Enciclopédia da Conscienciologia

Texto do Verbete :


ABORTO HUMANO PROVOCADO

(DESSOMATOLOGIA)


I. Conformática

Definologia.
O aborto humano provocado é o ato, procedimento ou efeito da interrup-
ção, antes de 20 a 22 semanas, ou até 500 gramas, do desenvolvimento do feto humano, feito de
modo voluntário durante a gravidez, pelo uso de drogas ou intervenção cirúrgica, resultando na
dessoma do nascituro.
Tematologia.
Tema central neutro.
Etimologia.
O termo aborto vem do idioma Latim, abortus, “ação de abortar; aborto”.
Surgiu no Século XVI. O vocábulo humano procede também do idioma Latim, humanus, “huma-
no; próprio do Homem; amável; benigno; bondoso; erudito; civilizado; instruído nas Humanida-
des”. Apareceu no Século XIII.
Sinonimologia:
1. Abortamento humano provocado. 2. Amblose estimulada. 3. Feticí-
dio. 4. Interrupção da gravidez promovida. 5. Destruição fetal intencional. 6. Dessoma fetal pro-
vocada. 7. Aborticídio.
Cognatologia.
Eis, na ordem alfabética, 19 cognatos derivados do vocábulo aborto:
abortação; abortada; abortadeira; abortadeiro; abortado; abortamento; abortar; abortável;
aborteira; aborteiro; aborticida; aborticídio; abortício; abortífero; abortigênica; abortigênico;
abortiva; abortividade; abortivo.

Neologia.
As duas expressões compostas aborto humano provocado legal e aborto hu-
mano provocado ilegal
são neologismos técnicos da Dessomatologia.
Antonimologia:
1. Aborto humano natural. 2. Gestação humana total. 3. Gravidez
ininterrupta. 4. Nascimento intrafísico. 5. Ressoma. 6. Parição.
Estrangeirismologia:
a falta de know-how evolutivo; o downgrade proexológico.
Atributologia:
predomínio dos sentidos somáticos, notadamente do autodiscernimento
quanto ao emprego sadio do corpo humano.

II. Fatuística

Pensenologia:
o holopensene pessoal da antimaternidade patológica; os egopensenses;
a egopensenidade; os grupopensenes; a grupopensenidade; os nosopensenes; a nosopensenidade;
os patopensenes; a patopensenidade; os xenopensenes; a xenopensenidade; os baratropensenes;
a baratropensenidade; os recexopensenes; a recexopensenidade; os infantopensenes; a infantopen-
senidade; as pressões holopensênicas patológicas; a autopensenização saudosa; a necessidade de
reeducação autopensênica sobre a dessoma.

Fatologia:
o aborto humano provocado; a descontinuação dolosa da gravidez; a gravidez
indesejada gerada por imaturidades afetivo-sexuais levando ao feticídio; a imprudência sexual;
a leviandade sexual; a inexperiência sexual; a aventura sexual; a conduta sexual vulgar; o impulso
sexual incontido; a passionalidade sexual; a promiscuidade; a constante busca por parceiros se-
xuais; o prazer do momento fugaz comprometendo a proéxis; a escolha do parceiro pela sincroni-
cidade de trafares; a submissão cega ao impulso sexual assediador; a hipervalorização do corpo
humano enquanto agente provocador do aborto; a incapacidade de monitorar o funcionamento do
próprio organismo biológico para a determinação do período fértil; a poligamia gerando o descui-
do preventivo; a pílula do dia seguinte como abortivo do ovo recém-fecundado; a falta de consci-
entização da necessidade do uso de métodos contraconceptivos; o aborto voluntário podendo criar
interprisão grupocármica; a cultura social de no homem não haver qualquer consequência após
o ato sexual; o aborto da proéxis da consciência-feto descartada; a culpa silenciosa do arrependi-
mento do aborto provocado; a crença pela qual a relação sexual recém terminada “não vai dar em
nada”; a gravidez fora de hora prejudicando o trabalho profissional da mulher, ocasionando

