Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


AUTEXPERIÊNCIA INDISPENSÁVEL

(AUTEXPERIENCIOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
A autexperiência indispensável é a vivência pessoal de fatos ou parafatos
capaz de estabelecer a convicção tranquila da conscin lúcida a respeito da realidade enfocada, eli-
minando a autoinsegurança, a entredúvida, a estranheza, a suspeição, a incerteza, o dilema e o im-
passe.
Tematologia.
Tema central neutro.
Etimologia.
O elemento de composição auto provém do idioma Grego, autós, “eu mes-
mo; por si próprio”. A palavra experiência vem do idioma Latim, experientia, “prova; ensaio; ten-
tativa; prática; destreza; habilidade; experiência”. Surgiu no Século XIV. O prefixo in deriva do
mesmo idioma Latim, in, “negação; privação”. O vocábulo dispensar procede também do idioma
Latim, dispensare, “repartir (dinheiro); administrar; regular; economizar; distribuir; dividir; go-
vernar”. Apareceu no mesmo Século XIV. O sufixo vel provém igualmente do idioma Latim, bi-
lis,
“passível de”, e mais raramente, “agente de”. O termo indispensável surgiu no Século XVII.
Sinonimologia:
1. Experiência pessoal indispensável. 2. Autovivência indispensável.
3. Vivência pessoal indispensável. 4. Autexperiência insubstituível. 5. Autexperiência inevi-
tável.
Cognatologia.
Eis, na ordem alfabética, 7 cognatos derivados do vocábulo experiência:
autexperiência; heterexperiência; experiencial; experienciar; experienciável; experiente; parex-
periência.

Neologia.
As duas expressões compostas autexperiência indispensável humana e autex-
periência indispensável parapsíquica
são neologismos técnicos da Autexperienciologia.
Antonimologia:
01. Heterexperiência indispensável. 02. Heterexperiência insubstituí-
vel. 03. Experiência alheia. 04. Autoinexperiência. 05. Achismo. 06. Apriorismose regressiva.
07. Autexperiência desnecessária. 08. Autovivência dispensável. 09. Vivência pessoal dispensá-
vel. 10. Autocredulidade.
Estrangeirismologia:
as performances pessoais, evolutivas, cosmoéticas; o upgrade das
autocomprovações; o diário pessoal de experiências registradas no laptop; o Autopesquisarium;
o experimenter effects; as experiências controvertíveis in anima vili; o curriculum vitae; o back-
ground
multiexistencial.
Atributologia:
predomínio das percepções extrassensoriais, notadamente do autodiscer-
nimento quanto à Autovivenciologia.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal da experimentação permanente; os evoluciopense-
nes; a evoluciopensenidade; os lucidopensenes; a lucidopensenidade; os cognopensenes; a cogno-
pensenidade; os grafopensenes; a grafopensenidade; os neopensenes; a neopensenidade; os orto-
pensenes; a ortopensenidade; os tecnopensenes; a tecnopensenidade; os paratecnopensenes; a pa-
ratecnopensenidade; o aperfeiçoamento autopensênico; a depuração do holopensene pessoal.

Fatologia:
a autexperiência indispensável; a experiência pessoal; a experiência direta;
a experiência lógica; o ato insubstituível de passar pela experiência; a disparidade das experiên-
cias; as experiências pessoais diversificadas; a análise das experiências; a congruência das expe-
riências; a qualidade das experiências pessoais; o valor das experiências pessoais; a aceitação dos
neoconstructos por meio das autexperiências; a demonstração da prova para e por si mesmo;
a ampliação da agenda ideológica; a pior ignorância crassa a respeito dos conhecimentos funda-
mentais da evolução pessoal; a calourice; a aplicação da exaustividade nas experiências pessoais;
as lições extraídas das experiências pessoais; a conexão das experiências; o veteranismo pessoal;

as experiências inatas; o intercâmbio das autexperiências; a experiência frutífera aplicada; a evita-
ção do rolo compressor das inutilidades onipresentes; as experiências contínuas; a reverificação
das experiências; a repetição das experiências; a acumulação consciente de experiências evoluti-
vas, pessoais, indispensáveis, positivas, autênticas, expostas e transparentes; a maturidade experi-
encial; os alicerces vivenciais exigidos pela vida humana; o palco de experiências humanas;
a cronologia das experiências pessoais.

