Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


ACOLHIMENTO HOSPITALAR

(INTERASSISTENCIOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
O acolhimento hospitalar é a tarefa assistencial, realizada pela equipe de
saúde, de recepção cordial, apoio, proteção, sustentação, encorajamento e auxílio fraterno à cons-
cin hospitalizada, homem ou mulher, e respectivo grupo familiar presente no ambiente de inter-
nação.
Tematologia.
Tema central homeostático.
Etimologia.
A palavra acolhimento deriva do idioma Latim Vulgar, accolligere, consti-
tuído por ad, “em direção a; aproximação”, colligere, “colher; reunir; apanhar; juntar”. Apareceu
no Século XIII. O vocábulo hospitalar vem do idioma Latim, hospitale, “casa para hóspedes”.
Surgiu também no Século XIII.
Sinonimologia:
1. Acolhida hospitalar. 2. Recepção benévola hospitalar. 3. Admissão
amistosa hospitalar. 4. Abordagem amigável hospitalar. 5. Atendimento hospitalar humanizado.
Neologia.
As 3 expressões compostas acolhimento hospitalar básico, acolhimento hos-
pitalar técnico
e acolhimento hospitalar avançado são neologismos técnicos da Interassistencio-
logia.
Antonimologia:
1. Indiferença hospitalar. 2. Frieza no atendimento hospitalar. 3. Re-
cepção hospitalar robotizada. 4. Omissão de socorro hospitalar.
Estrangeirismologia:
o rapport no acolhimento; os insights durante o acolhimento.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, especificamente do autodiscerni-
mento quanto à interassistencialidade.
Megapensenologia.
Eis 3 megapensenes trivocabulares relativos ao tema: - Acolhimento
hospitalar revigora. Hospital: acolhimento providencial. Acolher é doar-se.

Coloquiologia:
- Muito ajuda quem não atrapalha. Rapadura é doce, mas não é mole.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal da interassistencialidade; o holopensene da inter-
compreensão; a construção conjunta do holopensene acolhedor do hospital; os ortopensenes; a or-
topensenidade; a busca do holopensene grupal da assistência sem retorno.

Fatologia:
o acolhimento hospitalar; o apoio ao enfermo no processo de hospitalização;
a autodisponibilidade assistencial no cuidado ao doente hospitalizado; a paciência infinita no
atendimento ao paciente; o bom humor terapêutico na abordagem ao doente; a cordialidade na
recepção da família de paciente hospitalizado; a solidariedade teática à família de paciente grave;
o estabelecimento da relação de confiança assistente-assistido promovendo adesão ao tratamento;
a explicitação do trafor do assistido refletindo na recuperação da saúde; a intenção benevolente
do assistente resultando em melhor adaptação do doente ao ambiente hospitalar; a informação es-
clarecedora gerando melhora no humor do paciente; a sutileza na percepção do prioritário ao
bem-estar geral do assistido; a oportunidade de ajudar; a assistência inegoica; a assistência sem
retorno; o autodiscernimento quanto ao tempo de acolher, orientar e encaminhar; a assistência
psicológica no pronto-socorro; a intervenção psicológica hospitalar; a atitude da empatia genuína
do psicólogo para com o paciente; a atitude do distanciamento crítico do psicólogo hospitalar;
a psicoterapia breve favorecendo a reabilitação mental e emocional do enfermo; a sensibilidade
do silêncio pacificador na escuta ao doente; a compaixão pelo sofrimento alheio; a relevância da
estruturação de ambiente físico acolhedor no hospital; a palestra sobre Visita Saudável realizada
pela equipe multidisciplinar da saúde; o clima organizacional do hospital; os apriorismos da equi-
pe hospitalar na recepção ao doente; a calosidade profissional gerando indiferença à dor do paci-
ente; o esclarecimento ao paciente amputado com queixa de dor fantasma; o processo da culpa

manifestado pela família de paciente crítico dificultando o acolhimento no hospital; o trabalho
multidisciplinar da equipe de saúde prevenindo o descontrole emocional de familiar diante de no-
tícias difíceis; a promoção das reconciliações familiares na pré-dessoma do enfermo; os cuidados
paliativos; a Comissão de Humanização; a Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Te-
cidos para Transplante (CIHDOTT); o exercício da interassistencialidade hospitalar.