o aborto provocado; a falta de adequação uterina provocando o aborto involuntário; as alterações
genéticas, doenças sistêmicas, tumores e infecções causando o aborto involuntário; as sequelas fi-
siológicas causadas pelo aborto; o estupro permitindo o aborto legal; o feto anencéfalo abortado;
a dessoma da mãe provocada por imperícia; o aborto involuntário de pré-conscin aguardada,
ocorrido em função de causas somáticas; a autocobrança por nova gravidez em razão do aborto
prévio; a insegurança materna relacionada à saúde e integridade dos próximos filhos; a possibili-
dade da ressoma da consciex abortada em próximos filhos; a possibilidade de reconstituição cár-
mica com o trabalho voluntário; a Consciencioterapia sendo agente de reconstituição da saúde
emocional; a possibilidade da pré-conscin ser personalidade chave para evolução do grupocarma
consanguíneo; o débito frente à Ficha Evolutiva Pessoal (FEP); o autodiscernimento manifesto
nos posicionamentos acertados da conscin lúcida; a Reeducaciologia e a Desassediologia visando
a antimaternidade sadia do intermissivista lúcido.

Parafatologia:
a ignorância quanto à autovivência do estado vibracional (EV) profiláti-
co; os acoplamentos áuricos patológicos; os assédios cronicificados; as ressacas energéticas deri-
vadas de heterassédio extrafísico; a reconexão com antigos assediadores extrafísicos; os esforços
assedializantes contínuos em não deixar a pré-conscin ressomar; os assédios agudos atuantes na
dessoma da pré-conscin; as automimeses dispensáveis das retrovidas heterodestrutivas; a macro-
-PK destrutiva; os parafenômenos prenunciando a futura gravidez; a descompensação cardiocha-
cral devido às condições de risco; a refratariedade cármica; a possibilidade da escolha da consciex
lúcida por família específica; o momento da despedida intra e extrafísica; as heterocobranças da
consciex abortada.

III. Detalhismo

Sinergismologia:
o sinergismo patológico mãe ausente-pai ausente; o sinergismo da
assedialidade do grupocarma potencializando a dessoma prematura;
o sinergismo estagnação
evolutiva-influência patológica;
o sinergismo nosológico compulsão sexual-decisão impulsiva;
o sinergismo patológico baixa-autestima-carência afetiva; o sinergismo patológico destrutivo.
Principiologia:
o princípio da inexistência da morte da consciência; o princípio da mul-
tidimensionalidade da consciência;
o princípio da economia de males; o princípio da busca do
prazer a qualquer preço;
o princípio da restauração evolutiva; o princípio de, na dúvida, abs-
ter-se
.
Codigologia:
a ausência e desconhecimento da potencialidade evolutiva do código pes-
soal de Cosmoética
(CPC); o artigo 128 do código penal regulamentando o aborto no Brasil;
a valorização irracional dos códigos religiosos dogmatizantes.
Teoriologia:
a teoria da interprisão grupocármica; a teoria do endividamento egocár-
mico
exemplificada pelo aborto enquanto causa de débitos multiexistenciais para os autores en-
volvidos; a teoria da atração entre afins nas relações familiares; a teoria da assedialidade inter-
consciencial
.
Tecnologia:
a técnica da inversão existencial como profilaxia do aborto provocado;
a técnica da autorreflexão de 5 horas como referencial para aumento do discernimento; a técnica
da reciclagem existencial
como terapia pós-aborto; a Consciencioterapia enquanto técnica de re-
missão das autoculpas;
a técnica da tenepes enquanto assistência à consciex abortada.
Voluntariologia:
o trabalho voluntário como terapia de perturbações emocionais causa-
das pelo aborto provocado.
Laboratoriologia:
o laboratório conscienciológico das retrocognições; o laboratório
conscienciológico da proéxis;
o laboratório conscienciológico da Cosmoética; o laboratório
conscienciológico da Pensenologia;
o laboratório conscienciológico da Parageneticologia; o la-
boratório conscienciológico da autorganização;
o laboratório conscienciológico da dupla evolu-
tiva;
o laboratório radical da Heurística.
Colegiologia:
o Colégio Invisível da Dessomatologia; o Colégio Invisível da Recexolo-
gia;
o Colégio Invisível da Intrafisicologia; o Colégio Invisível da Consciencioterapia; o Colégio

