
p.; Vols 1 e 2; 1 blog; 652 conceitos analógicos; 22 E-mails; 19 enus.; 1 esquema da evolução consciencial; 17 fotos; glos.
6.476 termos; 1.811 megapensenes trivocabulares; 1 microbiografia; 20.800 ortopensatas; 2 tabs.; 120 técnicas lexicográ-
ficas; 19 websites; 28,5 x 22 x 10 cm; enc.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu. PR; 2014; página 251.

3. Idem; Manual dos Megapensenes Trivocabulares; revisores Adriana Lopes; Antonio Pitaguari & Lourdes
Pinheiro; 378 p.; 3 seções; 49 citações; 85 elementos linguísticos; 18 E-mails; 110 enus.; 200 fórmulas; 2 fotos; 14 ilus.;
1 microbiografia; 2 pontuações; 1 técnica; 4.672 termos; 53 variáveis; 1 verbete enciclopédico; 16 websites; glos. 12.576
megapensenes trivocabulares; 1 anexo; 29 ref.; 27,5 x 21; enc.; Associação Internacional Editares; Cognópolis; Foz do
Iguaçu. PR; 2009; páginas 120 e 157.
4. Idem; 700 Experimentos da Conscienciologia; 1.058 p.; 40 seções; 100 subseções; 700 caps.; 147 abrevs.;
1 cronologia; 100 datas; 1 E-mail; 600 enus.; 272 estrangeirismos; 2 tabs.; 300 testes; glos. 280 termos; 5.116 refs.; alf.;
geo.; ono.; 28,5 x 21,5 x 7 cm; enc.; Instituto Internacional de Projeciologia; Rio de Janeiro, RJ; 1994; páginas 471, 505
e 737.

A. F.