Parafatologia:
a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; a assistência silen-
ciosa pelas energias conscienciais; o amparador extrafísico de função; a prática diária da tenepes
indicando caminhos assistenciais; o acoplamento áurico na assistência hospitalar; a paranamnese
no início do atendimento; a sinalética energética e parapsíquica indicando atendimento difícil imi-
nente; a sinalética energética e parapsíquica de amparo do assistido; a percepção da conscin, em
situação de coma, projetada durante assistência à família; a presença da consciex durante notícia
da própria dessoma à família; a assimilação e desassimilação simpática; a paravisita de consciex
parente do doente; a possibilidade da visita hospitalar após solicitação do doente projetado; o aco-
lhimento às consréus ressomadas na Terra (planeta-hospital); a participação da conscin na condi-
ção de minipeça do maximecanismo, multidimensional, interassistencial.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo acolhimento-respeito consciencial; o sinergismo bene-
volência-assistência;
o sinergismo paciência-persistência; o sinergismo autodesassédio-hetero-
desassédio;
o sinergismo tares-tacon; o sinergismo assim-desassim; o sinergismo lucidez-inter-
compreensão
.
Principiologia:
o princípio da compreensão interassistencial; o princípio do exempla-
rismo pessoal
(PEP); o princípio do menos doente assistir ao mais doente; o respeito ao princípio
do livre arbítrio do assistido;
o princípio cosmoético “aconteça o melhor para todos”; o princí-
pio da interassistencialidade a partir das ECs;
o princípio evolutivo da megafraternidade.
Codigologia:
os códigos de ética profissional; o código pessoal de Cosmoética (CPC);
o código grupal de Cosmoética (CGC).
Teoriologia:
a teoria da minipeça do maximecanismo multidimensional interassistencial
na evolução grupal;
a teoria da grupalidade; a teoria da inseparabilidade grupocármica; a teo-
ria da saúde consciencial;
as teorias da Psicologia Hospitalar; a teoria da reurbex; a teoria da
megafraternidade
.
Tecnologia:
as técnicas da Psicologia Hospitalar; as técnicas da Terapia Cognitivo-
-Comportamental;
a técnica de todo atendimento ser o melhor atendimento; as técnicas da me-
diação de conflito nas reconciliações doente-família;
a técnica do encapsulamento parassanitá-
rio;
a técnica do arco voltaico craniochacral; a técnica da assimilação simpática (assim); a téc-
nica da desassimilação simpática
(desassim); a técnica da Tenepes.
Voluntariologia:
o voluntariado interassistencial nas instituições hospitalares; o volun-
tariado dos doutores da alegria;
o voluntariado na Organização Internacional de Consciencio-
terapia
(OIC).
Colegiologia:
o Colégio Invisível da Interassistenciologia; o Colégio Invisível da Con-
viviologia; o Colégio Invisível da Parapercepciologia; o Colégio Invisível dos Profissionais da
Saúde;
o Colégio Invisível da Grupocarmologia; o Colégio Invisível da Dessomatologia; o Colé-
gio Invisível da Cosmoeticologia
.
Efeitologia:
o efeito da autodisponibilidade assistencial no atendimento hospitalar;
o efeito da excelência na execução do acolhimento às famílias dos pacientes; o efeito halo da re-
cepção assistencial ao paciente repercutindo em todo o atendimento;
o efeito da culpa na aceita-
ção do adoecimento;
o efeito do heteroperdão na pré-dessoma; o efeito do respeito à dor do pa-
ciente;
o efeito das energias acolhedoras no atendimento; o efeito da saúde emocional no acolhi-
mento hospitalar
.
Ciclologia:
o ciclo teaticológico do 1% da teoria aos 99% da prática.