Invisível da Grupocarmologia;
o Colégio Invisível da Interassistenciologia; o Colégio Invisível
da Proexologia;
o Colégio Invisível da Parageneticologia; o Colégio Invisível da Consciencio-
metrologia
.
Efeitologia:
o efeito da gravidez não planejada e fora de hora; o efeito do aborto
humano voluntário nas proéxis dos envolvidos;
os efeitos colaterais da autoculpa; os efeitos da
emocionalidade do psicossoma sobre a racionalidade do mentalsoma
.
Neossinapsologia:
a utilização antievolutiva das neossinapses geradas pelo trauma do
aborto;
as neoparassinapses derivadas da análise, na parapsicoteca, de retroabortos realizados
pela hoje consciex, ontem conscin abortante
.
Ciclologia:
o ciclo vítima-algoz; o ciclo hedonismo sexual-arrependimento anunciado;
a influência do aborto humano no ciclo multiexistencial pessoal (CMP); a identificação do ciclo
de desperdícios de oportunidades evolutivas;
o ciclo ressoma-dessoma; o ciclo encontros-desen-
contros-reencontros;
o ciclo vicioso da anticosmoética.
Enumerologia:
a tendência ao porão consciencial; a tendência a cunhas mentais; a ten-
dência
ao abandono; a tendência à desorganização somática; a tendência ao descontrole emocio-
nal; a tendência a atos anticosmoéticos; a tendência ao incompléxis.
Binomiologia:
o binômio débito cármico-resgate extrafísico; o binômio autoculpa-ba-
nalização do aborto;
o binômio expectativa frustrada-surtos de imaturidades.
Interaciologia:
a interação autassédio-heterassédio; a interação causa-efeito; a falta de
interação pais-filhos;
a interação subcérebro-paracérebro; a interação família nuclear-família
consciencial;
a interação recin-recéxis; a interação passado-presente; a interação fatos-parafa-
tos;
a interação medo-subordinação; a interação renitência em erro admitido-confiabilidade
pessoal perdida;
a interação criminalidade-paracriminalidade.
Crescendologia:
o crescendo ausência de prevenção-necessidade de reparação; o cres-
cendo sexochacralidade-coronochacralidade;
o crescendo ignorância-inexperiência-experiência;
o crescendo aborto voluntário-autoculpa-autoperdão-autossuperação; o crescendo aborto invo-
luntário-receio da gravidez-nova gestação
.
Trinomiologia:
o trinômio impulsividade-irracionalidade-arrependimento; o trinômio
aborto-autoculpa-recomposição.

