Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


ACHEGA MATEMÁTICA

(MENTALSOMATOLOGIA)


I. Conformática


Definologia.
A achega matemática é a ideia, fator ou variável capaz de constituir aporte,
subsídio, acrescentamento ou enriquecimento ao trabalho mentalsomático de determinada linha
de pesquisa intelectual.
Tematologia.
Tema central homeostático.
Etimologia.
A palavra achegar provém do idioma Latim, applicare, “aproximar-se de;
encostar; abordar; dirigir-se a; apoiar; aplicar (sentido físico e moral); juntar; ajuntar”, derivado
de plecto, “dobrar; trançar; entrelaçar; enlaçar”. Apareceu no Século XIII. O vocábulo achega
surgiu no Século XVI. O termo matemática vem do mesmo idioma Latim, mathematica, “Arte
das Matemáticas; astrologia”, e este do idioma Grego, mathematike, “a Ciência Matemática”, de
mathema,
“ensinamento; estudo”. Apareceu no Século XVI.
Sinonimologia:
01. Acrescentamento intelectual. 02. Acréscimo matemático. 03. In-
clusão imperdível. 04. Aditamento matemático. 05. Aporte mentalsomático. 06. Subsídio escla-
recedor. 07. Contribuição enriquecedora. 08. Adição pesquisística. 09. Apoio cultural. 10.
Adjutório intelectivo.
Cognatologia.
Eis, na ordem alfabética, 11 cognatos derivados do vocábulo achega:
achegada; achegadeira; achegado; achegador; achegadora; achegamento; achegança; achegar;
achego; achegulho; desachegar.

Neologia.
As duas expressões compostas achega matemática humana e achega matemá-
tica parapsíquica
são neologismos técnicos da Mentalsomatologia.
Antonimologia:
1. Repúdio à heterocrítica. 2. Fechamento mentalsomático.
Estrangeirismologia:
o insight preciso; a serendipitia; o breakthrough mentalsomático;
o Mentalsomarium.
Atributologia:
predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à holomaturescência da hiperacuidade mentalsomática.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal da Mentalsomatologia; os evoluciopensenes;
a evoluciopensenidade; os lucidopensenes; a lucidopensenidade; os cognopensenes; a cognopen-
senidade; os nexopensenes; a nexopensenidade; os grafopensenes; a grafopensenidade; os neo-
pensenes; a neopensenidade; os ortopensenes; a ortopensenidade; os prioropensenes; a prioropen-
senidade.

Fatologia:
a achega matemática; o papel relevante da amizade no universo das achegas
matemáticas; as achegas matemáticas advindas pelas leituras técnicas; a relevância da participa-
ção em conferências e eventos técnicos no âmbito das achegas matemáticas; o acréscimo intelec-
tual em cima do lance; a vantagem inesperada.