Enumerologa:
o acolhimento hospitalar nos casos de vítimas de violência; o acolhimen-
to hospitalar
nos casos de risco de suicídio; o acolhimento hospitalar nos casos de risco de aten-
tado à vida; o acolhimento hospitalar nos casos de colaboradores em estresse; o acolhimento hos-
pitalar
nos casos de crianças visitando pacientes; o acolhimento hospitalar nos casos de impos-
sibilidade de o paciente manter contato verbal; o acolhimento hospitalar aos pacientes críticos na
Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e Centro de Terapia Intensiva (CTI).
Binomiologia:
o binômio gentileza-acolhimento; o binômio disponibilidade-assertivida-
de;
o binômio paciente-família; o binômio assistente-assistido; o binômio assim-desassim; o bi-
nômio independência-autonomia;
o binômio conduta padrão-conduta exceção.
Interaciologia:
a interação paciência-persistência; a interação boa intenção-bom sen-
so;
a interação iniciativa-acabativa; a interação autodesassédio-heterodesassédio; a interação
egocarma-grupocarma;
a interação amparador-amparando; a interação intercompreensão-inte-
rassistencialidade
.
Trinomiologia:
o trinômio interassistencial acolhimento-orientação-encaminhamento.
Antagonismologia:
o antagonismo acolhimento / preconceito; o antagonismo cordiali-
dade / ironia;
o antagonismo sinceridade / dissimulação; o antagonismo respeito / indiferença;
o antagonismo rapport / mal-humor; o antagonismo assistência universal / assistência seletiva;
o antagonismo pronto atendimento / omissão de socorro.
Paradoxologia:
o paradoxo de o primeiro atendimento poder ser o último atendimento;
o paradoxo da intervenção enérgica sem agressividade; o paradoxo da heteroculpabilização
mascarando a autoculpa;
o paradoxo de o assistente ser o primeiro assistido.
Politicologia:
a interassistenciocracia; a Política Nacional de Humanização do Sistema
Único de Saúde (Humaniza SUS); as políticas institucionais de assistência ao doente; a merito-
cracia; a democracia; a lucidocracia; a evoluciocracia.
Legislogia:
a lei do maior esforço interassistencial; a lei da interdependência; a lei de
causa e efeito;
as leis da Fisiologia Humana; a Lei do Sistema Único de Saúde (Lei N
o
8.080 de
19 de setembro de 1990); a lei da inseparabilidade grupocármica; a lei da interassistencialidade.
Filiologia:
a conscienciofilia; a conviviofilia; a assistenciofilia.
Fobiologia:
a nosofobia; a claustrofobia; a fobia específica do tipo sangue-injeção-feri-
mentos; a tanatofobia.
Sindromologia:
a síndrome do ansiosismo; a síndrome da autovitimização; a síndrome
do infantilismo;
a síndrome da apriorismose; a síndrome do vampirismo bionenergético; a sín-
drome de abstinência às drogas psicoativas, álcool ou tabaco;
a síndrome do burnout.
Maniologia:
a mania de doença; a mania da queixa, a mania de falar alto prejudicando
o repouso do paciente; a mania do familiar de alterar a regulagem do equipo do soro do paciente.
Mitologia:
o mito da melhora milagrosa; o mito de a medicação curar todos os proble-
mas do doente;
o mito da comida hospitalar deixar o paciente com fome; o mito da independên-
cia absoluta;
o mito da falta de tempo; o mito de agradar a todos; o mito do fim da vida com
a morte biológica
.
Holotecologia:
a consciencioteca; a assistencioteca; a interassistencioteca; a teaticoteca;
a traforoteca; a psicopatoteca; a parapsicoteca; a grupocarmoteca; a convivioteca; a cosmoetico-
teca
.
Interdisciplinologia:
a Interassistenciologia; a Intencionologia; a Retrospectivologia;
a Intrafisicologia; a Nosografia; a Psicologia; a Enfermagem; a Farmacologia; a Medicina; o Ser-
viço Social; a Nutrição Clínica; a Cuidadologia; a Dessomatologia; a Parapercepciologia; a Tene-
pessologia; a Ofiexologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a conscin acolhedora; a conscin receptiva; a conscin empática; a conscin
afetiva; a conscin aglutinadora; a minipeça do maximecanismo interassistencial; a conscin emfer-
ma; a conscin vitimizada; a família nuclear; a parentela; a equipe de profissionais da saúde;

a conscin parapsíquica; a conscin lúcida; a conscin projetada; a isca humana assistencial; a cons-
cin tenepessista; o ser desperto; a consciex amparadora.