Parafatologia:
as experiências pessoais multissensoriais; a autovivência do estado vibra-
cional (EV) profilático; a sinalética energética e parapsíquica pessoal; a experiência parapsíquica;
a experiência energossomática; a experiência projetiva lúcida; a experiência parafenomênica;
a agudização do autoparapsiquismo; a parexperiência assistida por amparador extrafísico de
função; a autoconscientização multidimensional (AM).

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo autovivência parafenomênica-autoconvicção além das
experiências alheias;
o sinergismo evolutivo teoria-prática-autodiscernimento-autovivência-au-
toconvicção;
o sinergismo descrenciológico fatos-parafatos-autexperiências; o sinergismo cogni-
ção-vivência
.
Principiologia:
a autovivência do princípio da descrença ou da convicção teática da
Descrenciologia; o princípio do posicionamento pessoal; o princípio da evolução interassis-
tencial
.
Codigologia:
a técnica do código pessoal de Cosmoética (CPC) revisto, ampliado conti-
nuamente e aplicado à Mentalsomatologia certificando as autoconvicções.
Teoriologia:
a teoria (1%) e a autexperiência (99%) da Teaticologia.
Tecnologia:
a técnica do inventário das autoconvicções; a técnica de reavaliação das
autoconvicções;
as técnicas do megaparadigma consciencial; a técnica da recin; a técnica da evi-
tação da apriorismose
.
Laboratoriologia:
os laboratórios experimentais; os laboratórios conscienciológicos da
Experimentologia;
o laboratório conscienciológico da Cosmoética.
Colegiologia:
o Colégio Invisível dos Conscienciometrologistas; o Colégio Invisível da
Experimentologia
.
Efeitologia:
os efeitos da crise de crescimento na reformulação das autoconvicções;
o efeito das verdades relativas de ponta (verpons); os efeitos intraconscienciais dos fatos persua-
sivos;
o efeito patológico da apriorismose sobre as autoconvicções; os efeitos autenganadores da
má interpretação das vivências pessoais;
o efeito da experiência frustrada; o efeito da experiên-
cia exitosa
.
Neossinapsologia:
a formação de neossinapses fundamentais à autevolução.
Ciclologia:
o ciclo da investigação independente; o ciclo experimentações-reverifica-
ções-refutações;
o ciclo vital das experiências humanas; a apreensão das realidades através do ci-
clo olhar-observar-analisar-interpretar-deduzir-concluir
.
Enumerologia:
a experiência consciente; a experiência específica; a experiência evolu-
tiva; a experiência crítica; a experiência profissional; a experiência inovadora; a experiência
acumulada.
Binomiologia:
o binômio observação-experiência; o binômio pesquisístico suposição-
-comprovação;
o binômio neoevidências-neoconvicções.
Interaciologia:
a interação experiência pessoal-tranquilidade íntima; a interação auto-
convicções chanceladas-autoridade vivencial
.
Crescendologia:
o crescendo hipótese de tentativa-autocomprovação pacífica; o cres-
cendo cosmovisiológico das autoconvicções na autevolução
.
Trinomiologia:
o trinômio experiência-racionalidade-acerto; o trinômio autoconstata-
ção-autocomprovação-autocorreção;
o trinômio autexperiência-autoproficiência-autocompetên-
cia;
o trinômio experiências intrafísicas-experiências projetivas-experiências intermissivas.

