Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


AUTEXPOSIÇÃO CONSCIENCIOGRÁFICA

(AUTENFRENTAMENTOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
A autexposição conscienciográfica é o ato ou efeito de a conscin, homem
ou mulher, evidenciar a intraconsciencialidade multidimensionalmente a partir da escrita funda-
mentada no paradigma consciencial tarístico.
Tematologia.
Tema central neutro.
Etimologia.
O primeiro elemento de composição auto procede do idioma Grego, autós,
“eu mesmo; por si próprio”. A palavra exposição provém do idioma Latim, expositio, “exposição;
exposto; alegação; narração; proposição maior de algum silogismo; explicação; esclarecimento;
declaração”. Apareceu no Século XIV. O vocábulo consciência provém igualmente do idioma
Latim, conscientia, “conhecimento de alguma coisa comum a muitas pessoas; conhecimento;
consciência; senso íntimo”, e este do verbo conscire, “ter conhecimento de”. Surgiu no Século
XIII. O segundo elemento de composição grafia provém do idioma Grego, graphé, “escrita; es-
crito; convenção; documento; descrição”.
Sinonimologia:
1. Autexposição grafotarística. 2. Autexplicitação na escrita conscien-
ciológica. 3. Autexemplificação grafopensênica. 4. Autodesnudamento autoral. 5. Transparência
conscienciográfica. 6. Autexposição na redação conscienciológica. 7. Autexemplificação na es-
crita tarística.
Neologia.
As 4 expressões compostas autexposição conscienciográfica, autexposição
conscienciográfica elementar, autexposição conscienciográfica intermediária
e autexposição cons-
cienciográfica avançada
são neologismos técnicos da Autenfrentamentologia.
Antonimologia:
1. Inibição autoconscienciográfica. 2. Autescondimento consciencio-
gráfico. 3. Pusilanimidade autoral autexpositiva. 4. Anonimato autoral. 5. Autoprivacidade
conscienciográfica. 6. Engavetamento das autogescons.
Estrangeirismologia:
a glasnost intraconsciencial pela grafotares; o striptease conscien-
cial autoral; a opção pelo front tarístico cosmoético verponológico; a distribuição do know-how
intelectivo; o Verponarium; o Argumentarium.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à autexposição grafopensênica tarística.
Ortopensatologia:
- “Marasmologia. Há quem se iniba, deixe de escrever e retarde
a redação do próprio livro porque não deseja se expor, devido ao fato de a personalidade da cons-
cin autora tornar-se explicitada nas entrelinhas e na estilística pessoal. No fundo, tal atitude em
geral é movida por orgulho”.

II. Fatuística


Pensenologia:
o holopensene pessoal da Conscienciografologia; o holopensene pessoal
do autenfrentamento conscienciográfico; o holopensene da desdramatização da escrita conscien-
ciológica; os grafopensenes; a grafopensenidade; os taristicopensenes; a taristicopensenidade; os
didactopensenes; a didactopensenidade; os rastropensenes; a rastropensenidade; os assistencio-
pensenes; a assistenciopensenidade; os proexopensenes; a proexopensenidade; os cosmoeticopen-
senes; a cosmoeticopensenidade; a exposição gráfica da autopensenização; os textos publicados
enquanto retrato fiel da pensenidade da conscin; a marca grafopensênica em obra tarística; a cone-
xão explícita ao holopensene conscienciológico; a dificuldade para expor, em palavras, a própria
pensenidade, indicando a necessidade premente de superação para dinamizar a Autevoluciologia;
a desrepressão grafopensênica; a conquista da autopensenização liberta através das autopubli-
cações.