Parafatologia:
a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; a sinalética ener-
gética e parapsíquica pessoal; a inspiração do amparador extrafísico de função ao tenepessista na
condição de achega matemática; o fato de quem oferece achegas matemáticas na condição de
consciex, receber achegas matemáticas, depois, na condição de conscin; a condição da identidade
extra, em si, ser modalidade de achega parapsíquica; o fato de, durante décadas, o trabalho extra-
físico da consciex Zéfiro ter sido o de transmitir achegas matemáticas às conscins parapsiquica-
mente receptivas; a identificação de personalidades consecutivas por meio das achegas matemáti-
cas fornecidas pelos amparadores extrafísicos.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo paracérebro receptivo-paraachegas cosmoéticas; o si-
nergismo intelectualidade-parapsiquismo-comunicabilidade
.
Principiologia:
o princípio da verpon; o princípio do megafoco mentalsomático; os
princípios científicos fundamentais da Conscienciologia;
o princípio da descrença; o princípio
da evolução permanente;
o princípio do posicionamento pessoal (PPP); o princípio da prioridade
compulsória
(PPC) aplicado diariamente; o princípio da autocrítica cosmoética.
Codigologia:
o código pessoal de Cosmoética (CPC).
Teoriologia:
a teoria da evolução consciencial mentalsomática.
Tecnologia:
a técnica das prioridades conscienciológicas evolutivas; a técnica do deta-
lhismo;
a técnica da exaustividade; as técnicas da Enciclopédia da Conscienciologia; a técnica
da reserva de leitura;
a técnica do aperitivo intelectual; as técnicas parapsíquicas aplicadas
à criação de verpons
.
Laboratoriologia:
o laboratório conscienciológico da Cosmoeticologia; o laboratório
conscienciológico da Pensenologia;
o laboratório conscienciológico da Mentalsomatologia; o la-
boratório conscienciológico da Parageneticologia;
o laboratório conscienciológico da Evolucio-
logia;
o laboratório conscienciológico Serenarium; o laboratório conscienciológico da Paraedu-
cação
.
Colegiologia:
o Colégio Invisível dos Pesquisadores da Conscienciologia.
Ciclologia:
o turno intelectual pessoal coordenado no ciclo circadiano.
Binomiologia:
o binômio autoparapsiquismo-interassistencialidade; o binômio para-
perceptibilidade-mentalsomaticidade;
o binômio Autoconscienciometrologia-Autoparapercepcio-
logia;
o binômio prioridades rígidas-prioridades flexíveis; o binômio qualidade da elaboração
mental-qualidade das prioridades pessoais;
o binômio megacons-megaprioridades; o binômio
Verbetologia-Verbetografia
.
Interaciologia:
a interação neoideia-Proxêmica; a interação dos nichos das neoideias;
a interação componentes do nicho-desenvolvimento do nicho; a interação imaginação-verpon;
a interação organização mental-organização espacial; a interação Hermeneuticologia-Doxopen-
senologia;
a interação cosmograma-conscienciograma.
Crescendologia:
o crescendo retroideia-neoideia; o crescendo conceptáculo da neoi-
deia-nicho da neoideia;
o crescendo ideia inata-neoideia; o crescendo sentimentos elevados-ra-
cionalidade verponística;
o crescendo evolutivo assistencial tacon-tares; o crescendo gradativo
de expansão dos limites cosmoéticos da tares;
o crescendo planejamento-organização-conse-
cução
.
Trinomiologia:
o trinômio (prefixos) neoideias-neoverdades-neologismos; o trinômio
Debatologia-Refutaciologia-Argumentologia;
o trinômio subtópico-tópico-supertópico; o trinô-
mio autopesquisa-heteropesquisa-multipesquisa;
o trinômio concentração mental-atenção fixa-
da-lucidez;
o trinômio ideia original-experimentação-síntese; os neovalores existenciais do tri-
nômio multidimensionalidade-multiexistencialidade-cosmoeticidade;
o emprego do trinômio eu-
forin-primener-cipriene
na condição de achega matemática.
Polinomiologia:
o polinômio dicionário cerebral sinonímico-dicionário cerebral anto-
nímico-dicionário cerebral analógico-dicionário cerebral poliglótico;
o polinômio aditamento
inabdicável-benefício indubitável-valor inestimável- resultado memorável
.
Antagonismologia:
o antagonismo verpons / dogmatismos; o antagonismo verpon / ver-
dade absoluta;
o antagonismo intenção de informar / intenção de convencer; o antagonismo
abordagem mentalsomática / abordagem psicossomática;
o antagonismo afetividade esclarece-
dora / afetividade demagógica;
o antagonismo neofobia psicossomática / neofilia mentalsomáti-
ca;
o antagonismo achega interlúdica / achega baratrosférica.
Paradoxologia:
o paradoxo da verpon mais de ponta problemática ser capaz de pro-
duzir o estupro evolutivo evitável
.
Politicologia:
a lucidocracia; a cognocracia; a cosmoeticocracia; a assistenciocracia;
a parapsicocracia; a projeciocracia; a cosmocracia.

Legislogia:
a lei do maior esforço interassistencial evolutivo.
Filiologia:
a raciocinofilia; a neofilia; a criticofilia; a pesquisofilia; a debatofilia; a cog-
nofilia; a verponofilia.
Holotecologia:
a prioroteca; a evolucioteca; a cronoteca; a proexoteca; a experimento-
teca
; a recexoteca; a cognoteca.
Interdisciplinologia:
a Mentalsomatologia; a Autopesquisologia; a Parapercepciologia;
a Interassistenciologia; a Autoproexologia; a Holomaturologia; a Autogesconologia; a Evolucio-
logia; a Seriexologia; a Autorrevezamentologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a conscin lúcida; a isca humana lúcida; o ser desperto; o ser interassisten-
cial; a conscin enciclopedista.