Polinomiologia:
o polinômio interprisão-vitimização-recomposição-libertação; o poli-
nômio autorreflexão-fala-escrita-ação
na remissão do erro assumido.
Antagonismologia:
o antagonismo afetividade imatura / afetividade madura; o antago-
nismo luto / consecução da autoproéxis;
o antagonismo porão consciencial / tridotação conscien-
cial;
o antagonismo aborto provocado / tratamento para engravidar; o antagonismo filho indese-
jado / filho programado;
o antagonismo descontrole somático / autorganização; o antagonismo
reciclante / inversor;
o antagonismo médico sem ética / médico cosmoético; o antagonismo ges-
tação humana / gestação consciencial
.
Paradoxologia:
o paradoxo de ganho intrafísico imediato poder ser perda evolutiva du-
radoura
.
Politicologia:
a barbarocracia; a assediocracia; as políticas públicas de distribuição de
anticoncepcionais (planejamento familiar); a autodiscernimentocracia; a meritocracia; a interas-
sistenciocracia; a mentalsomatocracia; a cosmoeticocracia.
Legislogia:
a lei de ação e reação; a lei da inseparabilidade grupocármica; as leis da
interprisão grupocármica;
as leis do dogmatismo religioso.
Filiologia:
a xenofilia; a materiofilia; a anticosmoeticofilia; a reciclofilia; a recexofilia;
a proexofilia; a invexofilia.
Fobiologia:
a conviviofobia; a criticofobia; a evoluciofobia; a sociofobia; a autopesqui-
sofobia; a estigmatofobia; a passadofobia.
Sindromologia:
a síndrome do coração partido devido ao estresse do aborto; a síndro-
me pós-aborto;
a síndrome da ectopia afetiva (SEA) antes, durante e depois do aborto humano;
a síndrome do vazio existencial frequentemente verificada após aborto involuntário; a recusa em
reconhecer os próprios erros na síndrome da autovitimização.
Maniologia:
a egomania; a nosomania; a patomania; a narcisomania.

Mitologia:
o mito do descarte da consciência-feto; o megamito religioso do sexo ser
apenas para procriação;
o megamito do celibato dos sacerdotes.
Holotecologia:
a dessomatoteca; o abortoteca; a antissomatoteca; a psicopatoteca; a so-
matoteca; a projecioteca; a nosoteca; a recicloteca.
Interdisciplinologia:
a Dessomatologia; a Recexologia; a Recinologia; a Seriexologia;
a Intrafisicologia; a Tanatologia; a Parapatologia; a Patopensenologia; a Assediologia; a Autocor-
rupciologia; a Antinvexologia; a Errologia; a Interprisiologia; a Grupocarmologia; a Nosologia.

IV. Perfilologia

Elencologia:
a consciênçula; a consréu transmigrável; a conréu ressomada; a consener;
a isca humana inconsciente; o robô existencial; a vítima do porão consciencial; a vítima da melin;
a vítima da melex; a conscin perversa.

Masculinologia:
o submisso; o omisso; o inseguro; o pusilânime; o crianção; o descui-
dado; a alcoólatra; o toxicômano; o malandro; o sociopata; o biocida; o xenófobo; o infiel; o se-
xista; o playboy; o materialista; o manipulador; o intolerantista; o apriorota; o racista; o homofó-
bico; o neofóbico; o egocêntrico; o bipolar; o autoperdoador; o retomador de tarefa; o retardatário
evolutivo; o guia amaurótico; o pré-serenão vulgar; o reciclante; o incompletista; o autassediado;
o megassediador.

Femininologia:
a desmanchadeira; a submissa; a omissa; a insegura; a pusilânime; a cri-
ançona; a descuidada; a alcoólatra; a toxicômana; a malandra; a sociopata; a biocida; a xenófoba;
a infiel; a sexista; a dondoca; a materialista; a manipuladora; a intolerantista; a apriorota; a racis-
ta; a homofóbica; a neofóbica; a egocêntrica; a bipolar; a autoperdoadora; a retomadora de tarefa;
a retardatária evolutiva; a guia amaurótica; a pré-serenona vulgar; a reciclante; a incompletista;
a autassediada; a megassediadora.

Hominologia:
o Homo sapiens bifrons; o Homo sapiens insecurus; o Homo sapiens im-
maturus;
o Homo sapiens anticosmoethicus; o Homo sapiens subcerebralis; o Homo sapiens in-
completista;
o Homo sapiens omissus; o Homo sapiens displicens; o Homo sapiens recyclans;
o Homo sapiens aprioristicus.

V. Argumentologia

Exemplologia:
aborto humano provocado ilegal = a expulsão do feto sadio promovida
pela decisão egoica dos progenitores; aborto humano provocado legal = a expulsão do feto pro-
movida pelos riscos à saúde da gestante.