Fatologia:
a autexposição conscienciográfica; a exposição lúcida, interassistencial e cos-
moética do autor; a autodileção grafopensênica manifesta; os propósitos evolutivos demarcados
a partir da autexposição conscienciográfica; o antiperdularismo e o antiegoísmo quanto à riqueza
intelectual e cognoscitiva pessoal; o compartilhamento generoso dos achados pesquisísticos; o re-
gistro do teto máximo de lucidez existencial, tendo em vista a Autorrevezamentologia e a Interas-
sistenciologia Multiexistencial; as recins necessárias à autexplicitação grafotarística cosmoética;
a desdramatização da autexposição nas autogescons; a autossuperação da arrogância do saber;
a supressão da autoinsegurança intelectual; o descarte do perfeccionismo atravancador; a evitação
da omissão deficitária pela sonegação de informação esclarecedora; as autoignorâncias explicita-
das nos equívocos, imaturidades e apologias anticosmoéticas da conscin autora na obra escrita;
a verbetografia enquanto estratégia tarística de desinibição intelectual; a conquista da autoconfi-
ança pelo autenfrentamento expositivo gradual; o despojamento para heterrevisões consciencio-
gráficas; o autesforço para conquistar a eficácia grafotarística expositiva; o ato de a conscin sair
da condição de mera detentora para a condição de produtora do conhecimento útil; o imperativo
evolutivo da partilha dos saberes e autexperiências sedimentadas; o compromisso evolutivo do in-
termissivista com a fixação grafotarística da Conscienciologia na Terra; os veículos de comunica-
ção conscienciológica oferecendo oportunidade de publicação das verdades relativas de ponta
(verpons); a prole verbetográfica pessoal; o acervo bibliográfico autoral pessoal; o nicho autopes-
quisístico; a medida da extensão do conhecimento da conscin quanto à inteligência evolutiva (IE)
exposta no conjunto de publicações pessoais; o delineamento da identidade interassistencial cons-
cienciográfica; o ato de o intermissivista lúcido conjugar o abertismo para a captação neoideativa
à transformação em obras de assistência fraterna; o fato de todo texto ter sempre como conse-
quência final a responsabilidade intelectual, mentalsomática, do redator ou redatora; a ideologia
pessoal desvelada nos textos pessoais (ideias defendidas); o posicionamento autoral neoparadig-
mático; o autenfretamento neoverpônico ascendente; a conscienciografia encurtando o caminho
para a policarmalidade; o alcance ignorado das ideias veiculadas a partir das publicações pesso-
ais; o livro enquanto itinerante natural, comunicador das ideias do autor; a conscienciografa auto
e heterolibertadora; as retratações esclarecedoras multidimensionais autorais.

Parafatologia:
a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; as oportunidades
conscienciográficas de neoposicionamentos multidimensionais; o inescondimento multidimensio-
nal; a autoconsciência de as inspirações extrafísicas surgirem para a conscin capaz de expandi-las
e compartilhá-las; a doação continuada do patrimônio paracerebral por meio das publicações pes-
soais; a necessidade de distribuição da paracognição intermissiva; o equilíbrio pessoal diante da
pressão extrafísica inerente ao trabalho grafotarístico.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo vontade vigorosa-determinação cosmoética-destemor
autexpositivo;
o sinergismo autenticidade intelectual-autoconfiança autoral; o sinergismo autex-
posição-heterocrítica;
o sinergismo exemplarismo-relatos esclarecedores; o sinergismo autopen-
senes evolutivos-grafopensenes interassistenciais;
o sinergismo autocognição útil-autodisponi-
bilidade interassistencial;
o sinergismo escrita-responsabilidade evolutiva-fidelidade intermis-
siva
.
Principiologia:
o princípio da explicitação autopensênica; o princípio do exemplarismo
pessoal
(PEP); o princípio do posicionamento pessoal (PPP); o princípio de o menos doente aju-
dar o mais doente;
o princípio “quem aprende deve ensinar”; o princípio da restauração evoluti-
va;
o princípio do autodiscernimento cosmoético.
Codigologia:
o código pessoal de generosidade aplicado à interassistencialidade grafo-
tarística; o código pessoal de Cosmoética (CPC) qualificando o conteúdo interassistencial das
próprias obras.
Teoriologia:
a teoria das cláusulas pétreas da proéxis; a teoria da grafoassistência;
a teática conscienciográfica; as teorias conscienciológicas vivenciadas e exemplificadas.