Masculinologia:
o amparador intrafísico; o conviviólogo; o exemplarista; o tenepessista;
o ofiexista; o pesquisador; o parapercepciologista; o pré-serenão vulgar; o projetor consciente;
o assistente amador; o assistente veterano; o conscienciólogo; o verbetógrafo; o homem de ação.

Femininologia:
a amparadora intrafísica; a convivióloga; a exemplarista; a tenepessista;
a ofiexista; a pesquisadora; a parapercepciologista; a pré-serenona vulgar; a projetora consciente;
a assistente amadora; a assistente veterana; a consciencióloga; a verbetógrafa; a mulher de ação;
a médica, enfermeira e assistente social Cicely Saunders (1918-2005) criadora de técnicas de cui-
dados paliativos;
a médica psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross (1926-2004) propositora das cinco
fases do luto (a negação, a raiva, a barganha, a depressão e a aceitação).

Hominologia:
o Homo sapiens interassistens; o Homo sapiens activus; o Homo sapiens
parapsychicus;
o Homo sapiens lucidus; o Homo sapiens tenepessista; o Homo sapiens reurba-
nisatus;
o Homo sapiens fraternus.

V. Argumentologia

Exemplologia:
acolhimento hospitalar básico = a recepção com sorriso afável à conscin
enferma; acolhimento hospitalar técnico = o atendimento cordial e sistemático aos pacientes e fa-
miliares para orientação quanto às normas do hospital; acolhimento hospitalar avançado = o aco-
lhimento fraterno e multidimensional à conscin enferma e respectivas companhias extrafísicas,
amparadoras e assediadoras.

Culturologia:
a cultura do acolhimento; a cultura da saúde; a cultura hospitalar; a cul-
tura da solidariedade na visita hospitalar;
o esclarecimento aos visitantes quanto ao caráter pre-
judicial da cultura de levar alimentos aos doentes; a cultura do bom humor; a cultura da inter-
compreensão;
a cultura da interassistencialidade no hospital.

Caracterologia.
Sob a ótica da Interassistenciologia, eis, por exemplo, em ordem alfa-
bética, 40 características da atitude acolhedora hospitar:
01. Acuidade. Percepção detalhada da necessidade coletiva e individual.
02. Afetividade. Consideração teática para com o sentimento alheio.
03. Assistencialidade. Interesse sincero e predisposição assistencial.
04. Atenção à sinalética. Percepção da sinalética energética e parapsíquica pessoal an-
tes, durante e depois do acolhimento.
05. Autodomínio energético. Esforço na qualificação do autodomínio energético visan-
do o auto e heterodesassédio.
06. Boa apresentação. Higiene e uso de roupas adequadas ao ambiente hospitalar.
07. Boa vontade. Empenho para solucionar as demandas.
08. Bom humor. Preservação do estado de espírito amigável, favorecendo o holopense-
ne sadio.
09. Bom tom. Orientação franca sem pedantismo, arrogância ou autoritarismo.
10. Conhecimento. Domínio teórico e prático da função exercida.
11. Dedicação. Empenho no cumprimento dos objetivos da função.
12. Desenvoltura. Habilidade nas orientações, abstendo-se de recursos de infantilização.
13. Diplomacia. Habilidade na condução da interação paciente-família-equipe.
14. Discernimento. Bom senso teático quanto ao tempo de acolher, orientar e enca-
minhar.
15. Empatia. Capacidade de se colocar no lugar do outro.