Polinomiologia:
o polinômio percepção-cognição-experimentação-convicção; o polinô-
mio fatuística-parafatuística-casuística-paracasuística
.
Antagonismologia:
o antagonismo autoconvicção por vivência / achismo; o antagonis-
mo mito / experiência;
o antagonismo predição / comprovação; o antagonismo autocomprovação
/ heterocomprovação;
o antagonismo descrença / crendice; o antagonismo convicções / dúvidas;
o antagonismo verpon / verdade absoluta; o antagonismo autoconvicção firmada / pusilanimi-
dade;
o antagonismo experiência prática / experiência teórica; o antagonismo pessoa experiente
/ pessoa jejuna;
o antagonismo veteranismo / amadorismo; o antagonismo experiência significa-
tiva / experiência insignificante;
o antagonismo autexperiência indispensável / automimeses dis-
pensáveis
.
Paradoxologia:
o paradoxo da vasta erudição teórica com lastimável inexperiência
prática do teoricão
.
Politicologia:
a tecnocracia; a cienciocracia; a lucidocracia; a conscienciocracia; a de-
mocracia; a evoluciocracia; a parapsicocracia (Cognópolis).
Legislogia:
a lei da generalização da experiência; a lei do maior esforço aplicada à ma-
nutenção da autocoerência; a lei da Fisiologia Humana; a lei de ação e reação; a lei da insepara-
bilidade grupocármica
.
Filiologia:
a experimentofilia; a evoluciofilia; a autocriticofilia; a neofilia.
Sindromologia:
as autexperiências dispensáveis na síndrome da dispersão consciencial.
Maniologia:
as autexperiências prescindíveis na condição da riscomania.
Mitologia:
o mito da certeza absoluta inabalável; a demolição dos mitos milenares por
meio da racionalidade cosmoética e autovivências teáticas independentes da opinião pública.
Holotecologia:
a experimentoteca; a recexoteca; a analiticoteca; a evolucioteca; a men-
talsomatoteca; a metodoteca; a intelectoteca.
Interdisciplinologia:
a Autexperienciologia; a Autovivenciologia; a Autodiscernimento-
logia; a Holomaturologia; a Autocogniciologia; a Evoluciologia; a Mentalsomatologia; a Autocri-
teriologia; a Autocoerenciologia; a Ortopensenologia; a Descrenciologia Prática; a Parapercepcio-
logia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a consciênçula; a consréu ressomada; a conscin baratrosférica; a conscin
eletronótica; a conscin lúcida; a isca humana inconsciente; a isca humana lúcida; o ser desperto;
o ser interassistencial; a conscin enciclopedista; a pessoa traquejada.

Masculinologia:
o acoplamentista; o agente retrocognitor; o amparador intrafísico;
o atacadista consciencial; o autodecisor; o intermissivista; o cognopolita; o compassageiro evolu-
tivo; o completista; o comunicólogo; o conscienciólogo; o conscienciômetra; o conscienciotera-
peuta; o macrossômata; o conviviólogo; o duplista; o duplólogo; o proexista; o proexólogo; o ree-
ducador; o epicon lúcido; o escritor; o evoluciente; o exemplarista; o intelectual; o reciclante exis-
tencial; o inversor existencial; o maxidissidente ideológico; o tenepessista; o ofiexista; o paraper-
cepciologista; o pesquisador; o pré-serenão vulgar; o projetor consciente; o sistemata; o tertulia-
no; o verbetólogo; o voluntário; o tocador de obra; o homem de ação.

Femininologia:
a acoplamentista; a agente retrocognitora; a amparadora intrafísica;
a atacadista consciencial; a autodecisora; a intermissivista; a cognopolita; a compassageira evolu-
tiva; a completista; a comunicóloga; a consciencióloga; a conscienciômetra; a conscienciotera-
peuta; a macrossômata; a convivióloga; a duplista; a duplóloga; a proexista; a proexóloga; a ree-
ducadora; a epicon lúcida; a escritora; a evoluciente; a exemplarista; a intelectual; a reciclante
existencial; a inversora existencial; a maxidissidente ideológica; a tenepessista; a ofiexista; a pa-
rapercepciologista; a pesquisadora; a pré-serenona vulgar; a projetora consciente; a sistemata;
a tertuliana; a verbetóloga; a voluntária; a tocadora de obra; a mulher de ação.

Hominologia:
o Homo sapiens experiens; o Homo sapiens convictor; o Homo sapiens
autoconvictor;
o Homo sapiens autoperquisitor; o Homo sapiens investigator; o Homo sapiens
refutator;
o Homo sapiens argumentator; o Homo sapiens cognitor; o Homo sapiens deter-
minator;
o Homo sapiens autocomprobator; o Homo sapiens convictus; o Homo sapiens epicen-
tricus
.

V. Argumentologia

Exemplologia:
autexperiência indispensável humana = a comunicabilidade tecnológica
pessoal no Terceiro Milênio; autexperiência indispensável parapsíquica = o emprego natural
e permanente do estado vibracional.