Tecnologia:
a técnica do autodidatismo exemplificador; as técnicas de autodesassédio
autoral;
a técnica da autexposição gradual programada; a técnica de considerar empréstimos as
achegas intelectivas recebidas;
as técnicas fraternas de evitação do elitismo cultural no universo
da Conscienciologia;
as neotecnologias fornecendo instrumentos ágeis e eficazes de explicitação
informativa;
a técnica do esclarecimento atacadista; a técnica da autoconscienciometria consci-
enciográfica;
a técnica do autorrevezamento multiexistencial.
Voluntariologia:
a autexposição consciente do voluntário-autor de Conscienciologia.
Laboratoriologia:
a exposição cosmoética do próprio labcon; o laboratório conscien-
ciológico da Autopensenologia;
o laboratório conscienciológico da Conscienciografologia; o la-
boratório conscienciológico da Autocosmoeticologia;
o laboratório conscienciológico da Auto-
mentalsomatologia;
o laboratório conscienciológico da Autoproexologia; o laboratório consci-
enciológico da Autevoluciologia
.
Colegiologia:
o Colégio Invisível dos Autores da Conscienciologia; o Colégio Invisível
da Conscienciografologia;
o Colégio Invisível da Interassistenciologia; o Colégio Invisível da
Megafraternologia;
o Colégio Invisível da Comunicologia; o Colégio Invisível da Intermissiolo-
gia;
o Colégio Invisível da Experimentologia.
Efeitologia:
o efeito da organização interna das ideias na clareza comunicativa; o efeito
da ressonância tarística policármica a partir da heurística pessoal;
os efeitos decisivos da inten-
cionalidade do autor na qualidade da obra;
o efeito da conscienciografia na ampliação da auto-
consciencialidade;
os efeitos do autocomprometimento intermissivo; os efeitos dos rastros inte-
lectuais sadios;
o efeito halo da teática interassistencial grafopensênica.
Neossinapsologia:
as neossinapses autorais e a recuperação de cons magnos advindas
do autempenho conscienciográfico
.
Ciclologia:
o ciclo da maternagem ideativa; o ciclo ideação imaginativa-realização cri-
ativa;
o ciclo pesquisar-escrever-publicar; o ciclo autexposição-autorreflexão-neoexposição;
o ciclo autor tarístico hoje-amparador de função amanhã; o ciclo de desafios autevolutivos pro-
gressivos, inevitáveis e intransferíveis;
a qualificação do ciclo multiexistencial pessoal (CMP) da
atividade
a partir das vivências teáticas da autexposição conscienciográfica.
Binomiologia:
o binômio recin-grafotares; o binômio desassédio mentalsomático-tares
gesconológica;
o binômio autocognição teática-tares eficaz; o binômio clarificação de construc-
tos-obra elucidante;
o binômio oferecimento de labcons-casuísticas assistenciológicas; o binô-
mio iniciativa pessoal-receptividade grupal;
o binômio sementeira intrafísica hoje-colheita in-
termissiva amanhã
.
Interaciologia:
a interação aquisição intelectual-produção intelectual; a interação re-
cuperação de cons-compartilhamento de cons;
a interação autoconfiança intelectual-doação
mentalsomática;
a exposição da filosofia pessoal na interação tertúlias conscienciológicas-
autocobaiagem;
a interação dos temas de verbetes indicando a expertise do autor.
Crescendologia:
o crescendo torre de marfim da auterudição-debatódromo aberto da
autexperiência;
o crescendo insegurança intelectiva-autenfrentamento conscienciográfico-autes-
tima mentalsomática;
o crescendo intelectualidade teórica-intelectualidade teática; o crescendo
informação arquivada-informação partilhada;
o crescendo calculismo cosmoético-resultados
evolutivos indeléveis;
o crescendo curiosidade-interesse-pesquisa-experimentação-conhecimento-
explicitação;
o crescendo autexpositivo artigo-verbete-livro-megagescon.
Trinomiologia:
o trinômio Teaticologia-Conformaticologia-Verbaciologia; o trinômio
Lexicologia-Redaciologia-Esclarecimentologia;
o trinômio autexposição-autorrevelação-auto-
conscientização;
o trinômio descrença-experimentação-vivenciografia; o trinômio dicionários
cerebrais-articulação mental-experienciografia;
o trinômio descoberta-responsabilidade-exem-
plarismo;
o trinômio agente retrocognitor-formador de opinião-produtor de conhecimento.
Polinomiologia:
o polinômio do autoconhecimento interesse-autopesquisa-produtivida-
de-redação-publicação;
o polinômio clareza-objetividade-concisão-realismo; o polinômio escri-
tor conscienciólogo-amparador de função-autor de livro publicado-público-assistido
.
Antagonismologia:
o antagonismo humildade vaidosa / modéstia esclarecedora; o an-
tagonismo autopensenização produtiva / autopensenização perdulária;
o antagonismo escritor