16. Equilíbrio. Manutenção do autequilíbrio mental e emocional na recepção de família
irritadiça.
17. Ética. Admissão do paciente sem preconceitos de qualquer natureza.
18. Flexibilidade. Reflexão na condução de situações divergentes do padrão habitual.
19. Fraternismo. Altruísmo espontâneo, incondicional.
20. Imparcialidade. Mediação imparcial entre paciente-equipe e equipe-família.
21. Liderança cosmoética. Equidade na delegação de tarefas no acolhimento.
22. Objetividade. Comunicação clara e pertinente, com utilização de vocabulário ade-
quado ao ouvinte.
23. Observação participante. Percepção e ação assistencial.
24. Omissão superavitária. Acolhimento inicial e preparação da família para notícia de
dessoma.
25. Paciência. Repetição, quantas vezes forem necessárias, para a mensagem ser com-
preendida.
26. Perspicácia. Sagacidade na identificação de tentativa de manipulação.
27. Polidez. Educação no trato às pessoas, chamando-as pelo nome, ouvindo-as antes de
falar e olhando-as nos olhos.
28. Predisposição ao amparo. Disponibilidade às inspirações dos amparadores extrafí-
sicos de função.
29. Prontidão. Agilidade nas intercorrências.
30. Prudência. Precaução quanto à identificação das demandas do visitante.
31. Raciocínio preventivo. Inteligência aguçada, permitindo prever ações ameaçadoras
à segurança.
32. Respeito. Estima por todos independente da condição.
33. Responsabilidade. Compromisso com a realização do trabalho.
34. Satisfação íntima. Alegria, gosto em recepcionar pessoas.
35. Sensibilidade fina. Tino para perceber o essencial a ser realizado.
36. Seriedade com serenidade. Tranquilidade e tom de voz adequado ao atendimento.
37. Sigilo. Acolhimento discreto, sem fazer alardes da situação.
38. Trabalho em equipe. Valorização do trabalho interdisciplinar.
39. Visão de conjunto. Compreensão de tudo e todos na situação de acolhimento.
40. Zelo. Cuidado com o bem-estar de todos: paciente-família-equipe.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com o acolhimento hospitalar, indicados para a expansão das
abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Acolhimento assistencial extrafísico: Paraprofilaxiologia; Homeostático.
02. Afetividade: Psicossomatologia; Neutro.
03. Assistência inegoica: Interassistenciologia; Homeostático.
04. Assistência sem retorno: Interassistenciologia; Homeostático.
05. Bônus do não: Crescendologia; Neutro.
06. Empatia receptiva: Interassistenciologia; Homeostático.
07. Experiência compartilhada: Experimentologia; Neutro.
08. Hiperacuidade interassistencial: Interassistenciologia; Homeostático.
09. Intencionologia: Holomaturologia; Neutro.
10. Livre arbítrio: Paradireitologia; Neutro.
11. Minipeça interassistencial: Interassistenciologia; Homeostático.
12. Minuto: Cronologia; Neutro.
13. Oportunidade de ajudar: Interassistenciologia; Homeostático.
14. Repercussão do medo: Parapatologia; Nosográfico.

15. Senso de gratidão: Holomaturologia; Homeostático.

O
ACOLHIMENTO FRATERNO É O PRIMEIRO PASSO PA-
RA A
ASSISTÊNCIA HOSPITALAR BEM-SUCEDIDA. PRE-
DISPÕE O ASSISTIDO AO TRATAMENTO E À RECUPERA-
ÇÃO DA SAÚDE EM TODAS AS FASES DA INTERNAÇÃO.


Questionologia.
Você, leitor ou leitora, já teve a oportunidade de atuar na tarefa de
acolhimento hospitalar? O desempenho pessoal foi satisfatório? Qual o resultado?

Bibliografia Específica:


1. Angerami-Camon, Valdemar Augusto; Org.; Urgências Psicológicas no Hospital; revisor Janice Yunes;
pról. Ricardo Werner Sebastiani; 212 p.; 9 caps.; 4 citações; 21 enus.; 2 esquemas; 2 gráfs.; 2 ilus.; 3 tabs.; posf.; 152
refs.; 24 x 17 cm; br.; 2ª

reimp.; Pioneira; São Paulo, SP; 2002; páginas 43 a 52 e 54 a 57.
2. Kübler-Ross, Elisabeth; Sobre a Morte e o Morrer (On Death and Dying); trad. Paulo Menezes; 296 p.; 12
caps.; 13 citações; 1 diagrama; 182 refs.; 21 x 14 cm; br.; 9ª

Ed.; Martins Fontes; São Paulo, SP; 2008; páginas 43 a 47,
55 a 57, 60, 87, 89, 91, 117, 118, 124, 165, 166, 174 e 175.

G. S.