Culturologia:
a cultura da Autexperimentologia; a cultura da inteligência evolutiva
(IE).

Taxologia.
Sob a ótica da Autexperimentologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética,
65 categorias de experiências pessoais indispensáveis à conscin lúcida, a partir dos princípios
fundamentais da Conscienciologia:

01. Abertismo consciencial.
02. Acesso à Internet.
03. Acesso às Centrais Extrafísicas.
04. Acesso às retrocognições.
05. Acoplamento energético.
06. Apreensão das realidades.
07. Arco voltaico craniochacral.
08. Assimilação simpática (assim cosmoética).
09. Autesforços evolutivos.
10. Autexemplificação silenciosa.
11. Autobilocação extrafísica.
12. Autocosmoética vivida.
13. Autodesassedialidade.
14. Autodidatismo permanente.
15. Autodiscernimento.
16. Autolucidez.
17. Autoprogramação existencial (autoproéxis).
18. Autorado holocármico.
19. Autorreflexão.
20. Autorretrocognição da última intermissão.
21. Autorrevezamento multiexistencial.
22. Autossuperação de trafares.
23. Biblioteca pessoal.
24. Bom humor.
25. Ciclo assim-desassim.
26. Ciclo de primaveras energéticas (cipriene).
27. Círculo de amizades confiável.
28. Cobaiagem mútua evolutiva.
29. Código pessoal de Cosmoética.
30. Compléxis.
31. Comunicabilidade interconsciencial.
32. Condição da minipeça autoconsciente.
33. Cultivo da amizade raríssima.
34. Debate útil.
35. Desperticidade.

36. Dessoma.
37. Docência conscienciológica.
38. Duplismo evolutivo.
39. Educação formal superior.
40. Epicentrismo consciencial.
41. Escrita conscienciológica.
42. Estado vibracional.
43. EV tríplice.
43. Iniciativa pessoal.
45. Interações energéticas.
46. Interassistencialidade doadora.
47. Laptop pessoal.
48. Megacons pessoais.
49. Megaeuforização pessoal.
50. Megagestação consciencial.
51. Ofiexismo pessoal.
52. Pé-de-meia pessoal.
53. Primavera energética (primener).
54. Projetabilidade lúcida (PL).
55. Reeducação somática.
56. Repetições produtivas (técnica da circularidade).
57. Respiração correta.
58. Sexualidade sadia.
59. Sinalética parapsíquica.
60. Soltura holossomática.
61. Sono sadio.
62. Tares.
63. Tenepessismo.
64. Viagens técnicas.
65. Vivência do princípio da descrença.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com a autexperiência indispensável, indicados para a expansão
das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Autoconvicção vivenciada: Autocogniciologia; Neutro.
02. Autopesquisologia: Experimentologia; Homeostático.
03. Autossuficiência evolutiva: Evoluciologia; Homeostático.
04. Complemento da Descrenciologia: Autocogniciologia; Homeostático.
05. Confiança: Confianciologia; Homeostático.
06. Descrenciologia: Experimentologia; Homeostático.
07. Escolha evolutiva: Experimentologia; Homeostático.
08. Experiência compartilhada: Experimentologia; Neutro.
09. Ficha evolutiva pessoal: Autevoluciologia; Neutro.
10. Inteligência evolutiva: Autevoluciologia; Homeostático.
11. Interconfiança: Interconfianciologia; Homeostático.
12. Momento da megadecisão: Recexologia; Neutro.
13. Pesquisador independente: Experimentologia; Homeostático.
14. Princípio da descrença: Mentalsomatologia; Homeostático.
15. Realidade relevante: Intrafisicologia; Neutro.

AS
AUTEXPERIÊNCIAS INDISPENSÁVEIS SÃO EXIGÊN-
CIAS NATURAIS DA PRÓPRIA VIDA E DA AUTEVOLUÇÃO,
ATINGINDO A
TODAS AS CONSCIÊNCIAS, SEM EXCEÇÃO,
DESEJOSAS DE EVOLUIR SATISFATORIAMENTE, EM PAZ.


Questionologia.
Como encara você, leitor ou leitora, as exigências das autexperiências
indispensáveis? Você mantém o registro cronométrico das próprias experiências evolutivas?