engavetador / escritor publicador;
o antagonismo partilha do saber / sonegação do saber; o an-
tagonismo defesa da evolução / defesa da autoimagem;
o antagonismo varejismo consciencial
/ atacadismo consciencial;
o antagonismo autorresponsabilidade proexológica / terceirização
evolutiva
.
Paradoxologia:
o paradoxo de a omissão deficitária ser autoposicionamento explícito;
o paradoxo de o escritor conscienciólogo poder ser o maior assistido com os próprios livros pu-
blicados;
o paradoxo da explicitação inconsciente do traço pessoal do autor no confor da grafo-
pensenidade;
o paradoxo da subjetividade tornada objetiva; o paradoxo de a partilha do saber
amplificar exponencialmente o valor da própria cognição;
o paradoxo de a escrita restringir os
pensamentos a símbolos gráficos, mas libertá-los para a Humanidade;
o paradoxo de a megages-
con policármica ter cunho autobiográfico
.
Politicologia:
a cognocracia; a intelectocracia; a didaticocracia; a verponocracia; a polí-
tica pessoal da autexposição exemplarista.
Legislogia:
a lei de responsabilidade do mais lúcido; a lei da generalização da experi-
ência;
a lei do contágio evolutivo e do exemplarismo; a lei do maior esforço evolutivo na exposi-
ção das ideias libertárias.
Filiologia:
a autopesquisofilia; a experimentofilia; a teaticofilia; a interaciofilia; a comu-
nicofilia; a proexofilia; a interassistenciofilia; a evoluciofilia.
Fobiologia:
a fobia à autexposição; a heterocriticofobia; a cacorrafiofobia; a catagelo-
fobia
; a hipengiofobia; a alodoxafobia; a enosiofobia; a grafofobia.
Sindromologia:
a síndrome da autossubestimação manifesta pela conscin intelectual-
mente capaz, mas pusilânime em relação ao autorado tarístico; a evitação da síndrome do egão;
a terapêutica da síndrome do autodesperdício; a remissão da síndrome do perfeccionismo; a eli-
minação da síndrome dos bastidores; a superação da síndrome da inércia grafopensênica; a su-
pressão da síndrome do primeiro livro.
Maniologia:
a autassediomania impossibilitando a autexposição conscienciográfica salu-
tar; a evitação da megalomania.
Mitologia:
o mito egoísta de não ter nada a ensinar; o mito da autopesquisa concluída;
a mitoclastia inerente à autexposição conscienciográfica; a desconstrução dos mitos relacionados
à escrita conscienciológica.
Holotecologia:
a grafopensenoteca; a autexperimentoteca; a argumentoteca; a teatico-
teca
; a interassistencioteca; a intermissioteca; a evolucioteca.
Interdisciplinologia:
a Autenfrentamentologia; a Experimentologia; a Autopesquisolo-
gia; a Autocogniciologia; a Proexologia; a Taristicologia; a Autolucidologia; a Comunicologia;
a Cosmoeticologia; a Interassistenciologia; a Mentalsomatologia; a Holomemoriologia; a Pré-In-
termissiologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a conscin lúcida; a isca humana lúcida; o ser desperto; o ser interassisten-
cial; a conscin enciclopedista.

Masculinologia:
o autor-cobaia; o agente retrocognitor; o amparador intrafísico; o au-
texpositor; o intermissivista; o cognopolita; o compassageiro evolutivo; o completista; o comuni-
cólogo; o conviviólogo; o duplista; o proexista; o reeducador; o epicon lúcido; o escritor; o exem-
plarista; o intelectual; o reciclante existencial; o inversor existencial; o maxidissidente ideológico;
o tenepessista; o ofiexista; o parapercepciologista; o pesquisador; o projetor consciente; o siste-
mata; o tertuliano; o verbetólogo; o voluntário; o tocador de obra; o homem de ação.

Femininologia:
a autora-cobaia; a agente retrocognitora; a amparadora intrafísica; a au-
texpositora; a intermissivista; a cognopolita; a compassageira evolutiva; a completista; a comuni-
cóloga; a convivióloga; a duplista; a proexista; a reeducadora; a epicon lúcida; a escritora;
a exemplarista; a intelectual; a reciclante existencial; a inversora existencial; a maxidissidente

ideológica; a tenepessista; a ofiexista; a parapercepciologista; a pesquisadora; a projetora consci-
ente; a sistemata; a tertuliana; a verbetóloga; a voluntária; a tocadora de obra; a mulher de ação.