Culturologia:
a cultura patológica da egolatria; a cultura de a mulher ser dona do pró-
prio corpo
.

Tabelologia.
Sob a ótica da Conscienciometrologia, eis, por exemplo, em ordem alfabé-
tica, tabela com 15 cotejos entre traços pessoais patológicos desencadeadores do aborto voluntá-
rio e traços faltantes à conscin interessada em realizar a Autoconsciencioterapia remissiva das au-
toculpas estagnadoras:

Tabela - Traços Pessoais Desencadeadores do Abortamento Voluntário
versus
Traços Faltantes

N
os

Travões Desencadeadores Trafais
01.
Angústia egocêntrica Intercompreensão assistencial


N
os

Travões Desencadeadores Trafais
02.
Antidiscernimento Autodiscernimento

03.
Autocorrupção Cosmoética

04.
Autoculpa Autestima elevada

05.
Autodepressão Autopacificação

06.
Autorregressismo Autorreciclogenia

07.
Desorganização Autorganização

08.
Egoísmo Interassistencialidade

09.
Estagnação eletronótica Lucidez multidimensional

10.
Indiferença evolutiva Otimismo evolutivo

11.
Insegurança Autoconfiança

12.
Instabilidade emocional Imperturbabilidade

13.
Lacrimogenia cardiochacral Sorrisogenia coronochacral

14.
Predomínio da sexualidade Predomínio da afetividade sadia

15.
Promiscuidade Responsabilidade proexológica

VI. Acabativa

Remissiologia.
Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 12 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com o aborto humano provocado, indicados para a expansão
das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Antimaternidade sadia: Invexologia; Homeostático.
02. Antissomática: Somatologia; Nosográfico.
03. Atitude antiproéxis: Proexologia; Nosográfico.
04. Autassédio: Parapatologia; Nosográfico.
05. Desafeição: Parapatologia; Nosográfico.
06. Desordem familiar: Interprisiologia; Nosográfico.
07. Dessomática: Dessomatologia; Neutro.
08. Dismorfofobia: Parapatologia; Nosográfico.
09. Fronteiriço dessomático: Intrafisicologia; Nosográfico.
10. Limite cosmoético: Cosmoeticologia; Homeostático.
11. ParaDNA: Parageneticologia; Neutro.
12. Subconsciencialidade: Subconscienciologia; Nosográfico.

O
ABORTO HUMANO PROVOCADO, NO ATUAL MOMENTO
PLANETÁRIO, PODE EXPRESSAR
RETROCESSO EVOLUTI-
VO DA CONSCIN DESORGANIZADA, CONSIDERANDO-SE
OS MÉTODOS CONTRACONCEPTIVOS JÁ DISPONÍVEIS.


Questionologia.
Você, leitor ou leitora, na condição de intermissivista, já utilizou técni-
cas abortivas voluntárias nesta vida intrafísica? No teste de avaliação pessoal pela escala simples

de 1 a 5, qual o nível de entendimento dos mecanismos intraconscienciais ocasionadores de tal
atitude antiproéxis?

Bibliografia Específica:


1. Almeida, Julio; Qualificações da Consciência; pref. Waldo Vieira; revisores Alexandre Zaslavsky; et al.;
260 p.; 14 seções; 135 caps.; 14 E-mails; 185 enus.; 46 estrangeirismos; 1 foto; 1 microbiografia; 2 tabs.; 7 websites; glos.
210 termos; 403 refs.; alf.; ono.; 21 x 14 cm; br.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2005; páginas 39
a 48.
2. Nonato, Alexandre; et al.; Inversão Existencial: Autoconhecimento, Assistência e Evolução desde a Ju-
ventude;
pref. Waldo Vieira; 304 p.; 70 caps.; 17 E-mails; 62 enus.; 16 fotos; 5 microbiografias; 7 tabs.; 17 websites;
glos. 155 termos; 376 refs.; 1 apênd.; alf.; 23 x 16 cm; br.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2011;
páginas 63 e 64.

J. B. C.