Masculinologia:
o acoplamentista; o agente retrocognitor; o amparador intrafísico;
o atacadista consciencial; o autodecisor; o intermissivista; o cognopolita; o compassageiro evolu-
tivo; o completista; o comunicólogo; o conscienciólogo; o conscienciômetra; o conscienciotera-
peuta; o macrossômata; o conviviólogo; o duplista; o duplólogo; o proexista; o proexólogo; o ree-
ducador; o epicon lúcido; o escritor; o evoluciente; o exemplarista; o intelectual; o reciclante exis-
tencial; o inversor existencial; o maxidissidente ideológico; o tenepessista; o ofiexista; o paraper-
cepciologista; o pesquisador; o pré-serenão vulgar; o projetor consciente; o sistemata; o tertulia-
no; o verbetólogo; o verbetógrafo; o voluntário; o tocador de obra; o homem de ação.

Femininologia:
a acoplamentista; a agente retrocognitora; a amparadora intrafísica;
a atacadista consciencial; a autodecisora; a intermissivista; a cognopolita; a compassageira evolu-
tiva; a completista; a comunicóloga; a consciencióloga; a conscienciômetra; a conscienciotera-
peuta; a macrossômata; a convivióloga; a duplista; a duplóloga; a proexista; a proexóloga; a ree-
ducadora; a epicon lúcida; a escritora; a evoluciente; a exemplarista; a intelectual; a reciclante
existencial; a inversora existencial; a maxidissidente ideológica; a tenepessista; a ofiexista; a pa-
rapercepciologista; a pesquisadora; a pré-serenona vulgar; a projetora consciente; a sistemata;
a tertuliana; a verbetóloga; a verbetógrafa; a voluntária; a tocadora de obra; a mulher de ação.

Hominologia:
o Homo sapiens prioritarius; o Homo sapiens autolucidus; o Homo sa-
piens mentalsomaticus;
o Homo sapiens evolutiens; o Homo sapiens logicus; o Homo sapiens
scientificus;
o Homo sapiens perquisitor; o Homo sapiens polymatha; o Homo sapiens proexo-
logus
.

V. Argumentologia

Exemplologia:
achega matemática humana = a opinião alheia esclarecedora sobre as ba-
ses da megagescon ou obra-prima escrita pessoal; achega matemática parapsíquica = a vivência
do fenômeno da extrapolação parapsíquica patrocinada por amparador extrafísico.

Culturologia:
a cultura da Mentalsomatologia; a cultura da intercooperação.

Taxologia.
Sob a ótica da Autopesquisologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética,
8 categorias de achegas matemáticas, em geral:
1. Achega afetiva: o conforto na hora justa.
2. Achega cognitiva: o aparte ideativo expandindo conceitos.
3. Achega energética: o aporte energético na intervenção assistencial.
4. Achega heterocrítica: o deslindamento do ponto pesquisístico antes não entrevisto.
5. Achega informativa: o fornecimento de dado decisivo.
6. Achega parafenomênica: o parafenômeno elucidativo do contexto vivencial.

7. Achega parapsíquica: a inspiração providencial em momento crítico.
8. Achega vocabular: a lembrança da palavra exata para o esclarecimento eficaz.

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com a achega matemática, indicados para a expansão das abor-
dagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Amplificador da consciencialidade: Holomaturologia; Homeostático.
02. Aperitivo intelectual: Mentalsomatologia; Neutro.
03. Aplicação da neoideia: Heuristicologia; Neutro.
04. Atenção dividida: Mentalsomatologia; Homeostático.
05. Ato mentalsomático: Mentalsomatologia; Neutro.
06. Autorado holocármico: Mentalsomatologia; Homeostático.
07. Avanço mentalsomático: Mentalsomatologia; Homeostático.
08. Contraponto técnico: Mentalsomatologia; Neutro.
09. Evento mentalsomático: Mentalsomatologia; Neutro.
10. Grupo de neoideias: Mentalsomatologia; Neutro.
11. Intelecção: Mentalsomatologia; Homeostático.
12. Nutrição informacional: Mentalsomatologia; Neutro.
13. Priorização mentalsomática: Mentalsomatologia; Homeostático.
14. Ricochete intelectivo: Mentalsomatologia; Neutro.
15. Troca intelectual: Mentalsomatologia; Neutro.

A
ACHEGA MATEMÁTICA PODE CONSTITUIR RECURSO
PROEXOLÓGICO PROVIDENCIAL PARA A CONSCIN LÚ-
CIDA, HOMEM OU MULHER, PREDISPOSTA A RECEBER

HETEROCRÍTICAS RACIONAIS, LÓGICAS E EVOLUTIVAS.


Questionologia.
Você, leitora ou leitor, está sempre predisposto a aceitar observações
alheias quanto ao próprio trabalho intelectual? Mesmo quando a sugestão exige racional revisão
visceral da obra escrita?