Hominologia:
o Homo sapiens autoperquisitor; o Homo sapiens intellectualis; o Homo
sapiens graphopensenicus;
o Homo sapiens auctor; o Homo sapiens expositor; o Homo sapiens
intermissivista;
o Homo sapiens proexologus; o Homo sapiens conscientiologus; o Homo sapiens
interassistens;
o Homo sapiens fraternus.

V. Argumentologia

Exemplologia:
autexposição conscienciográfica elementar = a autexemplificação da teá-
tica pessoal na aplicação de técnicas evolutivas a partir da publicação do primeiro artigo consci-
enciológico; autexposição conscienciográfica intermediária = a autexemplificação da teática pes-
soal nas autopesquisas evolutivas a partir da publicação e defesa do primeiro verbete consciencio-
lógico; autexposição conscienciográfica avançada = a autexemplificação da teática pessoal no
avanço evolutivo a partir da publicação da megagescon.

Culturologia:
a cultura da Conscienciografologia Lúcida; a cultura do autenfrentamen-
to evolutivo;
a cultura da interassistencialidade tarística cosmoética; a cultura do exemplarismo
esclarecedor;
a cultura do autorado interassistencial.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com a autexposição conscienciográfica, indicados para a ex-
pansão das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens inte-
ressados:
01. Autexemplificação: Cosmoeticologia; Neutro.
02. Autexposição a heterocríticas: Holomaturologia; Neutro.
03. Autexposição recicladora: Autorrecexologia; Homeostático.
04. Autoconscienciometria conscienciográfica: Autopesquisologia; Neutro.
05. Brilhareco intelectual: Mentalsomatologia; Nosográfico.
06. Conscienciografia libertadora: Conscienciografologia; Homeostático.
07. Conscin criticofóbica: Criticologia; Nosográfico.
08. Defesa do verbete: Mentalsomatologia; Homeostático.
09. Desnudez mentalsomática: Holomaturologia; Homeostático.
10. Dividendos da autexposição cosmoética: Autexemplarismologia; Homeostá-
tico.
11. Exemplarista evolutivo: Evoluciologia; Homeostático.
12. Neoposicionamento ideativo: Grafopensenologia; Homeostático.
13. Omniexposição: Conviviologia; Neutro.
14. Sinergismo verbetorado-autorado conscienciológico: Conscienciografologia; Ho-
meostático.
15. Tares expositiva: Interassistenciologia; Homeostático.

A
AUTEXPOSIÇÃO CONSCIENCIOGRÁFICA CHANCELA
O VÍNCULO CONSCIENCIAL, ASSUMIDO ANTES PELA
CONSCIN NO CURSO INTERMISSIVO (CI), RATIFICADO
E MATERIALIZADO NAS
AUTOPUBLICAÇÕES TARÍSTICAS.


Questionologia.
Você, leitor ou leitora, autexemplifica a própria teática consciencioló-
gica através da autexposição conscienciográfica? Quais os ganhos evolutivos daí advindos?

Bibliografia Específica:


1. Vieira, Waldo; Dicionário de Argumentos da Conscienciologia; revisores Equipe de Revisores do Holoci-
clo; 1.572 p.; 1 blog; 21 E-mails; 551 enus.; 1 esquema da evolução consciencial; 18 fotos; glos. 650 termos; 19 websites;
alf.; 28,5 x 21,5 x 7 cm; enc.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2014; páginas 214, 215, 338, 374,
376, 510, 541, 644, 885, 972 e 1.174.
2. Idem; Léxico de Ortopensatas; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 2 Vols.; 1.800 p.; Vols.
1 e 2; 1 blog; 652 conceitos analógicos; 22 E-mails; 19 enus.; 1 esquema da evolução consciencial; 17 fotos; glos.
6.476 termos; 1.811 megapensenes trivocabulares; 1 microbiografia; 20.800 ortopensatas; 2 tabs.; 120 técnicas lexi-
cográficas; 19 websites; 28,5 x 22 x 10 cm; enc.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2014; pági-
nas 407 e 1.018.

T. L. F.